Análise da dor crônica em mulheres pós mastectomia com ou sem radioterapia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236583472066

Palavras-chave:

Neoplasias da mama, Dor crônica, Mastectomia, Radioterapia, Fisioterapia

Resumo

Objetivo: Comparar as características da dor crônica em mulheres que realizaram cirurgia para o câncer de mama e que receberam ou não radioterapia. Métodos: Foi realizado um estudo de abordagem quantitativa e caráter transversal. A amostra foi dividida em 2 grupos: mulheres que fizeram mastectomia e radioterapia (GR = 8) e mulheres que fizeram apenas mastectomia (GNR = 9), após, no mínimo, três meses de pós-operatório. Foram aplicados os seguintes instrumentos: ficha de avaliação, questionário McGill, Mapa Corporal, Escala Visual Analógica, além da mensuração da perimetria. Resultados: A dor esteve presente em 94,11% das participantes, sendo que em ambos os grupos a dor teve início após a cirurgia, com frequência diária e com pouca duração. Os movimentos de empurrar e puxar foram citados por 75% das participantes do GR como causadores da dor, já no GNR o movimento de alcançar foi o mais citado (44%). Em relação à sensibilidade, a região lateral do tórax foi significativamente diferente entre os grupos. Quanto ao questionário McGill foi observada dor de baixa intensidade para ambos os grupos e quanto aos descritores os mais utilizados foram cansativa (87,50%), chata (75%), enjoada (62,50%), amedrontadora (62,50%) e repuxa (62,50%) para o GR e fisgada (77,77%), agulhada (66,66%), cansativa (66,66%), enjoada (66,66%), amedrontadora (66,66%), castigante (66,66%) e miserável (66,66%) para o GNR. Conclusão: A dor crônica após o tratamento do câncer de mama apresentou alta ocorrência para ambos os grupos. Embora de baixa intensidade, a dor afetava a realização de movimentos e atividades de vida diária. Desta forma, são necessários cuidados para alívio da dor considerando-se suas especificidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Orlandi Barbieri, Universidade Federal de Santa Maria

Fisioterapeuta formada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), sou atualmente mestranda em Ciências do Movimento e Reabilitação na mesma instituição. Durante minha graduação, desempenhei o papel de monitora nas disciplinas de Anatomia Humana e Anatomia Palpatória. Além disso, tive a oportunidade de ser membro ativo do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Saúde da Mulher (NEPESM) da UFSM, e atualmente, sou integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Oncologia e Saúde dos Gêneros (GEPON) da UFSM. Além disso, participei de atividades de iniciação científica em vários projetos de pesquisa e fui autora e coautora de diversos trabalhos apresentados em eventos científicos. Também pude contribuir em diversos projetos de extensão.Minha formação também inclui cursos complementares em áreas como Liberação Miofascial, Dry Needling, Terapia Craniosacral, Pilates, Uroginecologia Funcional e Uropediatria. Atualmente, estou em processo de formação em Osteopatia pela International College of Osteopathy and Naturopathy (ICON)

Camila Laís Menegazzi Giongo, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Fisioterapia pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2023). Foi monitora de Anatomia Humana (2019), bolsista no Projeto de Extensão Reviver: atenção transdisciplinar ao paciente com câncer (FIEX CCS - 2022 e 2023) e membra do Grupo de Estudo e Pesquisa em Oncologia e Saúde dos Gêneros - GEPON (2019 - 2023). Atualmente, é residente no Programa de Pós-Graduação em Residência Multiprofissional Integrada em Gestão e Atenção Hospitalar no Sistema Público de Saúde.

Francine Coutinho Maia de Castro, Centro Universitário de Brusque

Graduada em Medicina pela Universidade Católica de Pelotas (2012). Titulada como Obstetra e Ginecologista pela Universidade Católica de Pelotas (2016). Titulada como Mastologista pela Universidade Federal de Santa Maria (2018). Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Santa Maria (2019).

Gustavo do Nascimento Petter, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Fisioterapeuta graduado pela Universidade Federal de Santa Maria, Mestre em Educação Física (UFSM), Doutorando em Ciências do movimento humano (UFRGS) . Dedica maior parte dos seus estudos à Biomecânica, Cinesiologia e Fisioterapia Desportiva. Hoje professor do curso de fisioterapia da Faculdade SOGIPA das disciplinas de Traumatologia, Ortopedia e Reumatologia, e Fisioterapia em amputações órteses e próteses. Já ministrou as disciplinas de cinesiologia, semiologia, metodologia científica, estágio em traumato ortopedia, entre outras. Tem experiência em pesquisas na área de fisioterapia com ênfase em saúde da mulher, cinesiologia e biomecânica.

Hedioneia Maria Foletto Pivetta, Universidade Federal de Santa Maria

Graduação em Fisioterapia (1994) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Especialização em Saúde Coletiva (1999) pela Universidade Franciscana (UFN), Mestrado (2006) e Doutorado (2011) em Educação pela UFSM. Desde 2012 é professora do Departamento de Fisioterapia e Reabilitação da Universidade Federal de Santa Maria, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão junto ao Curso de Graduação em Fisioterapia, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento e Reabilitação e Programa de Pós-Graduação em Gerontologia. Possui experiência na área de Fisioterapia, com ênfase na Saúde da mulher, Fisioterapia Oncofuncional, Recursos fisioterapêuticos manuais, Atenção Básica e formação docente. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa em Oncologia e Saúde dos Gêneros (GEPON/UFSM).

Melissa Medeiros Braz, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1999), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006). Atualmente é professora associada do Departamento de Fisioterapia e Reabilitação da Universidade Federal de Santa Maria, do programa de pós-graduação/ mestrado em Ciências do Movimento e Reabilitação e Gerontologia. Tem experiência na área de Fisioterapia, com ênfase em Saúde da Mulher, Saúde do Idoso e Disfunções do Assoalho Pélvico.

Referências

Inca. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://www.inca.gov.br/publicacoes/livros/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil. Acesso em 22 de junho 2021.

Vieira RA da C, Silva FCB da, Biller G, Silva JJ da, Paiva CE, Sarri AJ. Instrumentos de avaliação quantitativa e qualitativa das sequelas relacionadas ao tratamento do câncer de mama. Rev Bras Mastol [Internet]. 2016 Sep;26(3):126–32. Available from: http://www.rbmastologia.com.br/wp-content/uploads/2016/06/MAS_v26n3_126-132.pdf

Kucuk E, Bayraktar-Ekincioglu A, Erman M, Kilickap S. Drug-related problems with targeted/immunotherapies at an oncology outpatient clinic. J Oncol Pharm Pract [Internet]. 2020 Apr 25;26(3):595–602. Available from: https://doi.org/10.1177/1078155219861679

Juhl AA, Christiansen P, Damsgaard TE. Persistent Pain after Breast Cancer Treatment: A Questionnaire-Based Study on the Prevalence, Associated Treatment Variables, and Pain Type. J Breast Cancer [Internet]. 2016;19(4):447. Available from: https://ejbc.kr/DOIx.php?id=10.4048/jbc.2016.19.4.447

Bennett M l., Kaasa S, Barke A, Korwisi B, Rief W, Treede R-D. The IASP classification of chronic pain for ICD-11: functioning properties of chronic pain. Pain [Internet]. 2019 Jan;160(1):88–94. Available from: https://journals.lww.com/00006396-201901000-00012

Costa AIS, Chaves MD. Dor em pacientes oncológicos sob tratamento quimioterápico. Rev Dor [Internet]. 2012 Mar;13(1):45–9. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-00132012000100008&lng=pt&nrm=iso&tlng=en

Varandas, CMB. Fisiopatologia da Dor. [master’s thesis]. Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2013. 79 p. Disponível em: http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/3955/3/Cl%C3%A1udiaVarandasPPG.pdf. Acesso em: 24 junho 2021.

Iasp. International Association for the Study of Pain. Task Force on Taxonomy - Classification of Chronic Pain: descriptions of chronic pain syndromes and definition of pain terms, 2 Ed. Seattle, IASP, 1994.

Cui L, Fan P, Qiu C, Hong Y. Single institution analysis of incidence and risk factors for post-mastectomy pain syndrome. Sci Rep [Internet]. 2018 Dec 31;8(1):11494. Available from: http://www.nature.com/articles/s41598-018-29946-x

Langford DJ, Paul SM, West C, Levine JD, Hamolsky D, Elboim C, et al. Persistent Breast Pain Following Breast Cancer Surgery Is Associated With Persistent Sensory Changes, Pain Interference, and Functional Impairments. J Pain [Internet]. 2014 Dec;15(12):1227–37. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jpain.2014.08.014

Tait RC, Zoberi K, Ferguson M, Levenhagen K, Luebbert RA, Rowland K, et al. Persistent Post-Mastectomy Pain: Risk Factors and Current Approaches to Treatment. J Pain [Internet]. 2018 Dec;19(12):1367–83. Available from: https://doi.org/10.1016/j.jpain.2018.06.002

Bezerra TS, Rett MT, Mendonça ACR, Santos DE dos, Prado VM, DeSantana JM. Hipoestesia, dor e incapacidade no membro superior após radioterapia adjuvante no tratamento para câncer de mama. Revista Dor [Internet]. 2012 Dec;13(4):320–6. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-00132012000400003&lng=pt&nrm=iso&tlng=en

Ferreira, VTK. Caracterização da dor em mulheres com câncer de mama pós-tratamento. [master’s thesis]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2009.86 p. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-18082009-123255/pt-br.php

Bergmann A, Mattos IE, Koifman RJ. Diagnóstico do linfedema: análise dos métodos empregados na avaliação do membro superior após linfadenectomia axilar para tratamento do câncer de mama. Rev Bras Cancerol [Internet]. 2004 Dec 31;50(4):311–20. Available from: https://rbc.inca.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/2007

Melzack R. The McGill Pain Questionnaire: Major properties and scoring methods. Pain [Internet]. 1975 Sep;1(3):277–99. Available from: http://journals.lww.com/00006396-197509000-00006

Pimenta CA de M, Teixeira MJ. Questionário de dor McGill: proposta de adaptação para a língua portuguesa. Rev Assoc Med Bras [Internet]. 1996 Dec;30(3):473–83. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62341996000300009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Varoli FK, Pedrazzi V. Adapted version of the mcgill pain questionnaire to Brazilian Portuguese. Braz Dent J [Internet]. 2006;17(4):328–35. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-64402006000400012&lng=en&tlng=en

Bruce J, Thornton AJ, Powell R, Johnston M, Wells M, Heys SD, et al. Psychological, surgical, and sociodemographic predictors of pain outcomes after breast cancer surgery: A population-based cohort study. Pain [Internet]. 2014 Feb;155(2):232–43. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.pain.2013.09.028

Lundstedt D, Gustafsson M, Malmström P, Johansson K-A, Alsadius D, Sundberg A, et al. Symptoms 10–17 years after breast cancer radiotherapy data from the randomised SWEBCG91-RT trial. Radiother Oncol [Internet]. 2010 Nov;97(2):281–7. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.radonc.2010.09.018

Gong Y, Tan Q, Qin Q, Wei C. Prevalence of postmastectomy pain syndrome and associated risk factors. Medicine (Baltimore) [Internet]. 2020 May 15;99(20):e19834. Available from: https://journals.lww.com/10.1097/MD.0000000000019834

Rodriguez C, Ji M, Wang H-L, Padhya T, McMillan SC. Cancer Pain and Quality of Life. J Hosp Palliat Nurs [Internet]. 2019 Apr;21(2):116–23. Available from: https://journals.lww.com/00129191-201904000-00004

Downloads

Publicado

2023-05-27

Como Citar

Barbieri, S. O., Giongo, C. L. M., Castro, F. C. M. de, Petter, G. do N., Pivetta, H. M. F., & Braz, M. M. (2023). Análise da dor crônica em mulheres pós mastectomia com ou sem radioterapia. Saúde (Santa Maria), 49(2), e72066. https://doi.org/10.5902/2236583472066

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>