Notícias

Chamadas abertas para dossiês temáticos:

 

- Dossiê “A discordância dos tempos: Daniel Bensaïd e a crítica social contemporânea.”

Organização:

Henrique Amorim – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP);

Leandro Galastri – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP).

Em janeiro de 2020 completam-se dez anos da morte de Daniel Bensaïd, um dos mais importantes filósofos contemporâneos. Realizador de uma obra marcada por contribuições originais à ampla tradição do materialismo histórico, pode-se dizer que seu pensamento contempla as necessidades atuais da crítica social, tanto na academia quanto fora dela. Atuante na cena acadêmica e política francesa das últimas décadas (Bensaïd era professor titular da Universidade de Paris VIII – Saint-Denis), teve alguns de seus trabalhos traduzidos no Brasil, como “Marx, o intempestivo” (Civilização Brasileira, 1999), “Os irredutíveis” (Boitempo, 2008) e “Espetáculo, fetichismo, ideologia” (Plebeu Gabinete de Leitura, 2013). Bensaïd preocupou-se em defender uma abordagem da sociedade contemporânea que levasse em consideração a necessidade de se evitar os riscos teóricos e práticos do pensamento dogmático, bem como daquele raciocínio preso aos cânones positivistas de uma “objetividade” cientificista. Este “alerta” epistemológico está presente de forma estratégica nas elaborações teóricas do filósofo, informando seus olhares em relação ao tempo, ao espaço, à questão das classes sociais e também ao dinamismo e fluidez das relações sociais e políticas. Consideramos que o dossiê aqui proposto, para além da efeméride em questão, se coloca em diálogo com as necessidades contemporâneas de reafirmação do pensamento social crítico.

O prazo final para submissão de artigos se esgota em 30 de junho de 2019. 

Ao iniciar o 1º passo da submissão do artigo na caixa “Comentários para o Editor” o autor deverá indicar que o artigo está sendo submetido tendo em vista sua avaliação para o Dossiê "A discordância dos tempos: Daniel Bensaïd e a crítica social contemporânea".

O dossiê deverá compor o Vol. 10, nº1, da Século XXI, cuja publicação está prevista para janeiro de 2020.

 

 

- Dossiê "Trabalho, Cuidado e Emoções."

Organização

Jurema Gorski Brittes - Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); 

Monalisa Siqueira Dias - Universidade Federal de Santa Maria (UFSM);

Erynn de Mais Casanova - University of Cincinnati (UC), EUA.

Estamos apresentando à Século XXI: Revista de Ciências Sociais a proposta de elaboração de um dossiê sobre “Trabalho, Cuidado e Emoções”. Nossa intenção é colaborar com o aprofundamento de discussões conceituais, epistemológicas, metodológicas e empíricas destes conceitos, como também experimentar as possibilidades analíticas de apresentá-las correlacionadas.     

Tais discussões possuem uma história ainda recente na pesquisa brasileira, assumindo uma temporalidade própria, diferente daquelas estabelecidas na Europa e Estados Unidos a mais ou menos um quarto de século. No Brasil, a discussão sobre cuidado, por exemplo, iniciou-se nas ciências da saúde, principalmente nas áreas da psicologia e da enfermagem. Aos poucos esta temática vêm sendo mobilizada nas ciências sociais, no rol de pesquisas sobre descapacidades, trabalho doméstico, trabalho emocional, Estado de Bem Estar Social, entre outros.

No entanto, os esforços nacionais e internacionais de investigação ainda contam com pouca sistematização. Os conceitos de trabalho de cuidado e trabalho emocional têm revelado dimensões fundamentais das atividades laborais, tanto quanto aportando em concepções escorregadias e imprecisas. Em algumas análises, esses conceitos são usados para iluminar sentidos ainda não captados pela análise social, outras vezes eles aparecem com menos nitidez e disputando a capacidade descritvo-analítica  com outras categorias já consolidadas, a exemplo do trabalho doméstico e reprodutivo.

Dentro dessa perspectiva, para este número especial, estamos propondo mesclar artigos conceituais, interpretativos e descritivos sobre o tema. Gostaríamos de estimular a apresentação de artigos em co-autoria, reunindo, principalmente, pesquisadores/as estabelecidos/as e em processo de formação, como orientandos/as e demais parcerias.

O prazo final para submissão de artigos se esgota em 31 de março de 2019.

Ao iniciar o 1º passo da submissão do artigo na caixa “Comentários para o Editor” o autor deverá indicar que o artigo está sendo submetido tendo em vista sua avaliação para o Dossiê "Trabalho, Cuidado e Emoções".

O dossiê deverá compor o Vol. 9, nº 3, Edição Especial, da Século XXI, cuja publicação está prevista para o 2º semestre de 2019.

 

 

- Dossiê “Politicas do Sofrimento e Gestão das Tragedias Coletivas: As Vítimas e o Recurso ao Religioso, o Sagrado e o Sobrenatural.” 

Organização:

Virginia Vecchioli – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM);

María Soledad Catoggio – Universidad de Buenos Aires (UBA).

Tema e enfoques:

Os processos de emergência de várias formas do ativismo das vítimas (plural) constituem hoje um assunto privilegiado de análise no campo acadêmico. A literatura especializada tem examinado extensamente o surgimento de seus vários repertórios de mobilização, a consolidação de várias formas de expertise sobre as vítimas e a multiplicação no espaço global de políticas de gestão do sofrimento coletivo. No entanto, são poucos os trabalhos que exploram a forma na qual todas essas dimensões estão atravessadas por sua relação com o espaço do sagrado e do mundo religioso, entendido em sentido amplo e diverso. Esta relação se faz evidente em a) a intervenção de especialistas religiosos, com as suas retóricas e formas rituais específicas, b) o uso de recursos paranormais e sobrenaturais, como médiuns, videntes, espíritos, a identificação de sinais antecipatórios da tragédia, a comunicação com as vítimas através de sonhos, e c) a participação em rituais como a cura, a meditação, o altruísmo, as marchas e procissões, a construção de altares, oferendas, memoriais, museus e outros espaços públicos em homenagem às vítimas, convertidos em verdadeiros santuários laicos. 

Assim, convidamos os(as) interessados(as) na temática para a submissão de artigos que, a partir de uma abordagem sociológica e/ou antropológica e, baseados em pesquisas empíricas, analisem as diversas formas de articulação entre as vítimas e o mundo religioso no processo de sua mobilização e na criação de repertórios de gestão do seu sofrimento no qual a invocação de símbolos e/ou imaginários sociais em torno da figura das vítimas e/ou da linguagem do religioso ocupe um lugar central. Estamos interessadas em reunir trabalhos que contribuam para um conhecimento mais rigoroso sobre as clivagens sagradas e religiosas em torno das quais são construídas e reconstruídas as experiências extremas vivenciadas por grupos de vítimas e os processos de elaboração de suas memórias. Acreditamos que este é um tema inovador que possibilita a reflexão sobre a dimensão religiosa do ativismo das vítimas e da gestão das políticas públicas, bem como sobre a dimensão sagrada das diversas formas de gestão da dor e do sofrimento das vítimas e de suas heterogêneas gramáticas emocionais.

Eixos temáticos:

Serão considerados artigos que abordem algum dos seguintes eixos:

1. Os usos de repertórios e recursos religiosos, sagrados e sobrenaturais nos processos de criação de grupos de vítimas de tragédias coletivas e na produção de dispositivos estatais e transnacionais para a gestão do sofrimento das vítimas: cura, meditação, altruísmo, procissão, altares, oferendas, etc.

2. O lugar dos especialistas do mundo da religião e do sobrenatural na gestão do sofrimento de grupos de vítimas atravessadas por situações de extrema violência: padres, pastores, rabinos, párocos, médiuns, videntes, curandeiros, agentes paranormais, etc.

3. A produção social de imaginários do religioso e do sagrado no universo das vítimas.

4. As categorias que informam este universo de relações (como, por exemplo, perdão, paz, compaixão, cura, etc.), suas implicações e a maneira como eles disputam seu lugar com outras categorias legítimas de espaço público (verdade, justiça, direitos, memória).

5. A exaltação da figura da vítima no contexto das várias liturgias manifestantes da política. Os processos de conversão das vítimas em objetos de adoração e veneração: museus e memoriais às vítimas.

Origem da proposta: Este dossiê é uma continuidade da experiência do grupo de trabalho "A gestão do sofrimento das vítimas: pontos de vista sobre o lugar do ativismo sagrado e religioso" coordenado por ambas as proponentes do dossiê no âmbito da IXª Conferência Internacional de Ciências Sociais e Religiosas, organizada em novembro de 2017 pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires (UBA) e o Centro de Estudios e Investigaciones Laborales (CEIL) vinculado ao Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET).

O prazo final para submissão de artigos se esgota em 28 de fevereiro de 2019.

Ao iniciar o 1º passo da submissão do artigo na caixa “Comentários para o Editor” o autor deverá indicar que o artigo está sendo submetido tendo em vista sua avaliação para o Dossiê "Politicas do Sofrimento e Gestão das Tragedias Coletivas: as vítimas e o recurso ao religioso, o sagrado e o sobrenatural".

O dossiê deverá compor o Vol. 9, nº2, da Século XXI, cuja publicação está prevista para setembro de 2019.

 

 

- Dossiê “Cultura e Diferenças.”

Organização: 

- Fernando de Figueiredo Balieiro  – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM);

- Patricia de Santana Pinho – University of California, Santa Cruz (UCSC);

- Priscila Martins Medeiros – Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

O objetivo do Dossiê Cultura e Diferenças é reunir artigos que versem sobre a temática proposta a partir de olhares diversos das Ciências Sociais. Serão bem-vindos artigos que tragam resultados de pesquisas empíricas desenvolvidas, bem como reflexões de ordem teórica e metodológica a respeito de abordagens clássicas e contemporâneas sobre a questão das diferenças e das normas sociais e/ou padrões culturais socialmente hegemônicos. Serão o foco privilegiado de reflexão do dossiê as análises sociológicas e antropológicas sobre a produção artística, cultural, intelectual brasileira e estrangeira com olhares atentos às experiências dissidentes e subalternas, bem como a observação dos processos que tangenciem a problemática das identidades e das diferenças regionais, nacionais e transnacionais. Atentos às contribuições críticas mais recentes às perspectivas canônicas da pesquisa social, o dossiê perpassará temáticas de gênero, sexualidade e relações étnico-raciais, bem como abordagens que enfoquem suas intersecções.   Para tanto, o dossiê incentiva abordagens epistemológicas alternativas, como os estudos feministas, queer,  pós-coloniais e decoloniais, que tensionam o paradigma da modernidade/universalidade - presente em várias das bases teóricas das Ciências Sociais - ao trazerem para o centro da análise sujeitos e contextos sociais esquecidos, interpelados, exotizados ou limitados à condição de meros objetos da ciência. 

O prazo final para submissão de artigos se esgota em 15 de fevereiro de 2019.

Ao iniciar o 1º passo da sumissão do artigo na caixa “Comentários para o Editor” o autor deverá indicar que o artigo está sendo submetido tendo em vista sua avaliação para o Dossiê “Cultura e Diferenças.”

O dossiê deverá compor o Vol. 9, nº1 da Século XXI, cuja publicação está prevista para junho de 2019.

 

 

- Dossiê "A casa: deslocamentos, temporalidades e habitabilidades."

Organização

Ceres Karam Brum – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM);

Marta Vilar Rosales – Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-UL).

Lugar de habitação e de abrigo a casa na contemporaneidade vem desempenhando uma série de novos papéis que ultrapassam o universo privado de indivíduos e grupos em cenários nacionais e transnacionais de deslocamentos. Ela acompanha as transformações cotidianas e estruturais da vida social e se reinventa ao sabor de novas exigências materiais e simbólicas. Dessa forma, se pensarmos no conjunto de estudos nas Ciências Sociais que remetem à casa, não estamos diante de tema inexplorado. Nesse campo de produção, na etnologia francesa são bem conhecidos os trabalhos de Claude Lévi-Strauss (1957), ao analisar a casa Bororo em Tristes trópicos; de Marcel Griaule (1966), que estuda a casa Dogon em Die d’eauentretiens avec Ogotemmêli, de Pierre Bourdieu (1980), ao interpretara Maison Kabyle em  Les sens pratique François Ruegg (2011), que estudou as habitações camponesas em La Maison paysannehistoire d’un mythe. Neste campo do conhecimento, somados aos trabalhos na seara da Antropologia, verificamos igualmente uma tendência a criticar os estudos que seguem apenas uma perspectiva ergológica, (aqueles que restringem a casa aos aspectos como matéria-prima, forma, tamanho e técnica de produção de um artefato, sem analisar seus significados e funções na sociedade que os produziu) em outros domínios das ciências sociais. A busca de superação deste enfoque, tem gerado novas perspectivas de pesquisa em âmbito interdisciplinar tais como o trabalho do filósofo Michel Serres, Habiter, publicado em (2011) e Chez soi: une odyssée de l’espace domestique, da jornalista Mona Chollet (2015) na seara dos estudos culturais. Neste dossiê, desejamos receber contribuições que enfoquem, a partir de diferentes perspectivas teórico-metodológicas das Ciências Sociais, estudos sobre habitações/casas em distintos contextos socioculturais e que, neste sentido, revelem as particularidades do habitar, destacando as múltiplas configurações da casa/lar/abrigo/refúgio em relação às formas de habitar e suas representações, aos consumos domésticos, às memórias e trajetórias dos grupos e pessoas, ao pertencimento étnico e nacional, dos que as habitam, entre outros.

O prazo final para submissão de artigos se esgota em 30 de novembro de 2018.

Ao iniciar o 1º passo da sumissão do artigo na caixa “Comentários para o Editor” o autor deverá indicar que o artigo está sendo submetido tendo em vista sua avaliação para o Dossiê "A casa: deslocamentos, temporalidades e habitabilidades".

O dossiê deverá compor uma Edição Especial do Vol. 8 da Século XXI, cuja publicação está prevista para dezembro de 2018.

 

 

- Dossiê: “Mundo do trabalho em transformação: novas tecnologias, processos produtivos e ação sindical.”

Organização:

José Ricardo Ramalho – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); 

Laura Senna Ferreira – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

As transformações do mundo do trabalho exigem novos esforços de investigação social. Desde os anos 1970, com os processos de reestruturação produtiva, verifica-se uma mudança nas estratégias empresariais no sentido de articulação em rede, introdução de novas tecnologias e flexibilização das relações de trabalho. Foi uma ofensiva empresarial que visava restringir conquistas salariais, benefícios e direitos do trabalho e introduzir processos de racionalização do trabalho apoiados em tecnologias de base microeletrônica e informacional. A tecnologia passou a demandar formação e habilidades técnicas, cognitivas e comunicativas dos trabalhadores, impulsionando novos perfis profissionais. Além disso, buscou-se a construção de consensos entre os trabalhadores em torno dos valores empresariais, produzindo novas subjetividades do trabalho. No período marcado por ideologias e práticas neoliberais, os Estados nacionais se constituíram em parceiros do mundo dos negócios no desmonte da regulação do trabalho. No caso latino americano, os anos 2000 pendulam entre posturas neoliberais e plataformas mais reguladoras, mas nos últimos anos o continente tem vivido o fortalecimento das políticas e ideologias de mercado. Nesse contexto, as lutas sindicais e de outros movimentos sociais têm sido no sentido de defender direitos e lutar contra a precarização do trabalho. Isso inclui também o envolvimento em outras esferas da vida dos trabalhadores. O objetivo deste dossiê é reunir artigos originais resultantes de pesquisas que versem sobre os temas das mudanças no mundo do trabalho. Serão bem-vindos artigos com diferentes recortes temporais e espaciais, e com diversos enfoques analíticos, metodológicos e epistemológicos. Os artigos, individuais ou em co-autoria, devem apresentar contribuições dentro dos seguintes eixos orientadores:

- Trabalhadores: novos perfis e categorias profissionais;

- Trabalho e novas tecnologias;

- Trabalho e perspectivas formativas e educacionais;

- Dilemas e desafios sindicais: inserções institucionais e a pauta dos direitos do trabalho;

- Processos de trabalho;

- Relações de trabalho na América Latina.

O prazo final para submissão de artigos se esgota em 31 de julho de 2018.

Ao iniciar o 1º passo da submissão do artigo na caixa “Comentários para o Editor” o autor deverá indicar que o artigo está sendo submetido tendo em vista sua avaliação para o Dossiê "Mundo do trabalho em transformação: novas tecnologias, processos produtivos e ação sindical".

O dossiê deverá compor o Vol. 8, nº 2, da Século XXI, cuja publicação está prevista para dezembro de 2018.

Nenhuma notícia publicada.