Seguindo a construção de fatos e mapeando redes: Urnas eletrônicas brasileiras são confiáveis?

Autores

  • Otávio Vinhas Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul
  • Camila Dellagnese Prates Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Urna Eletrônica, Teoria Ator-Rede, Controvérsia, democracia técnica

Resumo

Este artigo descreve a controvérsia acerca da confiabilidade das urnas eletrônicas brasileiras, no contexto das eleições presidenciais de 2018, utilizando a lente teórica e metodológica da Teoria Ator-Rede (TAR) de Bruno Latour e colaboradores. A delimitação do campo empírico abrange o período compreendido entre o resultado final das eleições presidenciais de 2014 até o final pleito eleitoral de 2018. Acerca disso este trabalho tenciona a relação entre a participação democrática na escolha dos representantes do povo e o uso da urna eletrônica como uma mediadora da escolha pessoal e dos resultados das eleições. Metodologicamente utiliza-se a cartografia das controvérsias (Latour, 2016) para captar as movimentações do enunciado “urnas eletrônicas são confiáveis” em frente a um contexto de disputas acirradas que marcou o cenário eleitoral brasileiro. A rede expõe como opera a dinâmica de disputa entre grupos opostos e também como um enunciado é fortalecido e estabilizado em detrimento de outro. A rede permite problematizar que quando se questiona a funcionalidade da tecnociência é possível, por meio de um contexto de democratização técnica (Callon et al., 2014), expandir as fronteiras o debate entre técnicos e leigos para fortalecer o sistema de voto no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Otávio Vinhas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pelotas (PPGS/UFPel). Possui graduação em Direito pela Universidade Católica de Pelotas (2014).

Camila Dellagnese Prates, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Pós-doutoranda e professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pelotas. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016), mestre (2011) e graduada (2009) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria. 

Referências

ARANHA, Diego; KARAM, Marcelo Monte; MIRANDA, André de; SCAREL, Felipe. In)segurança do voto eletrônico no Brasil. Cadernos Adenauer, vol. 15, n° 1, 2014. Disponível em: <http://www.kas.de/wf/doc/13775-1442-5-30.pdf>. Acesso em 31/08/2018.

ARANHA, Diego; BARBOSA, Pedro Yóssis Silva; CARDOSO, Thiago Nunes Coelho; ARAÚJO, Caio Lüders de; MATIAS, Paulo. The Return of Software Vulnerabilities in the Brazilian Voting Machine, 2018. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/323470546_The_Return_of_Software_Vulnerabilities_in_the_Brazilian_Voting_Machine>. Acesso em 24/09/2018.

BOUNEGRU, Liliana; GRAY, Jonathan; VENTURINI, Tommaso; MAURI, Michele. A Field Guide to Fake News and Other Information Disorders. Amsterdam: Public Data Lab, 2018. Disponível em: <https://ssrn.com/abstract=3024202>. Acesso em 02/12/2018.

BRASIL, Lei 13.165 de Setembro de 2015a. Alterações na redação do Código Eleitoral para reduzir os custos das campanhas eleitorais, simplificar a administração dos Partidos Políticos e incentivar a participação feminina. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13165.htm>. Acesso em 25/11/2018.

BRASIL, Tribunal Superior Eleitoral. Resolução nº 23.444, de 30 de abril de 2015b. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/legislacao/codigo-eleitoral/normas-editadas-pelo-tse/resolucao-no-23-444-de-30-de-abril-de-2015-2013-brasilia-2013-df>. Acesso em 24/09/2018.

BRASIL, Tribunal Superior Eleitoral. Resolução nº 23.550, de 18 de dezembro de 2017. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/legislacao-tse/res/2017/RES235502017.html>. Acesso em 24/09/2018.

BRASIL, Tribunal Superior Eleitoral. Vulnerabilidades e sugestões de melhorias encontradas no Teste Público de Segurança 2017 sobre o Ecossistema da Urna, de 12 de dezembro de 2017. Disponível em: <http://www.justicaeleitoral.jus.br/arquivos/tse-t-estes-publicos-de-seguranca-2017-relatorio-tecnico> Acesso em: 24/09/2018.

BRASIL, Tribunal Superior Eleitoral. Respostas às vulnerabilidades e sugestões de melhorias encontradas no Teste Público de Segurança 2017, de 23 de maio de 2018. Disponível em: <http://www.justicaeleitoral.jus.br/arquivos/relatorio-tecnico-tps-2017-1527192798117>. Acesso em 24/09/2018.

CALLON, Michel. What does it mean to say that economics is performative?. CSI Working Papers Series 005, 2006a. Disponível em: <https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00091596/document/>. Acesso em 29/08/2018.

CALLON, M. (2006b) Pour une sociologie des controverses technologiques. In : AKRICH, Madeleine ; CALLON, M ; LATOUR, B. Sociologie de la traduction: textes fondateurs. Paris : Minses Paris Le Presses. p. 135-157.

_______; LAW, John, RIP, Arie. Mapping the Dynamics of Science and Technology. London: Macmillan Press, 1986.

CALLON, Michel; LASCOUMES, Pierre; BARTHE, Yannick. (2009). Acting in an uncertain world : an essay on technical democracy. Massachusetts Institute of Technology.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede, vol. 1, 5ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GRANOVETTER, Mark. The Strength of Weak Ties. American Journal of Sociology, vol. 78, N°. 6, mai, 1973, pp. 1360-1380. Disponível em: <http://www.cs.umd.edu/~golbeck/INST633o/granovetterTies.pdf>. Acesso em 29/08/2018.

JASANOFF, Sheila. The idiom of co-production. In: JASANOFF, Sheila. States of knowledge: the co-production of science and social order. International library of sociology. London: Routledge, 2004. p. 1–12.

LACLAU, Ernesto. MOUFFE, Chantal. Hegemonia e Estratégia Socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

______. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Tradução de Ivone C. Benedetti. Tradução Ivone C. Benedetti. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

______. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador: EDUFBA-Edusc, 2012.

______. Cogitamus. São Paulo: Editora 34, 2016.

LEAL, Sayonara; VARGAS, Eduardo Raupp de. Democracia técnica e lógicas de ação: uma análise sociotécnica da controvérsia em torno da definição do Sistema Brasileiro de Televisão Digital – SBTVD. Sociedade e Estado, 2011.

LEMOS, André. A Comunicação das Coisas: teoria ator-rede e cibercultura. 1ª ed. São Paulo: Annablume, 2013.

LAW, John. Actor network theory and material semiotics. In: TURNER, B. S. (Ed.). The new Blackwell companion to social theory, Chichester: Wiley-Blackwell, p. 141–158, 2009. Disponível em: <http://www.heterogeneities.net/publications/Law2007ANTandMaterialSemiotics.pdf>. Acesso em 03/09/2017.

________. Notes on the Theory of the Actor-Network: Ordering, Strategy, and Heterogeneity. Systems Practice, 5: 379, 1992. Disponível em: <https://link.springer.com/article/10.1007/BF01059830#citeas>. Acesso em 30/08/2018.

PREMEBIDA, Adriano. NEVES, Fabrício Monteiro; ALMEIDA, Jalcione. Estudos sociais em ciência e tecnologia e suas distintas abordagens. Sociologias, Porto Alegre, ano 13, n° 26, jan/abr, 2011, p. 22-42. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/soc/v13n26/03.pdf>. Acesso em 30/08/2018.

QUEIROZ E MELO, Maria de Fátima Aranha. Mas de Onde vem Latour?. Pesquisas e Práticas Psicossociais 2(2), São João del-Rei, fev, 2008. Disponível em: <https://ufsj.edu.br/portal-repositorio/File/revistalapip/queiroz_melo_artigo.doc>. Acesso em 30/08/2018.

RODRIGUES, Léo Peixoto. Karl Mannheim e os problemas epistemológicos da Sociologia do Conhecimento: é possível uma solução construtivista? Episteme, Porto Alegre, n°. 14, pp. 115-138, jan.-jul, 2002. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/266878575_KARL_MANNHEIM_E_OS_PROBLEMAS_EPISTEMOLOGICOS_DA_SOCIOLOGIA_DO_CONHECIMENTO_E_POSSIVEL_UMA_SOLUCAO_CONSTRUTIVISTA>. Acesso em 24/06/2018.

SERRES, Michel. Novas tecnologias e sociedade pedagógica. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 4, n. 6, p. 129-142, Feb. 2000.

VENTURINI, Tommaso. Diving in magma: How to explore controversies with actor-network theory. In: Public Understanding the of Science 19 (3), 2009. Disponível em <http://www.tommasoventurini.it/web/uploads/tommaso_venturini/Diving_in_Magma.pdf>. Acesso em 30/08/2018.

_______. Building on faults: how to represent controversies with digital methods, 796-812. In: Public Understanding of Science 21/07: 796, 2010. London: Sage. Disponível em: <http://www.tommasoventurini.it/web/uploads/tommaso_venturini/BuildingOnFaults.pdf> . Acesso em 30/08/2018.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Vinhas, O., & Prates, C. D. (2021). Seguindo a construção de fatos e mapeando redes: Urnas eletrônicas brasileiras são confiáveis?. Século XXI: Revista De Ciências Sociais, 10(2), 09–37. Recuperado de https://periodicos.ufsm.br/seculoxxi/article/view/35900

Edição

Seção

Artigos