ESTIMAÇÃO VOLUMÉTRICA DE RESÍDUOS LENHOSOS DE MADEIRA EM UMA FLORESTA TROPICAL ATRAVÉS DA KRIGAGEM ORDINÁRIA, PARAGOMINAS, ESTADO DO PARÁ

Paulo Cerqueira dos Santos, Antônio Cordeiro de Santana, Joaquim Carlos Barbosa Queiroz, Paulo Luiz Contente de Barros, Ádamo Lima de Santana

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509816609

O objetivo deste trabalho foi testar a aplicação de modelos da geoestatística para estimar o volume de resíduos lenhosos de madeira em uma área de floresta manejada no município de Paragominas, estado do Pará. Os métodos de Warren e Olsen e da Krigagem Ordinária foram utilizados para estimar o volume dos resíduos florestais em pontos amostrados e não amostrados. Os resultados confirmam que a aplicação dos métodos foi adequada, uma vez que a estimativa para o volume dos resíduos, da área em estudo, apresentou uma pequena diferença 5,2%, em relação ao valor real obtido. 


Palavras-chave


Amazônia; manejo florestal; geoestatística.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Ensaios físicos e mecânicos da madeira: MB-26/40. Rio de Janeiro: 16p.1940.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FLORESTAS PLANTADAS - ABRAF. Anuário Estatístico da ABRAF: Ano base 2009. Brasília: 2010, 140 p.

CARDOSO, A. L. Desrama artificial de eucalipto e seu efeito na resistência a danos por vento e nós da madeira. 2011.94f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, 2011

CARUZZO, A et al. Danos provocados por ventos em florestas plantadas – Identificação de alternativas para mitigação de efeitos. WM7 Meteorologia & Laboratório de clima e biosfera USP. Relatório Climático: Belo Oriente, 2004, 131p.

CENIBRA. Avaliação dos danos por vento. Pesquisa e Desenvolvimento Florestal. Relatório Técnico: Belo Oriente, 2007

FERREIRA, S. Lenho de tração em Eucalyptus spp cultivados em diferentes topografias.2007.170f. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia da Madeira) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.

FERREIRA, S. et al. Resistência mecânica de caules de clones de Eucalyptus cultivados em diferentes topografias. Cerne, Lavras, v. 16, p. 133-140, 2010

FERREIRA, M.; KAGEYAMA, P.Y. Melhoramento genético da densidade de eucalipto. Boletim Técnico –

IPEF, v. 6, n. 20, p. A1 – A15, 1978

LATORRACA, J.V.; ALBUQUERQUE, C.E. Efeito do rápido crescimento sobre as propriedades da madeira. Floresta e Ambiente, v.7, n. 1, p.279-291, 2000.

LIEGEL, L .H Assessment of hurricane rain/wind damage in Pinus caribaeae and Pinus oocarpa provenance trials in Puerto Rico. Commonwealth Forestry Review. v. 68, n.1,p.47-53, 1984

MAURI, R. Anatomia e densidade do lenho de clones de Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis, com variação de altitude e de topografia, no Estado de Minas Gerais. 2010.117f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, 2010

MELO, V.M. Variação nas produtividades da madeira de clones de Eucalyptus cultivados em diferentes topografias e sujeitas a tempestade. 2004. 115f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2004.

METCALFE, C. R.; CHALK, L. Anatomy of the dicotyledons: Wood Structure and conclusion of the general introduction. 2 ed. v. 2. New York: Oxford, 1989. 297p.

NIKLES, D.G. et al. Genetic variation in windfirmness amongprovenances of Pinus caribaea Mor. var. hondurensis Barr. e Golf. In Queensland. In: SIMPÓSIO IUFRO EM MELHORAMENTO GENÉTICO E PRODUTIVIDADE DE ESPÉCIES FLORESTAIS DE RÁPIDO CRESCIMENTO, Águas de São Pedro, 1980. Anais. São Paulo, Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1983. p.125-6.

NIKLES, D.G. et al. Management and use of ex situ genetic resources of some tropical Acacia species in Queensland. In: TURNBULL, J. W.; CROMPTON, H. R.; PINYOPUSARERK, K. Recent developments in acacia planting. Canberra: ACIAR, 1998. p. 184-196.

OLIVEIRA, J. T. S. et al. Ações de ventos em povoamentos florestais. In: CHICHORRO, J. F.; GARCIA, G. O.; CALDEIRA, M. V. W.; BAUER, M. O. (Org.). Tópicos em Ciências Florestais. Visconde do Rio Branco: Suprema Gráfica e Editora, 2010, p. 443-476.

RESENDE, M. D.V.; FANTINI JÚNIOR, M. Bifurcação e quebra de copa em eucalipto: efeitos genéticos, ambientais e silviculturais. Documento, 63. Embrapa Florestas: Colombo, 2001, 20p.

ROSADO, A. M. Avaliação da tolerância de árvores de eucalipto a quebra por vento. 2006. 43f. Monografia (Pós-Graduação em Tecnologia de Celulose e Papel) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.

SCHNEIDER, P. R; FINGER, C.A.G.; HOPPE, J.M. Efeito da intensidade de desrama na produção de Pinus Elliotti Engelm.,implantado em solo pobre , no estado do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v.9, n.1, p.35-46, 1999

SILVA, J. C.; XAVIER, B. A. Eucalipto: manual prático do fazendeiro florestal, produzindo madeira com qualidade. Viçosa, 2006. 65 p.

SILVEIRA,R.A.; MONTAGNER, L.H.; ONUKI, M. Variação de resistência a ventos em procedências de

eucalyptus saligna smith na região de Guaíra, RS. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 13, p.1-8, dez. 1986.

SOUZA, V.R.; CARPIM, M.A.; BARRICHELO, L.E.G. Densidade básica entre procedências, classes de diâmetro e posição em arvores de Eucalyptus grandis e Eucalyptus saligna. IPEF. v. 3, p.63-72. 1986.

THOMPSON, D.A. Effects of hurricane Allen on some jamaican forests. Commonwealth Forestry Review. v. 62, n. 2, p.107-15, 1983.

TOMAZELLO FILHO, M. Variação radial da densidade básica e da estrutura anatômica da madeira do Eucalyptus saligna e Eucalyptus grandis. IPEF. n. 29, p.37-45, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509816609

Licença Creative Commons