Initial growth crown cover of cerrado species from different sucessional groups

Tatiane Forlin, Ana Paula Leite Lima, Sebastião Ferreira Lima, Rita Cássia Mariano Paula, Vespasiano Borges Paiva Neto, Wesley Gomes Silva

Abstract


This study had the objective to evaluate the initial growth and crown cover of native cerrado species of different successional groups in planting forest restoration in Chapadão do Sul, MS, with an experiment installed in February of 2013 to test restoration models. Twelve species were selected, being four pioneers: Anadenanthera falcata, Cybistax antisyphilitica, Platypodium elegan and Samanea tubulosa; four early secondary species: Dipteryx alata, Sterculia striata, Alibertia edulis and Enterolobium contortisiliquum; and four late secondary species: Cedrela fissilis, Copaifera langsdorfii, Handroanthus roseo-albus and Hymenaea stilbocarpa. Diameter at soil height (DSH), total height and crown diameter were measured at 8, 14, 20 and 26 months after planting. the periodic increase in height and DSH were calculated by species, group and age, and the crown area at 26 months. The highest increases in height and DSH were from the pioneers group and from the early secondary until 26 months, and the lowest increases were from the late secondary species. The species within each group vary their initial investment in height and DSH. The pioneers group presented the largest crown areas, while the late secondary group presented the smallest.


Keywords


Recovery of degraded areas; Ecological succession; Growth.

Full Text:

HTML

References


ALVES LR, OLIVEIRA RJ, COIMBRA RR, FERREIRA WM. Crescimento inicial de Parkia platycephala (Benth.) e Enterolobium timbouva (Mart.) sob condições de campo numa área de Cerrado. Revista Ceres. 2016; 63(2): 154-164.

BRANCALION PHS, RODRIGUES RR, GANDOLFI S, KAGEYAMA PY, NAVE AG, GANDARA FB, BARBOSA LM, TABARELLI M. Instrumentos legais podem contribuir para a restauração de florestas tropicais biodiversas. Revista Árvore. 2010; 34(3): 455-470.

CUNHA FF, MAGALHÃES FF, CASTRO MA. Métodos para estimativa da evapotranspiração de referência para Chapadão do Sul - MS. Engenharia na Agricultura. 2013; 21: 159-172.

DUBOC E, GUERRINI IA. Crescimento inicial e sobrevivência de espécies florestais de matas de galeria no domínio do cerrado em resposta à fertilização. Energia Agrícola. 2007; 22(1): 42-60.

DURIGAN G. Taxa de sobrevivência e crescimento inicial das espécies em plantio de recomposição da mata ciliar. Acta Botânica Brasílica. 1990; 4(2): 35-40.

DURIGAN G, ENGEL VL, TOREZAN JM, MELO ACG, MARQUES MCM, MARTINS SV, REIS A, SCARANO F R. Normas jurídicas para a restauração ecológica: uma barreira a mais para dificultar o êxito das iniciativas? Revista Árvore. 2010; 34(3): 471-485.

FERREIRA WC, BOTELHO AS, DAVIDE AC, FARIA JMR, FERREIRA DF. Regeneração natural como indicador de recuperação de área degradada a jusante da usina hidrelétrica de Camargos, MG. Revista Árvore. 2010; 34(4): 651-660.

GOMES EPC, SUGIYAMA M, ADAMS C, PRADO HM, OLIVEIRA JUNIOR CJF. A sucessão florestal em roças em pousio: a natureza está fora da lei? Scientia Forestalis. 2013; 41(99): 343-352.

HOLL KD, AIDE TM. When and where to actively restore ecosystems? Forest Ecology and Management. 2011; 261(10): 1558- 1563.

KANEGAE M, BRAZ V, FRANCO AC. Efeitos da seca sazonal e da disponibilidade de luz na sobrevivência e crescimento de Bowdichia virgilioides em duas fitofisionomias típicas dos cerrados do Brasil Central. Revista Brasileira de Botânica. 2000; 23(4): 457-466.

LELES PSS, ABAURRE GW, ALONSO JM, NASCIMENTO DF, LISBOA AC. Crescimento de espécies arbóreas sob diferentes espaçamentos em plantio de recomposição florestal. Scientia Forestalis. 2011; 39(90): 231-239.

MARTINS SV, ALMEIDA D.P, FERNANDES LV, RIBEIRO TM. Banco de sementes como indicador de restauração de uma área degradada por mineração de caulim em Brás Pires, MG. Revista Árvore. 2008; 32(6): 1081–1088.

MARTINKOSKI L, VOGEL GF, JADOSKI SO. Influência do clima no crescimento diamétrico de Araucaria angustifolia: revisão bibliográfica. Brazilian Journal of Applied Technology for Agricultural Science. 2015; 8(2): 104-111.

MARTINS SV. Recuperação de áreas degradadas: ações em áreas de preservação permanente, voçorocas, taludes rodoviários e de mineração. Viçosa: Aprenda Fácil; 2009. 270p.

MELO ACG, DURIGAN G, KAWABATA M. Crescimento e sobrevivência de espécies arbóreas plantadas em área de Cerrado, Assis - SP. In: BOAS OV, DURIGAN G. Pesquisas em conservação e recuperação ambiental no oeste paulista: resultados da cooperação Brasil/Japão. São Paulo: Páginas & Letras; 2004. p. 315-324.

MELO ACG, MIRANDA DLC, DURIGAN G. Cobertura de copas como indicador de desenvolvimento estrutural de reflorestamentos de restauração de matas ciliares no médio vale do Paranapanema, SP, Brasil. Revista Árvore. 2007; 31(2): 321-328.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Monitoramento do desmatamento nos biomas brasileiros por satélite. Brasília: MMA/IBAMA; 2011. 65p.

OLIVEIRA MC, RIBEIRO JF, PASSOS FB, AQUINO FG, OLIVEIRA FF, SOUSA SR. Crescimento de espécies nativas em um plantio de recuperação de Cerrado sentido restrito no Distrito Federal, Brasil. Revista Brasileira de Biociências. 2015; 13(1): 25-32.

PEREIRA JS, ABREU CFNR, PEREIRA RA, RODRIGUES SC. Avaliação do índice de sobrevivência e crescimento de espécies arbóreas utilizadas na recuperação de área degradada. Revista Geonorte. 2012; 1(4): 138-148.

RESENDE LA, PINTO LVA, SANTOS EC, SILVA S. Crescimento e sobrevivência de espécies arbóreas em diferentes modelos de plantio na recuperação de área degradada por disposição de resíduos sólidos urbanos. Revista Árvore. 2015; 39(1): 147-157.

RODRIGUES RR, GANDOLFI S, NAVE AG, ATTANASIO CM. Atividades de adequação ambiental e restauração florestal do LERF/ESALQ/USP. Pesquisa Florestal Brasileira. 2007; 55: 7-21.

RIBEIRO PRCC, RIBEIRO JJ, SANTOS NETO AR, ROCHA JRP, CORTE IS. Métodos de recuperação de mata ciliar como proposta de Recuperação de nascentes no cerrado. Enciclopédia Biosfera. 2012; 8(15): 1866-1882.

SAMPAIO JC, PINTO JRR. Critérios para avaliação do desempenho de espécies nativas lenhosas em plantios de restauração no Cerrado. Revista Brasileira de Biociências. 2007; 5(1): 504-506.

VENTUROLI F, VENTUROLI S, BORGES JD, CASTRO DS, SOUZA DM, MONTEIRO MM, CALIL FN. Incremento de espécies arbóreas em plantio de recuperação de área degradada em solo de cerrado no Distrito Federal. Bioscience Journal. 2013; 29(1) 143-151.

ZANON MLB, FINGER CAG. Relação de variáveis meteorológicas com o crescimento das árvores de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze em povoamentos implantados. Ciência Florestal. 2010; 20(3): 467-476.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179460X43717

Copyright (c) 2020 Ciência e Natura

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.