Autogestão curricular: uma experiência libertária em Artes Visuais

Juliano Reis Siqueira

Resumo


O texto discute a reconfiguração do currículo de Artes Visuais da Universidade Federal de Santa Maria/RS, protagonizada pelo ‘artista-educador’ Silvestre Peciar. Pensa-se a função do artista e do arte/educador na sociedade e o papel do currículo na legitimação de poderes e saberes. Através da substituição do modelo tradicional de controle, arbítrio e transmissão num currículo pronto propõem-se a ajudamútua, diálogo, problematização e protagonismo curricular pelo educando. A cada estudante um currículo próprio, autogestionado e individualizado. Com a livreescolha do educando que desenha seu currículo, abala-se o antigo poder do professor transmissor. Levantam-se questões referentes às relações de poder e controle envolvidas no currículo para se pensar a aprendizagem da arte na contemporaneidade.


Palavras-chave


Autogestão curricular; Poder; Formação em Artes Visuais

Texto completo:

PDF

Referências


PECIAR, Silvestre. Una aproximación a la pedagogia libertaria en la

enseñanza universitaria. Santa Maria (s/editora), 2001 (s/ p.).

________________. A Reforma da Escola Nacional de Belas Artes de

Montevidéu. In: Revista Libertárias, Nº5, Dezembro de 1999, São Paulo: Imaginário, p. 60-66.

SILVA, Tomaz Tadeu. A filosofia de Deleuze e o currículo. Goiânia: Faculdade de Artes Visuais, 2004.

___________________. Documentos de identidade: uma introdução às teorias

do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5902/198373482152

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio