Pilatos, de Carlos Heitor Cony: uma escrita de resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1679849X67553

Palavras-chave:

Liberdade, Autoritarismo, Resistência, Carlos Heitor Cony

Resumo

Este artigo se propõe examinar estratégias de escrita de resistência, adotadas na ficção de Carlos Heitor Cony. Autor engajado na luta revolucionária, confrontou o regime civil-militar em suas crônicas e em alguns romances, com isso conquistou o seu espaço junto ao meio intelectual da época. Selecionei como objeto de estudo, o romance Pilatos publicado em 1974, por se tratar e uma narrativa de temática e de estilo de escrita beirando ao insólito, ao grotesco e ao escatológico. Cony, por meio desse exercício de escrita, critica o autoritarismo e a falta de liberdade de expressão do período mais agudo da ditadura militar brasileira: os chamados “Anos de Chumbo”. O autor transfere para o campo literário a noção de liberdade de expressão na voz narrativa do seu mutilado protagonista. O narrador é um indivíduo frustrado, solitário e melancólico, mas que está em busca de um forte anseio por liberdade. 

Biografia do Autor

Camila Marcelina Pasqual, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Licenciatura Plena em Letras Língua Portuguesa Literatura pela Fundação Educacional do Alto Vale do Rio do Peixe (1987), mestrado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006) e doutorado em Curso de Pós-Graduação em Literatura Universidade Federal de Santa Catarina pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011). Corretora de redações da Universidade de Brasília ( 2005 até 2017) , professora titular da Faculdade Educacional da Lapa (FAEL) e professora da SEED do Estado do Paraná. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando, principalmente nos seguintes temas: educação, literatura, exclusão social; subúrbio; processo de urbanização, malandragem suburbana. (Texto informado pelo autor)

Referências

ARAÚJO, Homero José Vizeu. Pilatos: uma saga carioca mórbida e hilariante nos anos 70. Revista Letras, Curitiba, n. 64, p. 143-155. set./dez. 2004. Editora UFPR. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/2974/2402. Acesso: 20 jul.2021.

BOSI, Alfredo. Narrativa de Resistência. In: Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CONY, Carlos Heitor. Pessach: a travessia. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CONY, Carlos Heitor. Pilatos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

CONY, Carlos Heitor. Contracapa de Pilatos, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974.

CONY, Carlos Heitor. O ato e o fato: o som e a fúria do que se viu no Golpe de 1964. 9. ed. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2014.

DALCASTAGNÉ, Regina. Nas tripas do cão: a escrita como espaço de resistência. Estudos de literatura brasileira contemporânea. Brasília, DF, n. 29, p. 55-66, jan./jun. 2007. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9117; acesso em: 27 Jun. 2021.

FIGUEIREDO, Eurídice. A literatura como arquivo da ditadura brasileira. Rio de Janeiro: 7 letras, 2017.

ORELLANA, Rodrigo de Castro. A ética da resistência. Ecopolítica. São Paulo, n.2, p. 37-63, 2011-2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/ecopolitica/article/view/9089; acesso em: 15 abr. 2021.

SANDRONI, Cícero. Quase Cony – Rio de Janeiro: Relume Dumará: Prefeitura, 2003.

SILVERMAN, Malcolm. Protesto e o novo romance brasileiro. 2a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

Downloads

Publicado

2021-12-29 — Atualizado em 2022-01-13

Versões

Como Citar

Pasqual, C. M. (2022). Pilatos, de Carlos Heitor Cony: uma escrita de resistência. Literatura E Autoritarismo, (38). https://doi.org/10.5902/1679849X67553 (Original work published 29º de dezembro de 2021)