A memória como recurso para a auto revolução

Alline Araujo Costa

Resumo


A proposta do trabalho é observar o clima tenso das catástrofes e as formas em que essas têm se manifestado nas narrativas. Deste modo, com o olhar mais atento nas produções literárias, para análise estão Verde Vagomundo e Nineteen Eighty-Four. O romance publicado em 1974 por Benedicto Monteiro faz parte de uma tetralogia que envolve diversos temas entre eles estão a simplicidade de um caboclo crédulo em si mesmo (Miguel dos Santos Prazeres) e em seus sonhos e prazeres, a simplicidade de uma região pacata do interior do Pará, as cintilações do que rege o poder estatal da nação em tal período, a ditadura militar, e a memória, os dois últimos pontos são os temas que norteiam essa pesquisa. De outro modo, ainda que na mesma perspectiva, vê-se Winston. Como é descrito a seguir: “Tentou localizar alguma lembrança de infância que lhe dissesse se Londres sempre fora assim” (ORWELL, 2009, p. 13). A partir desse ponto da narrativa, percebe-se que Winston saiu em busca de reconstruir as memórias do seu passado e de uma Londres sem revolução, a fim de que a partir dessas descobertas, de uma Londres sem revolução, tivesse a ação de voltar-se contra o sistema instaurado pelo ditador. Tais memórias desencadearam diversas ações resistentes e subversivas em ambos personagens, das duas narrativas. Haviam constantes flesh’s recordativos ou criações deles para justificar a necessidade de se voltar no tempo e então justificar o presente para uma possível e futura revolução que não chegara. Deste modo, as análises dos destaques narrativos abrem precedentes para discussões no campo das teorias que envolve temas como poder soberano; memória – rememoração; “Docilização” - domesticação, uma vez que esses terão que enfrentar alguns mecanismos de silenciamento para então serem paralisados em seus planos de resistência e emancipação.


Palavras-chave


Memória; Infância; Autoritarismo; Resistência; Emancipação

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011, 453 p.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Bezerra, Paulo (trad.). 4° ed. São Paulo, Martins Fontes, 2003.

COIMBRA, Cecília Maria B. Produção do Medo e da Insegurança. “Discursos Sobre Segurança Pública e Produção de Subjetividade: violência urbana e alguns de seus efeitos” que foi desenvolvido no Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo, em 1998.

COSTA, Alline A. e CASTRO, Veridiana V. P. A resistência presente em Miguel dos Santos Prazeres ao governo de Possidônio: o destino abandonado. E-book do V Congresso de Estudos Linguísticos e Literários na Amazônia / Organização, Tânia Sarmento Pantoja, et al. - Belém: Programa de Pós-Graduação em Letras. UFPA, 2016. 580 p.: il.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006. 224 p.

HOBBES, Thomas. Leviatã. Tradução: João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. Ed. Martins Fontes, São Paulo. 2003.

SARMENTO-PANTOJA, Tânia. Amazônia, Cultura, Linguagens. 2002.

MONTEIRO, Benedicto, Verde Vagomundo. 2ª. ed. Rio de Janeiro, Gernasa, 1974.

MONTEIRO, Benedicto. A terceira margem. Editora Marco Zero, 1983.

ORWELL, George. 1984 (Nineteen Eighty-Four). Tradução Alexandre Hubner, Heloisa Jahn; posfácios Erich Fromm, Bem Pimlott, Thomas Pynchon. – São Paulo: Companhia das Letras, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1679849X35749

 

CONTATO:

E-mail: revista.la.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Prédio 16 - Centro de Educação - PPG Letras
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8477

Link: https://periodicos.ufsm.br/LA


ISSN: 1679-849X

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1679849X

Qualis/Capes: Linguística e Literatura A3


Periodicidade – Semestral

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

     

 

http://mjl.clarivate.com/cgi-bin/jrnlst/jlresults.cgi?PC=EX&Full=*Literatura%20e%20Autoritarismo

Resultado de imagem para DOAJ

https://doaj.org/toc/1679-849X

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=19485

http://diadorim.ibict.br/handle/1/1018

 

 

http://oaji.net/journal-detail.html?number=6577

http://ezb.uni-regensburg.de/searchres.phtml?bibid=AAAAA&colors=7&lang=de&jq_type1=QS&jq_term1=Literatura+e+Autoritarismo

 

https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info.action?id=491293

BASE Logo

https://www.base-search.net/

http://journalseeker.researchbib.com/view/issn/1679-849X

https://www.worldcat.org/title/literatura-e-autoritarismo/oclc/1002237522&referer=brief_results

https://scholar.google.com.br/citations?user=cnXbenUAAAAJ&hl=pt-BR

 

https://www.tib.eu/en/search/id/TIBKAT%3A894744321/Literatura-e-autoritarismo/

https://thekeepers.org/journals/1679-849X?page=1&query=Literatura+e+Autoritarismo

 

http://www.i2or.com/8.html (Nr. 763)

https://index.pkp.sfu.ca/index.php/browse/index/2374

http://miar.ub.edu/issn/1679-849X

https://clasificacioncirc.es/resultados_busqueda?_pag=1&_busqueda2=Literatura%20e%20Autoritarismo

https://reseau-mirabel.info/revue/6394/Literatura_e_autoritarismo