Os graus de negação da Vontade e a liberdade na filosofia de Schopenhauer

Katia Cilene da Silva Santos

Resumo


De acordo com Schopenhauer, a existência de liberdade nos atos humanos ocorre somente quando o indivíduo anula sua essência metafísica, no momento da negação da Vontade. Não obstante, o filósofo afirma a realidade concreta de graus de negação da Vontade, expressos pelas virtudes morais. Neste artigo, propomo-nos discutir a argumentação a respeito desses graus de negação da Vontade, no intuito de compreender sua relação com a liberdade.

Palavras-chave


Vontade; Liberdade; Virtudes morais

Texto completo:

PDF

Referências


SCHOPENHAUER, A. Sämtliche Werke. 7 Bände, Wiesbaden, F. A. Brokhaus, 1972, edição de A. Hübscher.

SCHOPENHAUER, A. De la cuadruple raiz del principio de razon suficiente. Trad. de Leopoldo-Eulogio Palácios, Madrid: Editorial Gredos,1981.

SCHOPENHAUER, A. De la volonté dans la nature. Trad. de E. Sans, Paris: PUF, 1996.

SCHOPENHAUER, A. El Mundo como Voluntad y Representación. Trad. de Rafael-José Fernández y M.ª Montserrat Armas Concepción, Madrid: Akal Editores, 2005.

SCHOPENHAUER, A. El Mundo como Voluntad y Representación: Volumen segundo, que contiene los complementos a los quatro livros del primeiro volumen Trad. de Rafael-José Fernández y M.ª Montserrat Armas Concepción, Madrid: Akal Editores, 2005.

SCHOPENHAUER, A. Los dos problemas fundamentales de la ética. Trad. de Pilar López de Santa Maria,1ª ed., Madrid: Siglo XXI, 1993.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação, parte III; Crítica da filosofia kantiana; Parerga e paralipomena, cap. V, VIII, XII, XVI. Trad. de Wolfgang Leo Maar e Maria Lúcia M. O. Cacciola, São Paulo: Victor Civita, 1985 (Os pensadores).

SCHOPENHAUER, A. Parerga y paralipomena I, II e III. Trad. Antonio Zozaya. Málaga: Agora, 1997.

SCHOPENHAUER, A. Sobre o fundamento da moral. Trad. de Maria Lúcia M. O. Cacciola 1ª ed., Martins Fontes, São Paulo, 1995.

ADORNO, T; HORKHEIMER, M. Sociológica. Madrid, Taurus, 1971.

ARAMAYO, R. R. Para leer a Schopenhauer. Madrid: Aliança Editorial, 2001. BARBERA, S. Une philosophie du conflit. 1ª ed., Paris: PUF, 2004.

BARBOZA, J. A decifração do enigma do mundo. São Paulo: Moderna, 1997. (Coleção Logos).

BARBOZA, J. A metafísica do belo em Arthur Schopenhauer. São Paulo: Humanitas/FFLCH-USP, 2001.

BRANDÃO, E. O Conceito de Matéria na obra de Schopenhauer. Tese (Doutorado). – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BRÉHIER, E. Histoire de la philosophie allemande. 3ª ed., Paris: VRIN, 1954.

BRUM, J. T. O pessimismo e suas vontades: Schopenhauer e Nietzsche. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

CACCIOLA, M. L. A crítica da razão no pensamento de Schopenhauer. Tese (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.

CACCIOLA, M. L. Schopenhauer e a questão do dogmatismo, São Paulo: Edusp/Fapesp, 1980.

CACCIOLA, M. L. “A questão do finalismo na filosofia de Schopenhauer”. Discurso, nº 20, 1993: 78-98.

CASSIRER, E. El problema del conocimiento III. Trad. de Wenceslao Roces, 4ª reimpr., México: Fondo de Cultura Económica., 1993.

CASSIRER, E. Kant vida y doctrina. Trad. de Wenceslao Roces, 1ª ed., 6ª reimpr., México: Fondo de Cultura Econômica, 2003.

COLOMER, E. El pensamiento alemán de Kant a Heidegger. Tomo segundo. 2ª ed., 3ª reimp., Barcelona: Herder, 2006.

DELEUZE, G. A filosofia crítica de Kant. Trad. de Germiniano Franco, Lisboa: Edições 70, 2000.

FILHO, Rubens R. T. Ensaios de filosofia ilustrada. 2ª ed., São Paulo: Iluminuras, 2004.

HORKEIMER, M. “O pensamento de Schopenhauer em relação à ciência e à religião”. Comentário e tradução de Flamarion Caldeira Ramos. In: Cadernos de Filosofia Alemã, XII, jul-dez. 2008, p. – 128.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Trad: de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985.

KANT, I. Crítica da Razão Prática. Trad. de Valério Rohden.1ª ed., São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KANT, I. Crítica da Faculdade do Juízo. Trad. Valério Rohden e António Marques. 1ª ed., Rio de Janeiro: Forense Universtária, 1993.

KANT, I. Duas introduções à Crítica do Juízo. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho et al.1ª ed., São Paulo: Iluminuras, 1995.

KÜLPE, O. Kant. Trad. de Domingo Miral López. 3ª ed., Barcelona: Labor S.A., 1939. LEFRANC, J. Compreender Schopenhauer. Trad. de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 2005.

PASCAL. G. O pensamento de Kant. Trad. de Raimundo Vier, 7ª ed., Petrópolis: Vozes, 2001.

PERNIN, M-J. Schopenhauer: decifrando o enigma do mundo. Trad. de Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995.

PHILONENKO, A. Una filosofía de la tragédia. Trad. de Gemma Muñoz-alonso López. 1ª ed., Barcelona: Antropos, 1989.

RAYMOND, D. Schopenhauer. 1ª Ed., SEUIL, 1995.

RIBOT, T. La philosophie de Schopenhauer. 14ª ed., Paris: Félix Alcan, 1925.

SALLES, J.C. (Org.). Schopenhauer e o Idealismo Alemão. Salvador: Quarteto, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378634122

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.