Filosofia política moçambicana: por um novo projeto de democracia

Lorena Silva Oliveira

Resumo


O presente artigo visa apresentar como o filósofo Severino Ngoenha coloca a filosofia moçambicana a serviço da reflexão sobre sua temporalidade e contexto histórico, tendo em vista pensar o processo democrático de Moçambique e apresentar os fundamentos necessários para uma dimensão moçambicana da Democracia. Nesta perspectiva, este trabalho amparado em suas obras Os Tempos da Filosofia: Filosofia e Democracia Moçambicana e Filosofia Africana: Das independências às Liberdades apresenta, através de um triplo contratualismo, os fundamentos propostos pelo filósofo para que Moçambique conquiste um modelo institucional de Democracia. Em tom conclusivo, consideramos que a filosofia africana pode ser compreendida como um instrumento fundamental na construção de um projeto de futuro melhor para o continente africano, como para Moçambique, pois ela pode fornecer outras alternativas para que os povos africanos caminhem rumo à Liberdade.

Palavras-chave


Filosofia Africana; Política; Democracia

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BRASIL. Plano nacional de implementação das diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, DF: MEC, SECADI, 2013, 104 p.

CASTIANO, J.P. Referenciais da filosofia africana: em busca da intersubjetivação. Maputo: Ndijra, 2010.

NGOENHA, S.E. Os tempos da filosofia: filosofia e democracia moçambicana. Maputo: Imprensa Universitária, 2004, 221p.

NGOENHA, S.E. Filosofia africana: das independências às liberdades. Maputo: Edições Paulistas, 1993, 183p.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378639891

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.