Prevalência do exame citopatológico cérvico-vaginal e microflora em idosas de Santa Maria, Rio Grande do Sul

Deise Iop Tavares, Graciele Sório Scheid, Melissa Medeiros Braz

Resumo


O exame citopatológico cérvico-vaginal é bastante importante para o rastreamento de câncer de colo uterino. Realizou-se uma pesquisa do tipo descritiva com o objetivo de investigar a prevalência de exame citopatológico cérvico-vaginal e microflora em idosas na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul, no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2013. Foram investigados isoladamente a “quantidade de exames”, “exames alterados”, “Mic. lactobacillus”, “Mic. cocos”, “Mic. sug. chlamydia”, “Mic. actinomyces sp”, “Mic. trichomonas”, “Mic. vir gr. herpes”, “Mic. bacil supracit”, Mic. outros bacilos”, “Mic. outros”, “Carc.Epid.invasor”, “Adenocarc. In Situ”, “Adenocarc. Invasor” e “Outras neoplasias” na faixa etária de  “60 a 64 anos” e “acima de 64 anos”. Neste período foram realizados 4822 exames, 1975 apresentaram o microorganismo cocos e 1661 outros bacilos. Não foram informados os dados relativos a câncer. Conclui-se que há uma baixa adesão por parte das idosas santa-marienses na realização deste exame. 


Palavras-chave


colo do útero; exame ginecológico; teste de Papanicolau; idoso

Texto completo:

PDF

Referências


Escohotado A. Las Drogas - Del Los orígenes a la prohibición. Madri: Alianza; 1994.

Machado L V, Boarini M L. Políticas sobre drogas no Brasil: a estratégia de redução de danos. Psicologia, Ciência e Profissão [Internet].2013. [citado 07 outubro 2016] 33( 3): 580-595. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932013000300006 .

Buchele F, Cruz D D O. Aspectos socioculturais do uso de álcool e outras drogas e exemplos de projetos de intervenção. Cap. VI. In: Secretaria Nacional de 1. Santos RFA, Cordeiro CA, Braga LS, Moraes MN, Araújo VS, Dias MD. Conhecimento de idosas sobre o exame citopatológico. Rev. enferm. UFPE online. 2015;(2):517-25. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10367/11100.

Martins LFL, Thuler LCS, Valente JG. Cobertura do exame de Papanicolaou no Brasil e seus fatores determinantes: uma revisão sistemática da literatura. Rev. bras. ginecol. obstet. (online). 2005; 27(8):485-492. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v27n8/26760.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Manual de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis - DST. 2006; 4ª ed. Disponível em: bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_controle_das_dst.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013. [acesso 2017 Mai 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013pdf.

Santos MA, Audickas RC, Coutinho SC, Silva J, Souza LN. A importância da prevenção do câncer do colo uterino: em pauta o exame de Papanicolau. Revista Recien. 2014; 4(12):15-20. [acesso 2017 Mai 22]. Disponível em: http://www.recien.com.br/online/index.php/Recien/article/view/78.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer: controle do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro, 2017. [acesso 2017 Dez 01]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/acoes_programas/site/home/nobrasil/programa_nacional_controle_cancer_colo_utero/conceito_magnitude.

Brasil. Sistema de informação do controle do câncer de mama (SISMAMA) e do câncer do colo do útero (SISCOLO): manual gerencial. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica. Rio de Janeiro: INCA, 2011. [acesso 2017 Dez 01]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/Sistema_de_informacao_do_controle_do_cancer_de_mama.pdf.

Wikipedia. Santa Maria, Rio Grande do Sul. [acesso 2017 Mai 22]. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Maria_(Rio_Grande_do_Sul).

Brasil. Portal Brasil. Ministério da Saúde amplia faixa etária para rastreamento do câncer de colo de útero. [acesso 2017 Jul 30]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2011/07/ministerio-da-saude-amplia-faixaetaria-para-rastreamento-do-cancer-de-colo-de-utero.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Nomenclatura brasileira para laudos cervicais e condutas preconizadas. 2 ed. Rio de Janeiro, 2006. [acesso 2018 Mar 28]. Disponível em: http://www.portalsbc.com.br/nomeclaturas.pdf.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico 2010: sinopse. 2010. [acesso 2017 Jul 30]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=431690&idtema=1&search=rio-grande-do-sul|santa-maria|censo-demografico-2010:-sinopse.

Albuquerque KM, Frias PG, Andrade CLT, Aquino EML, Menezes G, Szwarcwald CL. Cobertura do teste de Papanicolaou e fatores associados à não-realização: um olhar sobre o Programa de prevenção do câncer do colo do útero em Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(2):301-309. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v25s2/12.pdf.

Crespi TD, Hansen D, Garces SBB, Rosa CB, Brunelli AV, Bianchi PDA et al. Relação entre o grau de fragilidade de idosas e a realização de exames preventivos. RBCEH. 2014; 11(3):276-287. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rbceh/article/view/4223/pdf.

Iwamoto HH, Camargo FC, Miranda MP, Nunes JS, Barbosa IA. Mulheres que realizam Papanicolaou: contribuições para a estratégia saúde da família. Cogitare enferm. 2011; 16(3):424-429. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/21443/16225.

Freitas MCM, Ribeiro LC, Vieira MT, Teixeira MTB, Bastos RR, Leite ICG. Fatores associados à utilização do teste de Papanicolaou entre mulheres idosas no interior do Brasil. Rev. bras. ginecol. obstet. (online). 2012; 34(9):432-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v34n9/a08v34n9.pdf.

Mantovani C, Lucini CT. Conhecimento das mulheres da terceira idade de um município do Meio-Oeste de Santa Catarina sobre o exame papanicolaou. Unoesc & Ciência – ACBS. 2012; 3(2):111-122. Disponível em: http://editora.unoesc.edu.br/index.php/acbs/article/view/1178/pdf.

Costa CC, Freitas LV, Dias LMB, Lima TM, Damasceno AKC, Pinheiro AKB. Realização de exames de prevenção do câncer cérvico uterino: promovendo saúde na instituição asilar. Rev. RENE. 2010; 11(3):27-35. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/vol11n3_html_site/a03v11n3.html.

Olhê L, Oliveira RC, Campanelli RF, Nogueira DP. Papanicolaou na terceira idade: um desafio para a enfermagem. Revista Fafibe On-Line. 2013; 4(6):78-86. Disponível em: http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/28/11122013190008.pdf.

Ramos AL, Silva DP, Machado GMO, Oliveira LN, Lima DS. A atuação do enfermeiro da estratégia saúde da família na prevenção do câncer de colo de útero. Sanare (Sobral, Online). 2014; 13(1):84-91. [acesso 2017 Mai 22]. Disponível em: http://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/viewFile/437/292.

Melo EMF. A importância da realização do exame preventivo em mulheres acima dos 40 anos. Saúde Colet. 2011; 8(54):249-52. [acesso 2017 Mai 22]. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84221108006.

Pinheiro DM, Ferreira DLA, Santos AMB, Moita JMN. Prevention of cervical cancer in long-term care institutions for the elderly. Rev. enferm UFPE. 2013; 2(1):27-32. Disponível em: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/850/pdf.

Soares LE. Atenção à saúde do idoso no município de Quarai-RS. Porto Alegre: 2012. 50 p. Dissertação (Especialização) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2012. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/67721/000870752.pdf?sequence=1.

Koneman EW, Winn WJ, Allen S, Janda W, Procop G, Schrecknberger P et al. Diagnóstico Microbiológico. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan; 2008. p.832-833, p.618




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583428463

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.