Promovendo a aprendizagem sobre infecções sexualmente transmissíveis por meio de uma sequência didática

Authors

  • Gemilton de Freitas Mesquita Professor da rede Estadual de Pernambuco https://orcid.org/0000-0003-3278-7250
  • Aline Furtuozo de Souza Professora da rede Estadual de Pernambuco https://orcid.org/0000-0002-6986-9981
  • Thais Soares da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco https://orcid.org/0000-0003-2305-4645
  • Isabella Macário Ferro Cavalcanti Setor de Microbiologia Clínica do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami da Universidade Federal de Pernambuco (LIKA/UFPE) Laboratório de Microbiologia e Imunologia do centro Acadêmico de Vitória da Universidade Federal de Pernambuco (CAV/UFPE) https://orcid.org/0000-0002-7889-3502

DOI:

https://doi.org/10.5902/2179460X39175

Keywords:

ISTs, ensino, sequência didática

Abstract

Este artigo tem como objetivo contribuir com o processo de ensino-aprendizagem do tema Infecção Sexualmente Transmissível (IST) através da aplicação de sequência didática (SD) para alunos do ensino médio. O professor realizou uma SD composta por 10 aulas em 5 etapas. Iniciou-se com um jogo de tabuleiro, acompanhado por roda de conversa, leitura de textos e estudos de casos sobre ISTs com apresentação, em equipes, ao grande grupo. Seguida de aula expositiva e dialogada, além de aula interdisciplinar para o conhecimento e construção de livros paradidáticos. A avaliação do ensino-aprendizagem foi realizada através da análise de questionários prévio e pós SD, além da avaliação contínua apresentada pelo desenvolvimento do aluno ao longo da intervenção, sendo contemplados o processo investigativo e a autonomia do aluno. Observou-se grande aceitação e participação dos estudantes, além de uma média positiva do questionário avaliativo pós SD e a produção e desenvolvimento dos paradidáticos pelos quatro grupos formados, sendo concluído por duas das quatro equipes. Assim, a SD e a elaboração de um livro paradidático são ferramentas que podem auxiliar professores a formar alunos mais conscientes sobre questões relacionadas às ISTs e, consequentemente, terem uma postura mais crítica diante de questões cotidianas sobre as mesmas.

 

Author Biographies

Gemilton de Freitas Mesquita, Professor da rede Estadual de Pernambuco

Mestre em Ensino de Biologia pelo Mestrado Profissional de Ensino em Biologia (Profbio-UFPE/CAV). Especialista em Ensino de Ciências Biológicas e graduado em Licenciatura Plena em Ciências com Habilitação em Biologia, ambas pela Faculdades Integradas da Vitória de Santo Antão (FAINTVISA). Professor das redes Estadual de Pernambuco e Municipal de Glória do Goitá.

 

Aline Furtuozo de Souza, Professora da rede Estadual de Pernambuco

Mestre em Ensino das Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE (2015) e Especialista em Ensino de Ciências Biológicas pelas Faculdades Integradas de Vitória de Santo Antão/PE (2013).Professora de Biologia da redea Estadual de Referência em Ensino Médio, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil. 

Thais Soares da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutoranda em Ensino das Ciências e Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências (PGEC) da Universidade Federal Rural de Pernamuco. Mestre em Educação, na área de didática de conteúdos especificos do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco, Brasil e vinculada ao Laboratório de Microbiologia e Imunologia, Centro Acadêmico de Vitória de Santo Antão da Universidade Federal de Pernambuco (CAV – UFPE), Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil.

Isabella Macário Ferro Cavalcanti, Setor de Microbiologia Clínica do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami da Universidade Federal de Pernambuco (LIKA/UFPE) Laboratório de Microbiologia e Imunologia do centro Acadêmico de Vitória da Universidade Federal de Pernambuco (CAV/UFPE)

Professora Adjunto IV do Centro Acadêmico de Vitória (CAV/UFPE). Atualmente Professora das disciplinas de Microbiologia, Imunologia e Exames Laboratoriais no CAV/UFPE. Membro do colegiado do Núcleo de Pesquisa e Extensão do CAV/UFPE. Membro permanente do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional (PROFBIO), conceito 4 da CAPES. Pesquisadora e chefe do setor de Microbiologia Clínica do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami da Universidade Federal de Pernambuco (LIKA/UFPE). Membro da Sociedade Brasileira de Microbiologia. Doutora em Biotecnologia pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Biológicas da UFPE. Mestre em Inovação Terapêutica do Programa de Pós-graduação em Inovação Terapêutica da UFPE. Especialista em Microbiologia Clínica pela Universidade de Pernambuco (UPE). Bacharel em Biomedicina pela UFPE. Líder do grupo de pesquisa Microbiologia clínica e Novas Abordagens Terapêuticas (MicroNAT). Tenho experiência na área de Nanotecnologia Farmacêutica e Microbiologia básica e aplicada. Na área de Nanotecnologia venho desenvolvendo pesquisas referente a preparação, caracterização e avaliação da atividade biológica de sistemas nanoestruturados. Na área de Microbiologia as pesquisas são voltadas especialmente para a identificação fenotípica de bactérias com perfil de resistência e avaliação da atividade antimicrobiana e antibiofilme, interação antimicrobiana, fatores de virulência e mecanismo de ação de produtos naturais e nanobiotecnológicos frente a bactérias multidrogarresistentes. Oriento alunos de graduação (PIBIC, PIBITI e BIA) e mestrado, além de coorientar alunos de mestrado e doutorado. Coordeno e oriento alunos em projetos de extensão (PIBEX). Atualmente, tenho projetos de pesquisa aprovados na FACEPE e CNPq. Revisora premiada dos artigos do Industrial Crops and Products (INDCRO). Atualmente tenho parceria com o Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (CETENE), Instituto de Pesquisa Aggeu Magalhães da Fundação Oswaldo Cruz de Pernambuco (IAM/FIOCRUZ/PE), a empresa Hebron e com o Dr. Marcelo Borges nas pesquisas sobre a identificação de peptídeos antimicrobianos extraídos da pele de tilápia. Adicionalmente, estamos trabalhando no desenvolvimento de biossensores para o diagnóstico de infecções bacterianas.

 

References

ALTMANN H, MARTINS CJ. Educação sexual: ética, liberdade e autonomia. Educar em Revista. 2009;(35):63-80.

ALTMANN H. A sexualidade adolescente como foco de investimento político-social. Educação em revista. 2007;(46):287-310.

ALVES WF. A formação de professores e as teorias do saber docente: contextos, dúvidas e desafios. Educação e Pesquisa. 2007;33(2):263-280.

AMORAS BC, CAMPOS AR, BESERRA EP. Reflexões sobre vulnerabilidade dos adolescentes a infecções sexualmente transmissíveis. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP. 2015;8,(1)163-171.

ARAGÃO JS, FRANÇA ISX, COURA AS, MEDEIROS CCM, ENDERS BC. Vulnerabilidade associada às infecções sexualmente transmissíveis em pessoas com deficiência física. Ciência & Saúde Coletiva. 2016;21(10):3143-3152.

AUSUBEL, DP, NOVAK JD, HANESIAN H. Psicología educativa: un punto de vista cognoscitivo. México: Trilhas; 1983.

EW RAS, CONZ J, FARIAS ADGDO, SOMBRIO PBM, ROCHA KB. Diálogos sobre sexualidade na escola: uma intervenção possível. Psicologia em Pesquisa. 2017;11(2):51-60.

FARID NDN, CHE’RUS S, DAHLUI M, AL-SADAT N, AZIZ NA. Predictors of sexual risk behaviour among adolescents from welfare institutions in Malaysia: a cross sectional study. BMC public health. BioMed Central. 2014;14(3):S9.

FERNANDES VR, FRISON LMB. Estratégias de aprendizagem autorregulatória no ensino superior: escrita de um artigo científico. Psicologia da Educação. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação. 2015;(41):37-49.

FERREIRA LNA, QUEIROZ SL. Textos de Divulgação Científica no Ensino de Ciências: uma revisão. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia. 2012;5(1)3-31.

FREITAS DL. Pressupostos de uma Formadora em Educação Sexual: lições da prática. Revista Contexto & Educação. 2012;27(88):35-61.

JOHAN CS, CARVALHO MS, ZANOVELLO R, OLIEIRA RPD, GARLET TMR, BARBOSA NBDV, MORESCO TR. Promovendo a aprendizagem sobre fungos por meio de atividades práticas. Ciência e Natura. 2014;36(II):799-805.

JÚNIOR APO, CIABOTTI V. Discussão sobre o processo de elaboração de um livro paradidático para o ensino de probabilidade à luz da teoria antropológica do didático. Revista de Ensino de Ciências e Matemática. 2018;9(2):52-71.

KRABBE EC, PADILHA AS, HENN A, MOLIN DBD, TEIXEIRA KJ, JÚNIOR PSA et al. Vacina contra o HPV e a prevenção do câncer do colo do útero: uma necessidade de avanço na prática cotidiana da ciência da saúde. Revista Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2016;3(1):237-244.

KRAMER S. Com a pré-escola nas mãos: uma alternativa curricular para a educação infantil. São Paulo: Ática;1991.

LEMOS ES, MOREIRA MA. A avaliação da aprendizagem significativa em biologia: um exemplo com a disciplina embriologia. 2011. Meaningful Learning Review. 2011;1(2)15-26.

MACINTYRE AK, VEGA ARM, SAGBAKKEN M. From disease to desire, pleasure to the pill: A qualitative study of adolescent learning about sexual health and sexuality in Chile. BMC public health. 2015;15(1):945.

MATOS, LAD. Sumário de Didática Geral. Rio de Janeiro: Gráfica Editora Aurora;1971.

MINISTÉRIO DA SAÚDE; Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e hepatites virais. Boletim Epidemiológico AIDS e DST. Brasília (BRASIL): Ministério da Saúde; 2016.

Moura CB., Mantovani GD., Silva RMM, Tres B. Comparação de dúvidas sobre sexualidade entre crianças e adolescentes. Revista Contexto & Educação. 2015;29(92):72-90.

OLIVEIRA PC, PIRES LM, JUNQUEIRA ALN, VIEIRA MAS, MATOS MA, CAETANO KAA, et al. Conhecimento em saúde sexual e reprodutiva: estudo transversal com adolescentes. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2017;19:1-11.

OLIVEIRA, MM. Sequência didática interativa no processo de formação de professores. Petrópolis. Vozes; 2013.

PAIVA ALB, MARTINS CMC. Concepções prévias de alunos de terceiro ano do Ensino Médio a respeito de temas na área de Genética. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências. 2015;7(3):182-201.

SAVI R, ULBRICHT VR. Jogos digitais educacionais: benefícios e desafios. Renote. 2008;6(1):1-10.

SENNA SRCM, DESSEN MA. Reflexões sobre a saúde do adolescente brasileiro. Psicologia, Saúde & Doenças. 2015;16(2): 217-229.

SILVA GB, FREITAS DS. Quando a genética vira notícia: o uso de textos de divulgação científica (TDC) em aulas de biologia. Revista Didática Sistêmica. 2006;3:41-56.

SILVA R. Quando a escola opera na conscientização dos jovens adolescentes no combate às DSTs. Educar em Revista. 2015;31(57):221-238.

SILVA SPC, BARBOSA APP, ARAÚJO CS, SILVA TIM, SANTANA RN. Discutindo sexualidade/IST no contexto escolar: práticas de professores de escolas públicas. Revista de Enfermagem UFPE on line. 2016;10(5):4295-4303.

SOUZA, SC, DOURADO L. Aprendizagem baseada em problemas (ABP): um método de aprendizagem inovador para o ensino educativo. Holos. 2015;5:182-200.

TEIXEIRA QD, RIBEIRO AB, SANTOS MC, COSTA FJ. O lúdico no ambiente escolar: utilização de jogo para promoção e manutenção da alimentação saudável em uma escola particular da região metropolitana de Belo Horizonte. Revista Tecer: 2016;9(16)44-56.

ZAGO LM, GOMES AC, FERREIRA HÁ, SOARES NS, GONÇALVES CA. Fotossíntese: uma proposta de aula investigativa. Revista Brasileira de Biociências. 2007;5(S1):759-761.

ZAPPE JA, SAUERWEIN IPS. Os pressupostos da educação pela pesquisa e o ensino de fungos: o relato de uma experiência didática. REEC: Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. 2018;17(2):476-490.

ZUANON ÁCA, DINIZ RHS, DO NASCIMENTO LH. Construção de jogos didáticos para o ensino de Biologia: um recurso para integração dos alunos à prática docente. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia. 2011;3(3)49-59.

Published

2021-06-30

How to Cite

Mesquita, G. de F., Souza, A. F. de, Silva, T. S. da, & Cavalcanti, I. M. F. (2021). Promovendo a aprendizagem sobre infecções sexualmente transmissíveis por meio de uma sequência didática. Ciência E Natura, 43, e64. https://doi.org/10.5902/2179460X39175

Most read articles by the same author(s)