Reflexões sobre o ensino e aprendizagem de LIBRAS a partir da experiência docente e discente no curso de licenciatura

Andrea Maraschin Bruscato, Amanda Maraschin Bruscato

Resumo


Este artigo busca refletir sobre o ensino e aprendizagem da LIBRAS no curso superior a partir das experiências de uma professora universitária e aluna da licenciatura. Parte-se de uma reflexão sobre a cultura surda relacionada às conquistas legais e aos teóricos que vêm trabalhando sobre a temática, como Perlin (2004), Strobel (2008), Gesser (2009), entre outros. De acordo com o artigo 3º do Decreto 5.626/2005, a LIBRAS passou a ser disciplina curricular obrigatória na formação dos professores. No entanto, percebe-se que em um semestre não há tempo suficiente para adquirir proficiência no idioma e preparar professores para alfabetizar pessoas surdas. O artigo conclui que, para garantir o direito à diversidade e a inclusão de pessoas surdas em classes orais, é necessário o comprometimento de todos - Estado, instituições educacionais, professores e sociedade em geral - para com a luta, respeito e educação da comunidade surda.


Palavras-chave


Cultura Surda; LIBRAS; Relato de experiência

Texto completo:

PDF

Referências


BARCELOS, A. M. F. Cognição de professores e alunos: Tendências recentes na pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. In: BARCELOS, A. M. F.; VIEIRA ABRAHÃO. M. H. (Org.). Crenças e ensino de línguas: Foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas, SP: Pontes, 2006. p. 15-42.

BRASIL. Lei n. 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 11 jul. 2018.

BRASIL. Decreto n. 5.626 de 22 de novembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: Acesso em: 11 jul. 2018.

CHOMSKY, N. Reflexões sobre a linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1975.

E seu nome é Jonas. And your name is Jonah (Original). Direção de Richard “Dick” Michaels. Estados Unidos da América. 1979. (100 min).

FERREIRA-BRITO, L. Por uma gramática línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa?: Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

LYONS, J. Linguagem e linguística: uma introdução. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

MARQUES, M. L. A formação do professor para educação de surdos. XII EDUCERE, Curitiba, v. 12, 2017, p. 2100-2119.

PERLIN, G. T. T. O lugar da cultura surda. In: THOMA, A. da S.: LOPES, M. C. A invenção da surdez: cultura, alteridade, identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: Educnis, 2004.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística Geral. 27. edição. Organizado e editado por Charles Bally e Albert Sechehaye. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, [1916] 2006.

STOKOE, W. Sign and Culture: A Reader for Students of American Sign Language. Silver Spring: Listok Press, 1960.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008.

TICKS, L. K. "O que eu faço e o que eu digo que faço": a metaconsciência de professoras de inglês sobre teorias de aprendizagem. Vidya, Santa Maria, v. 28, 2009.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849234564

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).