QUINTAIS AGROFLORESTAIS: ESTRUTURA, COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E ASPECTOS SOCIOAMBIENTAIS EM ÁREA DE ASSENTAMENTO RURAL NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

Larissa Santos de Almeida, João Ricardo Vasconcellos Gama

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509816617

O levantamento da estrutura, composição florística e aspectos socioambientais dos quintais agroflorestais foi realizado na comunidade Santo Antônio, município de Santarém, Pará, Brasil. O local de estudo compreende 6 QAFs, onde também foram ouvidos os manejadores de cada quintal e mais 2 moradores antigos. Foi amostrado um total de 522 indivíduos compreendendo 90 espécies e 53 famílias botânicas. A família que apresentou maior número de espécies foi Asteraceae. As espécies destinadas à alimentação (32%) dominaram a área e as mais frequentes foram Persea americana, Psidium guajava, Carica papaya e Allium fistulosum. A maioria das espécies foi introduzida (78%), com predominância dos subarbustos (40%) e árvores (22%). O manejo dos quintais é realizado pela mulher, responsável pela introdução de novas espécies e sua diversificação tende a evoluir ao longo do tempo. A análise do Coeficiente de Importância da Espécie (CIE) permitiu indicar como potencialmente comerciais Euterpe oleracea, Annona muricata, Carica papaya, Psidium guajava e Carapa guianensis, cujo manejo deve ser favorecido dentro dos quintais, podendo haver sua introdução em lotes, otimizando o uso da terra, assegurando a segurança alimentar e agregando renda às famílias com a venda do excedente da produção.


Palavras-chave


assentamento; agricultura familiar; Amazônia.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, J. et al. Reprodução socioeconômica e cultural através do manejo de sistemas agroflorestais por caboclos-ribeirinhos em comunidades do Amazonas. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 4, n. 2, 4195-4198, 2009.

ALBUQUERQUE, U. P. et al. Structure and floristics of homegardens in Northeastern Brazil. Journal of Arid Enviroments, v. 62, n. 3, p.491-506, 2005.

ALMEIDA, L. S.; GAMA, J. R. V. Importância socioambiental dos quintais agroflorestais no Assentamento Moju I e II, PA: construindo alternativas sustentáveis na Amazônia. In: VII Jornada de Iniciação Científica e Pesquisa Tecnológica do IESPES. Santarém, 2010. Anais... Santarém, 2010.

BENTES-GAMA, M. M.; GAMA, J. R. V.; TOURINHO, M. M. Huertos caseros en la comunidad ribereña de Villa Cuera, en el municipio de Bragança en el noroeste paraense. Agroforesteria en las Américas, v.6, n.4, p.9-12, 1999.

CASTRO, A. P. de. et al. Os sistemas agroflorestais como alternativa de sustentabilidade em ecossistemas de várzea no Amazonas. Acta Amazonica, v.39, n.2, pp.279-288, 2009.

CONSTANTIN, A. A. Quintais agroflorestais na visão dos agricultores de Imaruí-SC. 2005. 120 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

COSTA, J. R; MITJA, D. Uso dos recursos vegetais por agricultores familiares de Manacapuru (AM). Acta Amazonica, v.40, n.1, p.49-58, 2010.

DUBOIS, J.C.L. et al. Manual agroflorestal para a Amazônia. Rio de Janeiro. Instituto Rede Brasileira Agroflorestal (REBRAF), v.1, 1996. 228p.

FERREIRA, T. B.; SABLAYROLLES, M. G. P. Quintais agroflorestais como fontes de saúde: plantas medicinais na comunidade de Vila Franca, Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, Pará. Revista Brasileira de Agroecologia, v.4, n.2, p. 3159-3162, 2009.

FLORENTINO, A. T. N. et al. Contribuição de quintais agroflorestais na conservação de plantas da Caatinga, Município de Caruaru, PE, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 21, n.1, p.37-47, 2007.

GOODE, W. J.; HATT, P. K. Métodos em Pesquisa Social. 3ªed., São Paulo: Cia Editora Nacional, 1969.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992. 92 p. (Manuais técnicos de Geociências, 1).

LAKATOS E. M., MARCONI M. A. Fundamentos de Metodologia Científica, v.4, São Paulo, 2001.

LOURENÇO, J. N. P. et al. Agrobiodiversidade nos Quintais Agroflorestais em Três Assentamentos na Amazônia Central. Revista Brasileira de Agroecologia. v. 4, n. 2, p. 965-969, 2009.

LUNZ, A. M. P. Quintais agroflorestais e o cultivo de espécies frutíferas na Amazônia. Revista Brasileira de Agroecologia, v.2, n.2, p. 1255-1258, 2007.

NAIR, P. K. P. The enigma of tropical homengardens. Agroflorestry Systems, v. 61, p.135-152, 2004.

RICO-GRAY, V. et al. Species composition, similarity, and structure of Mayan Homegardens in Tixpeual and Tixcacaltuyub, Yucatan, Mexico. Economic Botany, v.44, p.470-487, 1990.

PINTO, E. P. P. et al. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica – Itacaré, BA. Acta botanica brasilica, v.20, n.4, p.751-762. 2006.

RODRIGUES, T. E. Caracterização dos solos da área do planalto de Belterra, município de Santarém, Estado do Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. 2001. 54p. (Embrapa Amazônia Oriental. Documentos, 115).

RONDON-NETO, R. M. et al. Os quintais agroflorestais do Assentamento Rural Rio da Areia, município de Teixeira Soares, PR. Cerne, v.10, n.1, p.125-135, 2004.

ROSA, L. S. et al. Os quintais agroflorestais em áreas de agricultores familiares no município de Bragança-PA: composição florística, uso de espécies e divisão de trabalho familiar. Revista Brasileira de Agroecologia, v.2, n.2, 2007.

SABLAYROLLES, M. G. P.; ANDRADE, L. Entre sabores e saberes: a importância dos quintais agroflorestais para agricultores ribeirinhos no Tapajós-PA. In: Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais, 2009, Brasília, DF. Anais... Brasília, 2009.

SALOMÃO R. de P. et al. As florestas de Belo Monte na grande curva do rio Xingu, Amazônia Oriental. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v.2, n.1, p.57-153, 2007

SANTOS, M. A. C. Levantamento de espécies vegetais úteis das áreas do Sucuriju e região dos Lagos no Amapá. In: Inventário biológico das áreas do Sucuriju e região dos Lagos no Amapá. Documento. MMA/PROBIO/IEPA, p. 80-106, 2006.

SEMEDO, R. J. C. G.; BARBOSA, R. I.. Árvores frutíferas nos quintais urbanos de Boa Vista, Roraima, Amazônia brasileira. Acta Amazonica, v.37, n.4, p.497-504, 2007.

VELOSO, H.P.; et al.. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE/Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. 1991. 124p.

VIEIRA, T. A.; ROSA, L. S.; SANTOS, M. M. L. S. Agrobiodiversidade de quintais agroflorestais no município de Bonito, Estado do Pará. Revista de Ciências Agrárias, v. 55, p. 159-166, 2012.

VIEIRA, T. A. Sistemas agroflorestais em áreas de agricultores familiares no município de Igarapé-Açu, Pará: adoção, composição florística e gênero. 2006. 102 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)– Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, 2006.

VÍQUEZ, E. et al. Caracterización del huerto mixto tropical “La Asunción”, Masatepe, Nicaragua. Agroforesteria en las Américas, n. 2, p.5-9, 1994.

WINKLERPRINS, A. M. G. A. House-lot gardens in Santarém, Pará, Brazil: Linking rural with urban. Urban Ecosystems, v.6, p.43-65, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509816617

Licença Creative Commons