Relações entre propriedades químicas, físicas e energéticas da madeira de cinco espécies de cerrado.

Ailton Teixeira do Vale, Íris Santos Dias, Marcos Antônio Eduardo Santana

Resumo


Os objetivos da pesquisa foram caracterizar e avaliar a influência das propriedades químicas (teores de lignina, holocelulose e extrativos) da madeira de cinco espécies lenhosas de Cerrado (Pterodon pubescens, Dalbergia miscolobium, Sclerolobium paniculatum, Stryphnodendron adstringens e Vochysia thyrsoidea) na densidade básica e na contração volumétrica da madeira; nos rendimentos e densidade aparente do carvão vegetal. As amostras foram coletadas em área de manejo florestal em Brasília, provenientes de três árvores de cada espécie, perfazendo um total de 15 amostras. Não houve diferença significativa entre as espécies para o teor de extrativo da madeira e rendimento gravimétrico em carvão vegetal. Pterodon pubescens, Dalbergia miscolobium e Sclerolobium paniculatum se destacaram por apresentarem, respectivamente, as maiores densidades básicas (0,82, 0,80 e 0,78 g/cm3); os maiores teores de lignina (31,74, 32,31 e 31,42%); as maiores densidades aparentes do carvão vegetal (37, 43 e 37%). Por outro lado Stryphnodendron adstringens e Vochysia thyrsoidea apresentaram, respectivamente, os maiores teores de holocelulose (72,22 e 74,84%). O teor de lignina apresentou correlação positiva e significativa com a densidade básica da madeira e com a densidade aparente do carvão vegetal e não apresentou correlação significativa com a retração volumétrica e com o rendimento gravimétrico. O teor de holocelulose apresentou correlação negativa e significativa com a densidade básica da madeira e com a densidade aparente do carvão vegetal. Os extrativos totais não apresentaram correlação significativa com nenhuma das variáveis analisadas.


Palavras-chave


madeira; energia; Cerrado; caracterização química e física

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 7190. Projeto de estruturas de madeira. Anexo B – Ensaios de caracterização. Rio de Janeiro, 1997, 107 p.

BOWYER, J. L.; SHMULSKY, R.; HAYGREEN, J. G. Forest products and wood science. An Introduction. New York: Blackwell Publishing, 2003. 554 p.

BRITO, J. O. BARRICHELO, L. E. G. Correlação entre as características físicas e químicas da madeira e aprodução de carvão: 1 densidade e teor de lignina na madeira de eucalipto. IPEF, Piracicaba, n. 14, p. 9-20, 1977.

BRITO, J. O. BARRICHELO, L. E. G. Correlações entre características físicas e químicas da madeira e a produção de carvão: 2. densidade da madeira x densidade do carvão. IPEF n. 20, p.101-113, jun.1980.

BURGER, L. M.; RICHTER, H. G. Anatomia da madeira. São Paulo: Nobel, 1991.157 p.

MARTINS, H. Madeira como fonte de energia. In: FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DA MINAS GERAIS/CETEC. Uso da madeira para fins energéticos. Compilado por Waldir Resende Penedo. Belo Horizonte, 1980, 158p. p. 9-26. (Série de Publicações Técnicas, 1).

DIAS, H. C. T. et al. Cuidados ambientais e a qualidade da madeira. Revista da Madeira, Curitiba, n. 99, 2006.

EHRMAN, T. Determination of acid-soluble lignin in biomass. NREL ethanol project. Laboratory analytical procedure 004. NREL/MRI, Golden, CO. 1996. 7 p.

EMBRAPA. Site oficial da Embrapa Cerrados. Disponível em www.cerradosbrasil.cpac.embrapa.br. Acesso em Dezembro de 2007.

PASTORE, T. C. M., OKINO,E. Y. A; PASTORE JÚNIOR, F. P. Carbonização de madeiras da Amazônia. Parte I: Floresta Nacional - Tapajós. Brasília: IBAMA, Laboratório de Produtos Florestais, 1989. 12 p. (Série Técnica, 12).

PHILIPP, P.; D'ALMEIDA, M. L. O. Celulose e papel: tecnologia de fabricação da pasta celulósica. 2. ed. São Paulo: IPT, 1988. 964 p.

RIGATTO, P. A.; DEDECEK, R. A.; MATOS, J. L. M. Influence of soil attributes on quality of Pinus taeda wood for cellulose Kraft production. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 2, p. 267-273, 2004.

ROWELL, R. M. et al. Handbook of Wood Chemistry and Wood Composites. Capítulo 03: Cell Wall Chemistry. New York: Taylor & Francis Group, 2005.

TAPPI - Technical Association of the Pulp and Paper Industry. TAPPI test methods T 204 om-88: solvent extractives of wood and pulp. Atlanta: Tappi Technology Park, 1996. v.1.

TAPPI - Technical Association of the Pulp and Paper Industry. TAPPI test methods T 264 om-88: preparation of wood for chemical analysis. Atlanta: Tappi Technology Park, 1996. v.1.

TAPPI - Technical Association of the Pulp and Paper Industry. TAPPI test methods T 257 cm-85: sampling and preparing wood for anelysis. Atlanta: Tappi Technology Park, 1996. v.1.

TEMPLETON, D.; EHRMAN, T. Determination of acidínsoluble lignin in biomass. NREL ethanol project. Laboratory analytical procedure 003. NREL/MRI, Golden, CO. 1995. 11 p.

TRUGILHO, P. F.; LIMA, J. T.; MENDES, L.M. Influência da idade nas características físico-químicas e anatômicas da madeira de Eucalyptus saligna. Revista Cerne, Lavras, v. 2 n. 1. p. 94-111. 1996.

VALE, A. T. Caracterização da biomassa lenhosa de um cerrado sensu stricto da região de Brasília para uso energético. 2000. 111 f. Tese (Doutorado em Energia de Biomassa) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu, 2000.

VALE, A. T.; NOGUEIRA, M. Carbonização de madeiras do cerrado e análise do carvão vegetal. Revista Árvore, Viçosa, v. 25, n. 2, p. 271-276. 2001.

VALE, A. T. et al. Relações entre a densidade básica da madeira, rendimento e qualidade do carvão vegetal de espécies do cerrado. Revista Árvore, Viçosa, v. 25, n. 89, p. 89-95, 2001.

VALE, A. T.; NOGUEIRA, M. V.;SILVA, M. A. Rendimento da carbonização e qualidade do carvão vegetal de madeiras do cerrado em comparação ao Eucalyptus grandis. Revista Árvore, Viçosa, v. 20, n.1, p.93-99, 1996.

VITAL, B. R. Métodos de determinação da densidade da madeira. Viçosa: UFV, 1984. (Sociedade de Investigações Florestais, 1).




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981767

Licença Creative Commons