Efeito da poda apical nos atributos morfofisiológicos do porta-enxerto clonal de seringueira GT1

Amanda Casagrande Pereira, Erivaldo José Scaloppi Junior, Edilson Costa, Gustavo Luís Mamoré Martins, Noemi Cristina de Souza Vieira

Resumo


Os porta-enxertos de seringueira requerem um período em viveiro para atingir o estádio de enxertia, sendo necessária a aplicação de práticas para otimizar o tempo de formação das mudas. O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito da poda apical nos atributos morfofisiológicos dos porta-enxertos de seringueira GT1. O experimento foi realizado no período de maio de 2014 a maio de 2015 e os tratamentos consistiram em T1: sem poda apical; T2: poda apical realizada uma vez após o terceiro lançamento foliar maduro; T3: poda apical realizada mensalmente após o terceiro lançamento foliar maduro; T4: poda apical realizada uma vez após o quarto lançamento foliar maduro; T5: poda apical realizada mensalmente após o quarto lançamento foliar maduro; T6: poda apical realizada uma vez após o quinto lançamento foliar maduro e T7: poda apical realizada mensalmente após o quinto lançamento foliar maduro. As mensurações foram realizadas mensalmente, medindo-se o diâmetro e a altura das plantas, de 90 até 360 DAT (dias após o transplantio). Aos 360 DAT foram avaliados: massa seca de raiz, caule, folhas e massa seca total; número de folíolos; comprimento da raiz pivotante; volume do sistema radicular; área foliar e teores de elementos minerais nas folhas. A poda apical influenciou no diâmetro do caule, da altura, da massa seca de caule, da massa seca foliar e da área foliar das plantas. Plantas submetidas às podas apicais apresentaram a massa seca de raiz, a massa seca total, o comprimento de raiz, o volume de raiz e o número de folíolos semelhantes às não despontadas. Os tratamentos com poda apical realizada mensalmente apresentaram maior concentração de elementos minerais nas folhas. A poda apical realizada mensalmente após o quarto lançamento foliar maduro possibilitou o desenvolvimento em diâmetro dos porta-enxertos de seringueira em período semelhante às plantas não despontadas, porém aliado a uma menor altura, que facilita os tratos culturais.


Palavras-chave


Hevea brasiliensis; Produção de mudas; Manejo de crescimento das plantas; Viveiro suspenso

Texto completo:

PDF

Referências


BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. Experimentação agrícola. Jaboticabal: UNES; FUNEP, 2013. 237 p.

BASSO, S. M. S. Caracterização morfofisiológica e fixação biológica de nitrogênio de espécies de Adesmia DC. e Lotus L. 1999. Tese (Doutorado em Zootecnia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

BATAGLIA, O. C. et al. Resposta da seringueira clone RRIM 600 à adubação N, P e K em solo podzólico vermelho-amarelo. Bragantia, Campinas, v. 57, n. 2, p. 367-377, 1998.

BENINCASA, M. M. P. Análise de crescimento de plantas: noções básicas. Jaboticabal: UNESP; FUNEP, 1988. 42 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 29, de 05 de agosto de 2009. Aprova as normas para a produção de sementes e de mudas de seringueira (Hevea spp.). Diário Oficial da República Federativa do Brasil: seção 1, Brasília, DF, p. 5, 6 ago. 2009.

BORGHEZAN, M. et al. Efeito da área foliar sobre a composição da uva e a qualidade sensorial dos vinhos da variedade Merlot (Vitis vinifera L.) cultivada em São Joaquim, SC, Brasil. Ciência de Técnica Vitivinícola, Dois Portos, v. 26, n. 1, p. 01-09, 2011.

CASTRO, P. R. C. et al. Análise comparada de crescimento do enxerto e do porta-enxerto de Hevea brasiliensis Muell. Arg. em viveiro. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 47, n. 1, p. 29-45, 1990.

CARDINAL, A. B. B.; GONÇALVES, P. de S.; MARTINS, A. L. M. Influência de seis porta-enxertos sobre a produção de clones superiores de seringueira. Bragantia, Campinas, v. 66, n. 2, p. 277-284, 2007.

CONFORTO, E. de C. Respostas fisiológicas de cinco porta-enxertos de seringueira ao déficit hídrico natural. Brasileira Agrociência, Pelotas, v. 13, n. 4, p. 481-485, 2007.

CLIMATE. Climate-Data.org > América do Sul > Brasil > Mato Grosso do Sul > Cassilândia. Oedheim, 2016. Disponível em: http://pt.climate-data.org/location/43419/. Acesso em: 13 jul. 2016.

EMBRAPA. Manual de análise químicas de solos, plantas e fertilizantes. Brasília, DF: EMBRAPA Solos, 1999. 370 p.

FERREIRA, D. F. SISVAR - Sistema de análise de variância. Versão 5.3. Lavras: UFLA, 2010.

FISCHER, G.; ALMANZA-MERCHÁN, P. J.; MIRANDA, D. Importância y cultivo de la uchuva (Physalis peruviana L.). Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 36, n. 1, p. 001-015, 2014.

FURLANI JUNIOR, E. et al. Aplicação de nitrogênio em mudas de seringueira e efeitos sobre teores foliares de nutrientes e clorofila. Cultura Agronomica, Ilha Solteira, v. 14, n. 1, p. 86-103, 2005.

GASPAROTTO, L. et al. Doenças da seringueira no Brasil. Brasília: EMBRAPA; SPI; Manaus: EMBRAPA; CPAA, 1997. 168 p.

GONÇALVES, E. C. P. A cultura da seringueira para o estado de São Paulo. Campinas: Manual técnico CATI, 2010. 163 p.

GONÇALVES, E. C. P.; PRADO, R. de M.; CORRERIA, M. A. R. Fontes de fósforo no crescimento de porta-enxerto de seringueira sob condições de viveiro. Floresta, Curitiba, v. 40, n. 4, p. 813-818, 2010.

GONÇALVES, P. de S; MARQUES, J. R. B. Melhoramento genético da seringueira: passado, presente e futuro. In: ALVARENGA, A. de P.; CARMO, C. A. F. de S. Seringueira. Viçosa, MG: UFLA; EPAMIG, 2014. p. 489-594.

INTERNATIONAL RUBBER STUDY GROUP. Rubber Statistical Bulletin, Wembley, v. 69, n. 7/9, p. 60, 2015.

MEDRADO, M. J. S. Influência da indução de brotações no desenvolvimento de porta-enxertos de seringueira (Hevea spp.). 1987. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1987.

OLIVEIRA, R. P. et al. Mudas de citrus: etapas da produção de mudas certificadas. Pelotas: EMBRAPA Clima Temperado, 2005.

PAZ, F. das C. A. Influência da decepagem da gema apical no diâmetro do caule da seringueira. Rio Branco: EMBRAPA; UEPAE, 1981.

PEIXOTO, C. P.; CRUZ, T. V.; PEIXOTO, M. F. S. Análise quantitativa do crescimento de plantas: conceitos e práticas. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 7, n. 13, p. 51-76, 2011.

PEZZOPANE, J. E. M.; PEDRO JÚNIOR, M. J.; ORTOLANI, A. A. Uso de estufa com cobertura plástica e de quebra-ventos na produção de porta-enxertos de seringueira. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 52, n. 3, p. 439-443, 1995.

RODRIGUES, T. J. D.; LEITE, I.C. Fisiologia Vegetal - Hormônios das plantas. Jaboticabal: UNESP; FUNEP, 2004. 78 p.

RODRIGUES, V. A.; COSTA, P. N. Análise de diferentes substratos no crescimento de mudas de seringueira. Engenharia Florestal, Garça, v. 8, n. 14, p. 8-17, 2009.

SCARPARE FILHO, J. A. Poda de frutíferas. Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 35, n. 3, p. 677-932, 2013.

VIEGAS, I. de J. M. et al. Nutrição mineral de seringueira. XII. Absorção de macronutrientes e micronutrientes nos 240 dias. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 49, n. 1, p. 41-52, 1992.

ZAMUNÉR FILHO, A. N. et al. Doses of controlled-release fertilizer for production of rubber tree rootstocks. Cerne, Lavras, v. 18, n. 2, p. 239-245, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509824542