O Sol de Balada de Amor ao Vento

Julian Bohrz, Anselmo Peres Alós

Resumo


Neste trabalho, pretende-se analisar o valor simbólico do elemento espacial sol no romance Balada de Amor ao Vento, de Paulina Chiziane. Intenciona-se compreender como, no romance, a noção ocidental do símbolo referido é desconstruída a fim de edificar um arcabouço simbólico com raízes africanas, capaz de produzir reflexões acerca da identidade, da emancipação e da afirmação da nação moçambicana por meio do possibilitado pelas especificidades do texto literário.

Palavras-chave


Identidade; Símbolo; Paulina Chiziane; Balada de amor ao vento; Moçambique

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BRUNEL, Pierre. Dicionário de mitos literários. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

CHIZIANE, Paulina. Balada de amor ao vento. Lisboa: Editorial Caminho, 2003.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5902/1516849222827

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).