DESCRIPTIVE ANALYSES AND MICROBIOLOGICAL OF MINERAL WATER AND MARKETED IN POTTED METROPOLITAN REGION OF RECIFE -PE .

Amanda Cristiane Gonçalves Fernandes, Lúcio Flávio Moreira Cavalcanti, Marcio Luiz Siqueira Campos Barros, Felisbela Maria Da Costa Oliveira

Abstract


The paper aims to describe the quality of mineral water marketed by the population of the metropolitan area of Recife-PE in 2015, regarding the microbiological and descriptive analyzes. We analyzed 70 samples of seven different brands of bottled mineral water in the period from January to April and June to August due year. The samples were divided into thirty-five units for both periods, according to Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater, by means of testing the presence or absence (P-A) and Pour Plate Method. Regarding the microbiological analysis of samples of the first period in accordance with Resolution 275/2005 brands A, B and C had their departures REJECTED samples and the marks D, E, F and G were APPROVED. In the second period the marks A, B, C, D and E had their departures REJECTED samples and the F and G brands were APPROVED. The percentage shown in the first period indicates 57.14% (APPROVED) and 42, 85% (REJECTED). In the second period the percentage indicates that 28.75% (APPROVED) and 71.42% (REJECTED). That is, in the second period there was obtained a high percentage of water which has been rejected due to the presence of microbiological bacteria.


Keywords


Mineral Water; Microbiological Analysis; Reliability

References


APHA – AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Committee on Microbiological for Foods.Compendium of methods for the microbiological examination of foods.4.ed. Washington: American Public Health Association, 2001.

BARRETO, J.C.F. A Água Mineral na Região Metropolitana de Recife: Riscos de Contaminação dos Aquíferos. Recife –PE. Ano: 2011. Dissertação/UFPE.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n°310, de 16 de julho de 1999. Regulamento técnico referente a Padrões de Identidade e qualidade para água mineral natural e água natural. Revista Água Mineral, ago/out, 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n° 173, de 13 de Setembro de 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural e a Lista de Verificação das Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14 set. 2006, Seção 1.

BRASIL. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n° 275, de 22 de setembro de 2005, “Regulamento Técnico de Características Microbiológicas para Água Mineral Natural e Água Natural." Brasília. 2005. Disponível em: . Data: 20/11/2015.

BUZZETTI, A.R. Como montar uma empresa de água mineral. Revista Engarrafador Moderno, São Paulo, n°60, p.32-37, out.1998.

CETESB (Companhia Estadual de Tecnologia e Saneamento Ambiental). Controle da qualidade da água para consumo humano: bases conceituais e operacionais. São Paulo: CETESB, 1997.

CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS, DECRETO-LEI Nº 7.841 de 08 de Agosto de 1945.

COELHO, D. L.; PIMENTEL, I. C.; BEUX, M. R. Uso do método cromogênico para quantificação do NMP de bactérias do grupo coliforme em águas minerais envasadas. Bol. CPPA, v.16, n.1, p.45-54, 1998.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL-DNPM. Água mineral, 2005.Disponívelem:. Acesso em: 20 nov. 2010.

FARACHE FILHO, A.; DIAS, M. F. F. Qualidade microbiológica de águas minerais em galões de 20 litros. Alimentação e Nutrição, v. 19, n. 3, p. 243-248, 2008. Disponível em:http://servbib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/alimentos/article/viewFile/627/525.Acesso em: 20 de Novembro de 2015.

GUERRA, N.M.M.; OTENIO, M.H.; SILVA, M.E.Z.; GUILHERMETTI, M.; NAKAMURA, C.V.; NAKAMURA, T.U.; DIAS FILHO, B.P. Ocorrência de Pseudomonas aeruginosa em água potável. Acta Sci. Biol. Sci. 2006; 28(1): 13-18.

MACÊDO, J.A.B. Água &Águas.1.ed. São Paulo: Livraria Varela, 2001, 503 p.

MAROCO, J. Análise estatística: com utilização do SPSS.2. ed. Lisboa: Edições Sílabo.2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM), Vigilância da qualidade de água para consumo humano (Vigiagua). Relatório das atividades vigiagua 1998 a 2005. 2005.

MOTTA, M. R. A.; BELMONTE, M. A.; PANETTA, J. C. Avaliação microbiológica de amostras de carne moída comercializada em supermercados da região oeste de São Paulo. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v.14, n.78/79, p.59-62, 2000.

NETO, Jose. Blogspot Estatística X. Estatística Descritiva. Ano:2008.

PINHEIRO, A.J.R.; MOSQUIM, M.C.A.V.; PINHEIRO, M.I. Processamento de leite de consumo. Rio de Janeiro: CCPL – UFV, 1978.

Resolução n° 275 de 22 de setembro de 2005. Diário Oficial da União; Poder Executivo 23 de setembro de 2005 www.anvisa.gov.br.

SANTOS, L. C. dos. Relatórios Técnicos período 1997-2007. Foz do Iguaçu: ITAIPU BINACIONAL, 2007(a).

SILVA, N., JUNQUEIRO, V.C.A., SILVEIRA, N.F.A. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 2 ed. São Paulo: Varela, 2001.

SILVA, N., JUNQUEIRO, V.C.A., SILVEIRA, N.F.A. Manual de métodos de análise microbiológica de água. Campinas: ITAL/Núcleo de Microbiologia, 2004.

TAVARES, J. C. Microbiologia e Farmacologia Simplificada. Rio de Janeiro: Revinter, 2002.

VAITSMAN, D. S.; VAITSMAN, M. S. Água mineral. Rio de Janeiro: Interciencia, 2005. 219p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X23622

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Ciência e Natura

EISSN  2179-460X

ISSN 0100-8307

DOI 10.5902

 

contador de visitas
Access since January, 18th, 2013.


Licença Creative Commons

This work is licensed under a

 Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International (CC BY-NC-ND 4.0).