ESTRUTURA DO COMPONENTE DE REGENERAÇÃO NATURAL E ARBÓREO DE DOIS MANGUEZAIS NO ESTADO DO PARANÁ

Ana Paula Lang Martins Madi, Maria Regina Torres Boeger, Letícia Larcher, Andressa Pelozo, Carolina Sereneski, Carlos Bruno Reissmann, André Andrian Padial

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509821100

Esse estudo avaliou comparativamente os parâmetros fitossociológicos da regeneração natural e da vegetação arbórea em dois manguezais distintos no Estado do Paraná, um pertencente à Baía de Paranaguá (manguezal de Antonina) e outro à Baía de Guaratuba (manguezal de Guaratuba). Em cada área, três subáreas foram marcadas e amostradas cinco parcelas de 10 x 10 m para avaliação do componente arbóreo e quinze subparcelas de 1 x 1 m para avaliação da regeneração natural. Avicennia schaueriana, Rhizophora mangle e Laguncularia racemosa exibiram domínio e densidade relativa distintos entre as áreas. Manguezais de Antonina e Guaratuba diferiram tanto na estrutura da regeneração natural como no componente arbóreo. A Análise de Coordenadas Principais (PCoA) mostrou que as diferenças entre as áreas em relação às variáveis abióticas do solo estão fortemente relacionadas com os parâmetros estruturais do componente arbóreo dos manguezais. Os fatores edáficos dos manguezais têm grande importância na separação entre as áreas, já que reflete na capacidade de adaptação das plantas.

 


Palavras-chave


fitossociologia; mangue; salinidade; solo.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNINI, E.; REZENDE, C.E. Estrutura da vegetalção em florestas de mangue do estuário do rio Paraíba do Sul, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta bot. Bras., Feira de Santana, v.18, n.3, p.491-502, 2004.

BERNINI, E.; REZENDE, C.E. Variação estrutural em florestas de mangue do estuário do rio Itabapoana, ES-RJ. Biotemas, Florianópolis, v.23, n.1, p.49-60, 2010.

BIGARELLA, J.J. Contribuição ao estudo da planície litorânea do Estado do Paraná. Arquivos Brasileiros de Biologia e Tecnologia, Curitiba, v.1, p.75-111, 1946.

BOEGER, M. R. T. et al. Diagnóstico da vegetação de manguezal. In: Ostrensky, A. (Org.). Diagnóstico ictiofaunístico em ambientes afetados por vazamento de óleo na Serra do Mar, no estado do Paraná. Curitiba: FUNPAR, 2011. p. 1-184.

CITRÓN, G.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Introducción a la ecologia del manglar. San Juan:Rostlac, 1983. 109p.

CINTRÓN-MOLERO, G.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Ecology and management New World mangroves.. In: SEELIGER, U. (Ed.). Coastal Plant Communities of Latin América. San Diego: Academic Press. 1992. p. 233-258

CUNHA-LIGNON, M. Dinâmica do manguezal no Sistema de Cananéia- Iguape, Estado de São Paulo – Brasil. 2001. 105p. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

CUNHA-LIGNON, M. Variação espaço-temporal de bosques de mangue III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto. 2006. 5p.

DELGADO, P. et al. The importance of propagule establishment and physical factors in mangrove distributional patterns in a Costa Rican estuary.Aquatic Botany, Amsterdam, v.71, p.157-178, 2001.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro : EMBRAPA-SPI. 2009. 412p.

ESTEVES, B. dos S.; SUZUKI, M. S. Efeito da salinidade sobre as plantas. Oecol. Bras., Rio de Janeiro, v.12,n.4, p. 662-679, 2008.

GOWER, J. C. Some distance properties of latent root and vector methods used in multivariate analysis. Biometrika, Oxford, v.53, p.325-338, 1966.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. Série Manuais Técnicos em Geociências. Rio de Janeiro: IBGE. 1992. p. 9-38.

LANA, P. C. Manguezais: diagnóstico, conflitos e prognósticos. In: LIMA, R.E; NEGRELLE, R. (Eds.). Meio Ambiente e desenvolvimento no litoral do Paraná. Diagnóstico. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná. 1998. p.105-118.

KATHIRESAN, K.; BINGHAM, B.L. Biology of Mangroves and Mangrove Ecosystems. Advances in Marine Biology, Plymouth, v.40, p.81-251, 2001.

MAACK, R. 1981. Geologia e Geografia da região de Vila Velha, Estado do Paraná e considerações sobre a glaciação carbonífera no Brasil. Arquivos do Museu Paranaense, Curitiba, v.5, p.1-46, 1946.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley. 1974. 574p.

NOERNBERG, M.A. et al. Determinação da sensibilidade do litoral paranaense à contaminação por óleo. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, Itajaí, v.12, n.2, p.49-59, 2008.

OKSANEN, J. et al. 2008. Vegan: Community Ecology Package. R package version 1.15-1.http://cran.r-project.org/, http://vegan.r-forge.r-project.org/

PEREIRA, F.V. et al. Estrutura da vegetação em duas áreas com diferentes históricos de antropização no manguezal de Anchieta, ES. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, Maranhão, v.22, p.1-8, 2009.

PERGENTINO, T.C; LANDIM, M.F. Distribuição espacial de plântulas de espécies arbóreas de manguezais. In: VII Congresso de Ecologia do Brasil, Minas Gerais. 2005. Disponível em http://www.seb-ecologia.org.br/viiceb/listaresumo.html (acesso em 10/04/2010).

PETRI, D. J. C. et al. Distribuição das espécies e estrutura do manguezal do rio Benevente, Anchieta, ES. Biota Neotropica, Campina, v.11, n.3, p. 107-116, 2011.

PIL, M. W. et al. Postglacial north-south expansion of populations of Rhizophora mangle (Rhizophoraceae) along the Brazilian coast revealed by microsatellite analysis. American Journal of Botany, St. Louis, v.98, n.6, p.1031-1039, 2011.

R Development Core Team. 2009. R version 2.9.0.P Project for Statistical Computing, Vienna, Austria. (www.r-project.org)

RABINOWITZ, D. Early growth of mangrove seedlings in Panamá, and an hypothesis concerning the relationship of dispersal and zonation. Journal of Biogeography, Oxford, v. 5, p.113-133, 1978.

ROBERTS, D.W. 2007. Labdsv: Ordination and Multivariate Analysis for Ecology. R package version 1.3-1, URL http://CRAN.R-project.org/package=labdsv.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y. et al. Variability of the mangroves ecosystem along the Brasilian coast. Estuaries, Port Republic, v.13, n.2, p.201-218, 1990.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Manguezais brasileiros. 1991. 42p. Tese de Livre Docência. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Manguezal: ecossistema entre a terra e o mar. São Paulo, Caribbean Ecological Research. 1995. 64p.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Grupo de ecossistemas: manguezal, marisma e apicum. São Paulo: Caribbean Ecogical Research. 2000. 119p.

SÉRGIO, C. et al. Caracterização morfofisiológica do manguezal de Cananéia – SP. In: Environmental and Health World Congress, Anais. Santos: 2006.

SESSEGOLO, G.C.S. Estrutura e produção de serapilheira do manguezal do Rio Baguaçu, Baía de Paranaguá-PR. 1997. 130p. Dissertação (Mestrado em Oceanografia) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 1997.

SILVA, M.A.B.; BERNINI, E.; CARMO, T.M.S. Características estruturais de bosques de mangue do estuário do rio São Mateus, ES, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v.19, n.3, p.465-471, 2005.

SMITH III, T. J., Forest Structure. In: ROBERTSON, A. I.; ALONGI, D. M. (Eds.). Coastal and Estuarine Studies. Washington D.C.: American Geophysical Union, 1992. p.101-136.

STATSOFT Inc., 2005. STATISTICA (data analysis software system) version 7.1 for Windows: statistics. STATSOFT, Inc., Tulsa, USA.

TWILLEY, R.R., CHEN, R. A water budget and hydrology model of a basin mangrove forest in Rookery Bay, Florida. Marine and Freshwater Research, Melbourne, v.49, p.309-323, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509821100

Licença Creative Commons