A primazia do conhecimento intuitivo diante do conhecimento abstrato em Schopenhauer

Daniel Ramos dos Santos

Resumo


O objetivo aqui será o de mostrar a importância que a noção de entendimento adquire na teoria do conhecimento de Schopenhauer. Tal noção, como será mostrada, tem como base a unidade representativa, possibilitada pela inter-relação entre sujeito e objeto. Será utilizado aqui como principal referencial teórico o livro I de O mundo como vontade e como representação do filósofo em questão, além de textos de comentadores relacionados com o tema aqui abordado. Com base no que foi pesquisado chegou-se a conclusão que o papel do entendimento, tal como Schopenhauer o descreve, é de fundamental importância para o conhecimento, sendo que, nesta perspectiva, a razão, ou conhecimento abstrato, adquire um papel secundário, a saber, o de formulação de conceitos, de modo que seria impossível a existência de conhecimento abstrato sem o conhecimento intuitivo possibilitado pelo entendimento, mas o contrário sim seria possível.

Palavras-chave


Entendimento; Representação; Conhecimento intuitivo; Conhecimento abstrato

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOZA, J. “Way of aesthetic knowledge and world in Schopenhauer”. In: Trans/Form/Ação. (São Paulo), v. 29(2), 2006, p. 33-42.

CACCIOLA, Maria Lúcia M. O. Schopenhuaer e a questão do dogmatismo. São Paulo: EDUSP, 1994.

HERÁCLITO. “Fragmentos”. In: Vol. Pré-Socráticos, Col. “Os Pensadores”. Trad. de José Cavalcante de Souza. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

SCHOPENHAUER, A. O Mundo como Vontade e como Representação. Tradução, apresentação e notas de Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2005.

VECCHIOTTI, I. Schopenhauer. Lisboa: Edições 70, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378634133

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.