A arquitetura e Schopenhauer. O problema da fruição e o lugar da arquitetura na teoria estética schopenhaueriana

Gustavo Bezerra do Nascimento Costa

Resumo


No presente artigo, esboço uma problematização acerca do pensamento estético de Schopenhauer, particularmente no que diz respeito à sua análise sobre a arquitetura e a fruição do objeto arquitetônico. Pretendo abrir duas vertentes de análise, relativas a duas inquietações minhas: primeiramente, a compreensão da arquitetura em termos da submissão a relações causais e fins utilitários, deixando entrever, com isso, certa filiação de Schopenhauer aos cânones da arquitetura neoclassicista. Depois, o modo mesmo de fruição do objeto arquitetônico, limitada à contemplação visual, tendo como corolário a distinção, a meu ver, precária, entre a arquitetura e o artefato. A guisa de conclusão, procuro amalgamar tais inquietações levantando a necessidade de uma distinção entre hierarquia e transversalidade no que tange a uma compreensão da leitura estética presente no Livro III de O mundo como vontade e como representação.


Palavras-chave


Arquitetura; Artefato; Fruição estética; Neoclassicismo

Texto completo:

PDF

Referências


SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade como representação (MVR). Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. El mundo como voluntad y representación II. Complementos (MVR-II). Trad. esp. Pilar L. de Santa María. 2ª. Ed. Madrid: Trotta, 2005.

GRAEFF, Edgar. “A forma na arquitetura”. In: XAVIER, Alberto (org.). Arquitetura moderna brasileira: depoimento de uma geração. São Paulo: ABEA/FVA/Pini, 1987. Pp. 211-7, p.212. Publicado originalmente em 1969, na Revista GAM (20).

NICOLELIS, Miguel. Muito além do nosso eu. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich W. Crepúsculo dos ídolos (CI). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

ZEVI, Bruno. Saber ver a arquitetura. 5ªed. Trad. Maria Isabel Gaspar; Gaëtan M.de Oliveira. São Paulo: Martins Fontes, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378633793

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.