Ciclo de vida das cooperativas de crédito brasileiras: o desempenho da cooperativa como motivo para a descontinuidade das operações

Bruno José Canassa, Davi Rogério de Moura Costa

Resumo


É possível observar uma recente onda de descontinuidade entre as cooperativas de crédito brasileiras. De acordo com a teoria do ciclo de vida das cooperativas, a decisão por encerrar as atividades é pauteada pela “saúde financeira” dos cooperados e da própria cooperativa. Portanto, este trabalho buscou explorar o papel do desempenho sobre a decisão por descontinuar a cooperativa. Para alcançar este objetivo, foram encontrados uma série de indicadores proeminentes para cooperativas de crédito e, dentre estes, quais apresentavam diferenças estatísticas entre as continuadas e as descontinuadas. Para compreender se o desempenho baixo afetava a decisão pelo encerramento, identificou-se a frequência em que cooperativas descontinuadas apresentavam índices abaixo das demais. Os principais indicadores identificados são relacionados a qualidade dos contratos de crédito e a geração de recursos próprios, sendo vinculados a problemas encontrados nas fases do ciclo de vida como o crescimento do quadro social, o desincentivo ao investimento e problemas de tomada de decisão pela gestão.


Palavras-chave


cooperativas de crédito; descontinuidade; indicadores financeiros; teoria do ciclo de vida das cooperativas

Texto completo:

PDF

Referências


BANCO CENTRAL DO BRASIL. Atualização mensal de dados. Disponível em: . Acesso em 22 ago. 2017.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Dados selecionados de entidades supervisionadas – IF.data. Disponível em: . Acesso em 22 ago. 2017.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Resolução nº 3.859, de 27 de maio de 2010. Altera e consolida as normas relativas à constituição e ao funcionamento de cooperativas de crédito. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 maio 2010. Disponível em < http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/2010/pdf/res_3859_v3_P.pdf>. Acesso em: 23 ago. 2017.

BANERJEE, A.; BESLEY, T.; GUINNANE, T. Thy neighbor’s keeper: the design of a credit cooperative with theory and a test. The Quarterly Journal of Economics, v. 109, n. 2, p. 491-515, 1994.

BANERJEE, A.; MOOKHERJEE, D.; MUNSHI, K.; RAY, D. Inequality, control rights, and rent seeking: sugar cooperatives in Maharashtra. Journal of Political Economy, v. 109, n. 1, p. 138-190, 2001.

BARROSO, M. F. G.; BIALOSKORSKI NETO, S. Surplus distribution in San Paulo rural credit cooperatives. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 12, n. 2, p. 290-307, 2010.

BAUER, K. J.; MILES, L. L.; NISHIKAWA, T. The effect of mergers on credit union performance. Journal of Banking & Finance, v. 33, n. 12, p. 2267-2274, 2009.

BEATTY, A.; LIAO, S. Financial accounting in the banking industry: a review of the empirical literature. Journal of Accounting and Economics, v. 58, n. 2, p. 339-383, 2014.

BOONE, C.; ÖZCAN, S. Strategic choices at entry and relative survival advantage of cooperatives versus corporations in the US bio-ethanol industry, 1978-2015. Journal of Management Studies, v. 53, n. 7, p. 1113-1140, 2016.

BRASIL, Lei nº 5.764, de 16 de dezembro de 1971. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 dez. 1971. Disponível em . Acesso em: 24 ago. 2017.

CARVALHO, F. L.; DIAZ, M. D. M.; BIALOSKORSKI NETO, S.; KALATZIS, A. E. G. Exit and failure of credit unions in Brazil: a risk analysis. Revista Contabilidade & Finanças, v. 26, n. 67, p. 70-84, 2015.

COOK, M. L. The future of U.S. agricultural cooperatives: a neo-institutional approach. American Journal of Agricultural Economics, vol. 77, n. 5, p. 1153-1159, 1995.

COOK, M. L.; BURRESS, M. J. A cooperative life cycle framework. Working paper, University of Missouri Department of Agricultural Economics, 2009.

DAOUIA, A.; SIMAR, L.; WILSON, P. W. Measuring firm performance using nonparametric quantile-type distances. Econometric Reviews, v. 36, n. 1-3, p. 156-181, 2017.

FRIED, H. O.; LOVELL, C. A. K.; EECKAUT, P. V. Evaluating the performance of US credit unions. Journal of Banking & Finance, v. 17, n. 2, p. 251-265, 1993.

GODDARD, J.; MCKILLOP, D.; WILSON, J. O. S. U.S. credit unions: survival, consolidation, and growth. Economic Inquiry, v. 52, n. 1, p. 304-319, 2014.

GORTON, G.; SCHMID, F. Corporate governance, ownership dispersion and efficiency: empirical evidence from Austrian cooperative banking. The Journal of Corporate Finance, v. 5, n. 2, p. 119-140, 1999.

HANSMANN, H. The Ownership of Enterprise. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 1996. 372 p.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Multivariate Data Analysis. 7ª ed. New Jersey: Pearson, 2009. 816 p.

KALOGERAS, N.; PENNINGS, J. M. E.; BENOS, T.; DOUMPOS, M. Which cooperative ownership model performs better? A financial-decision aid approach. Agribusiness, v. 29, n. 1, p. 80-95, 2013.

MATIAS, A. B. Análise Financeira Fundamentalista de Empresas. São Paulo: Atlas, 2009. 392 p.

MURRAY, J. D.; WHITE, R. W. Economies of scale and economies of scope in multiproduct financial institutions: a study of British Columbia credit unions. The Journal of Finance, v. 38, n. 3, p. 887-902, 1983.

PORTER, P. K.; SCULLY, G. W. Economic efficiency in cooperatives. The Journal of Law & Economics, v. 30, n. 2, p. 489-512, 1987.

SHAFFER, J. D. Thinking about farmers’ cooperatives, contracts, and economic coordination. In: ROYER, J. S. (ed.). Cooperative Theory: new approaches. ACS Research Report n. 18. Washington, D.C.: USDA, 1987. p. 61-86.

STAATZ, J. M. The structural characteristics of farmers’ cooperatives and their behavioral consequences. In: ROYER, J. S. (ed.). Cooperative theory: new approaches. ACS Research Report n. 18. Washington, D.C.: USDA, 1987. p. 33-60.

WHEELOCK, D. C.; WILSON, P. W. The evolution of cost-productivity and efficiency among US credit unions. Journal of Banking & Finance, v. 37, n. 1, p. 75-88, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2359043230202

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103