Método Pilates: Uma estratégia reabilitadora do estresse em Agentes Comunitários de Saúde

Rodrigo de Souza Balk, Juliana Martins Holstein, Simone Lara, Susane Graup

Resumo


Introdução:  O estresse é uma reação inespecífica do corpo a qualquer demanda, interna ou externa, sendo uma parte normal do funcionamento do corpo. O interesse pelo seu estudo no trabalho se destacou nos últimos anos, principalmente no que se relaciona ao impacto negativo que pode proporcionar na saúde dos empregados e, consequentemente, no funcionamento das organizações. No caso dos agentes comunitários de saúde, considera-se que estes encontram-se em ambientes, condições e pressões maiores. Várias estratégias podem ser usadas para minimizar o estresse, entre elas a atividade física, como o método Pilates. Considerando a lacuna de trabalhos reportando os efeitos do método Pilates sobre o estresse, esse estudo teve como objetivo analisar a influência desse método como estratégia de enfrentamento do estresse em Agentes Comunitários de Saúde. Métodos: Participaram do estudo 6 Agentes Comunitários de Saúde, avaliados com o questionário de LIPP, Escala de Estresse no trabalho e Escala de Estresse percebido e submetidos a intervenção com o Método Pilates por 12 semanas para diminuição do estresse. Resultados: Houve uma diminuição dos níveis de estresse dos participantes, mais evidenciada pelo Questionário de LIPP. Conclusão: O Pilates se demonstrou eficiente na redução da sintomatologia do estresse, sendo recomendada a realização de novos estudos na área.


Palavras-chave


Estresse Profissional; Exercício; Saúde Coletiva

Texto completo:

PDF

Referências


Guerrer FJL, Bianchi ERF. Caracterização do estresse nos enfermeiros de unidades de terapia intensiva. Rev. esc.

enferm. USP [online]. 2008, vol.42, n.2 [cited 2015-10-18], pp. 355-362 . Available from:

php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342008000200020&lng=en&nrm=iso>.

Lipp, MEN. (2003). Mecanismos neuropsicológicos do stress: teoria e aplicações clínicas. São Paulo: Casa do

Psicólogo.

Stacciarini JM, Troccolo BT. O estresse na atividade ocupacional do enfermeiro. Rev Latino-am Enfermagem 2001;

(2):17-25.

Rocha MCP., De Martino MMF. O estresse e qualidade de sono do enfermeiro nos diferentes turnos hospitalares. Rev

Esc Enferm USP; 2010; 44(2): 280-6. 2.

Hanzelmann RS, Passos, JP. Imagens e representações da enfermagem acerca do stress e sua influência na atividade

laboral. Rev Esc Enferm USP; 2010; 44(3): 694-701.

Paschoal T., Tamayo A. Validação da Escala de Estresse no Trabalho. Estudos de Psicologia 2004; 9(1): 45-52.

Dejours C. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações: o indivíduo na organização - dimensões

esquecidas. São Paulo: Atlas; 1992

Dalcin, EMC. Ambiente e trabalho: Condições de estresse em profissionais de um Centro de Atenção Psicossocial I no interior do Mato Grosso. Dissertação de mestrado em Ciências Ambientais e Saúde, Universidade Católica de Goiás,

Goiânia, GO, Goiás, Brasil, 2009.

Santos LFB, David HMSL. Percepções do estresse no trabalho pelos agentes comunitários de saúde. Rev. enferm.

UERJ, Rio de Janeiro, 2011; 19(1):52-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 1994.

Freitas FP, Pinto IC. Percepção da equipe de saúde da família sobre a utilização do sistema de informação da atenção

básica-SIAB. Rev Latino-am Enfermagem 2005 ; 13(4):547-54.

Custódio LC, et al. Avaliação do estresse ocupacional em Agentes Comunitários de Saúde da região metropolitana de

Belo Horizonte - MG. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 2010; [S.l.], v. 2, n. 7, :189-195.

LIPP MEN. Manual do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL). 2. ed. rev. São Paulo: Casa do

Psicólogo, 2001.

Camarão, T. Pilates no Brasil: Corpo e Movimento. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004

Panelli C; De Marco A. Método pilates de condicionamento do corpo: um programa para toda vida. São Paulo: Phorte,

158 p.

Selby A; Herdman A. Pilates como criar o corpo que você deseja. São Paulo: Manole, 2000.143p.

Rosseti MO e col. O inventário de sintomas de stress para adultos de lipp (ISSL) em servidores da polícia federal de

São Paulo. REVISTA BRASILEIRA DE TERAPIAS COGNITIVAS, 2008, Volume 4, Número 2.

Cohen S, Williamson GM. Perceived Stress in a probability sample of the United States.In: SPACAPAN, S.; OSKAMP,

S. The Social Psychology of Health, Newbury: Sage, 1988. p. 31-67

Santos DM, Sichieri,R. Índice de massa corporal e indicadores antropométricos de adiposidade em idosos. Revista

de Saúde Pública, 2005 ;39 (2): 163-8

Callaway CW, Chumlea WC, Bouchard C, Himes JH, Lohman TG, Martin AD, et al. Circumferences. In: Lohman TG,

Roche AF, Martorell R, editors. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics Books;

p. 44-

Narayan L, Menon S, Spector, PE. Stress in the workplace: a comparison of gender and occupations. Journal of

Organizational Behavior 1999; 20: 63-73.

Mcintyre, T. M. – Stress e os profissionais de saúde: os que tratam também sofrem. Análise Psicológica. 2-3:XII

(1994). 193-200.

Batista KM. Stress e Hardiness entre enfermeiros hospitalares. São Paulo, 2011. 239 p. Disponível em: http://pandora.

cisc.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-31052011- 120626/publico/Tese_Karla_Melo.pdf. Acesso em 15 ou. 2016

Camelo SHH, Angerami ELS. Riscos Psicossociais relacionados ao trabalho das equipes de saúde da família:

Percepção dos profissionais. Rev. Enferm UERJ 2007; Rio de Janeiro, 502-507.

Mota CM, Dosea GS, Nunes PS. Assessment of the prevalence of burnout syndrome in community health agents of

the city of Aracaju in the state of Sergipe, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva 2014; 4719-4726.

Pafaro RC, De Martino MMF. Estudo do stress do enfermeiro com dupla jornada de trabalho em um hospital de

oncologia pediátrica de Campinas. Revista da Escola Enfermagem USP 2004; 38 (2): 152-60

Santos AFO, Cardoso CL. Profissionais de saúde mental: estresse e estressores ocupacionais stress e estressores

ocupacionais em saúde mental. Psicol. estud., Maringá 2010; v. 15, n. 2, p. 245-253.

Mascarenhas CHM, Prado FO. Fernandes MH. Dor musculoesquelética e qualidade de vida em agentes comunitários

de saúde. Rev salud pública. 2012;14 (4): 668-80.

Vogt MS, Beck CLC, Prestes FC, Diaz PS, Tavares JP, Silva GM. Cargas físicas e psíquicas no trabalho de agentes

comunitários de saúde. Cogitare Enferm. 2012;17(2):297-303.

Braunwald E. et al. – Tratado de Doenças Cardiovasculares. 7ª ed. RJ: Ed. Elsevier, 2006.

Loures DL et al. Estresse Mental e Sistema Cardiovascular. Arquivo Brasileiro de Cardiologia 2002; vol.78, nº5, p.525-

Nascimento MC et al. Estresse laboral e gênero enquanto fatores associados ao risco de doenças cardiovasculares.

Revista Salusvita, Bauru 2008; vol 27, nº3, p. 383-397.

Athaide FTS. Qualidade de vida no trabalho dos fisioterapeutas de um hospital filantrópico. Revista Eletrônica Estácio

Saúde. 2013;2(1):36-42.Disponível em: http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/ saudesantacatarina/article/view/603

Nunomoura M, Teixeira LAC, CARUSO MRF. Nível de estresse em adultos após 12 meses de prática regular de

atividade física. Revista Mackenzie de 40 Educação Física e Esporte – Ano 3, Número 3, 2004

Aparício E.; Pérez JO Autêntico Método Pilates: A Arte do Controle. Tradução de: Magda Lopes. São Paulo: Editora

Planeta do Brasil, 2005. Original espanhol.

Andrade RM. Caracterização das pessoas que procuram academia de natação e hidroginástica na cidade de BauruSP. Universidade Estadual Paulista. Bauru, 2007.

Lima GS. Abordagem fisioterapêutica através do Método Pilates® na reabilitação da lombalgia; 2002. (Monografia)

trabalho de conclusão de curso, Universidade Católica do Salvador, Faculdade de Fisioterapia (Salvador-BA) maio, 2002.

Schick FKP. Percepção da qualidade de vida em mulheres na fase do climatério praticantes de mat pilates. Universidade

Feevale. 2011. Disponível em: http://ged.feevale.br/bibvirtual/Monografia/MonografiaFernandaSchick.pdf.

Casalini EDB. Perfil dos idosos praticantes de pilates. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande

do Sul – UNIJUÍ, 2011. Disponível em: http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/487/

P%C3%93S%20ELENISE.pdf?sequence=1. Acesso em: 15 out. 2016

Abrami MCR, Santos FG. TOLEDO, R. Condicionamento Físico e Mental. Disponível em:< www.xenicare.com.br

>acesso em: 15 out. 2016

Cellarius PF et. al. O nível de estresse das praticantes do método pilates. Revista CPAQV - Centro de Pesquisas

Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 – v.1, n. 1, 2009

Pereira EC, Liberali L, Lopes CR, da Cruz TMF, Neto MIA, Viana HB, et al. Aderência de pessoas no Pilates solo.

Fisioter Brasil. 2013;14(1): 49-55.

Jesus RE de, Cruz TMF da, Liberali R, Netto MIA, Viana H B, Lopes CR. Perfil de qualidade de vida em praticantes

de Pilates. Fisioter. Brasil 2013;14(5):370-375.

Evangelista RAG de T, Evangelista AL, Lopes CR, Cruz TMF, Dutra MC. A influência do método Pilates nos estados

de humor em indivíduos fisicamente ativos. Fisioter Brasil. 2014;15(3): 184-88.

Lagranha DM, Vieira A, Macedo CG. Modos somáticos de atenção de praticantes do Método Pilates. Fisioter Brasil.

;16(2): 131-136.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583426672

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.