(Escre)ver-me numa viagem: Apontamentos sobre a metodologia que presidiu à construção de uma tese em educação artística

Joaquim Jesus

Resumo


Este texto procura apresentar, sob a forma de artigo, algumas das inquietações metodológicas que orientaram a produção da minha tese de doutoramento em educação artística. Através da sua escrita, apoiada numa prática de deriva, ela assumiu uma dimensão performativa na organização das ideias e conceitos apresentados, revelando-se uma estratégia inerente ao pulsar da própria investigação, facto que me permitiu desenhar uma metodologia de trabalho que ao mapear o objeto de estudo nas contingências, expansibilidades e limites da sua própria escrita, se foi revelando como uma possibilidade de fazer investigação no campo da educação artística.


Palavras-chave


Educação artística; Práticas de investigação; Rizoma; Deriva

Texto completo:

PDF

Referências


BANKS, M. Visual research methods. Social Research Update, nº11, 1995. Disponível em: http://www.soc.surrey.ac.uk/sru/SRU11/SRU11.html. Acedido em outubro de 2011.

BANKS, M. Visual anthropology: image, object and interpretation. In: Image-based Research, a Sourcebook for Qualitative Researchers. J. Prosser (eds.). London: Routledge/Falmer, 2000, p.9-23.

BANKS, M. Visual Methods in Social Research. London: Sage Publications, 2001.

BARTHES, R. O rumor da língua. Lisboa: Edições 70, 1987.

BARTHES, R. A preparação do romance, II – a obra como vontade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BARTHES, R. Lição. Lisboa: Edições 70, 2007.

BARTHES, R. O prazer do texto precedido de Variações sobre a escrita. Lisboa: Edições 70, 2009a.

BARTHES, R. O óbvio e o obtuso. Lisboa: Edições 70, 2009b.

BOURDIEU, P. et al. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes Editora, 2007.

CAMPOS, R. Uma aproximação ao uso do hipermedia na construção de representações antropológicas. In: Antropologia Visual e Hipermedia. J. Ribeiro e S. Bairon (org.). Porto: Afrontamento, 2007a, p. 139-157.

CAMPOS, R. Um exemplo de aplicação do hipermedia em antropologia. In: Imágenes de la Cultura/Cultura de las Imágenes. S. Bairon et al. (org.). Murcia: Editum.es., 2007b, p. 243-253.

CORREIA, J. Para uma teoria crítica em educação: contributos para uma recientificação do campo educativo. Porto: Porto Editora, 1998.

CRISTÓVÃO, F. (coord) et al. O olhar do viajante dos navegadores aos exploradores. Coimbra: Livraria Almedina, 2003.

DELEUZE, G. Crítica e Clínica. Lisboa: Edições Século XXI, 2000.

DELEUZE, G. Foucault. Lisboa: Edições 70, 2012.

DELEUZE, G & GUATTARI, F. Kafka, Para uma Literatura Menor. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

DELEUZE, G & GUATTARI, F. Mil Planaltos. Capitalismo e esquizofrenia 2. Lisboa: Assírio & Alvim, 2007.

FADIGAS, N. Inverter a educação. Porto: Porto Editora, Coleção Mundo de Saberes, 2003.

FERNANDES, L. O sítio das drogas. Lisboa: Editorial Notícias, 2002.

FERNANDES, D.; FERREIRA, M. & Ó, Jorge. Estudo de avaliação do ensino artístico – Relatório Final. 2007. Disponível em: http://www.min-edu.pt/np3/524.html. Acedido em março de 2007.

FERRÃO, H. Investigação em Arte. Perspectivas para o século XIX. In: INVESTIGAÇÃO EM ARTE - Uma floresta muitos caminhos, VOL I J. Quaresma; R. Dias & J. Guadix (Coord.). Lisboa: Edições CIEBA, 2010, p.133-146.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas – uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes Editora, 1987.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I – A vontade de saber. Lisboa: Relógio d’Água, 1994a.

FOUCAULT, M. História da sexualidade III - O cuidado de si. Lisboa: Relógio d’Água, 1994b.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso – Aula inaugural no Còllege de France. Lisboa: Relógio d’Água, 1997.

FOUCAULT, M. O que é um autor? Lisboa: Vega, 2006.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

HERNÁNDEZ, F. Educación y cultura visual. Barcelona: Octaedro, 2003.

JOLY, M. A Imagem e os Signos. Lisboa: Edições 70, 2005.

JOSSO, M. História de vida e projecto: a história de vida como projecto e as “histórias de vida” a serviço de projectos. In: Educação & Pesquisa, volume 25, nº2, 1999, p.11-23.

KAUFMANN, J.C. L’entretien compréhensif. Paris: Nathan, 1996.

LARROSA, J. (1994). Tecnologias do eu e educação. In: O sujeito da educação. Tomaz T. da Silva. Petrópolis: Vozes, 1996, p.35-86.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência (Conferência proferida no I Seminário Internacional de Educação de Campinas, traduzida e publicada, em julho de 2001, por Leituras SME; Textos-subsídios ao trabalho pedagógico das unidades da Rede Municipal de Educação de Campinas/FUMEC, com publicação autorizada em 2002 na Revista Brasileira de Educação). Revista Brasileira de Educação, nº19, 2002 p.20-28. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/68918965/Jorge-Larrosa-Notas-sobre-aexperiencia. Acedido em outubro de 2013.

LATOUR. B. Why is critique run out of steam? From matters of fact to matters of concern. Critical Inquiry, nº30, 2004, p.225-248.

MACDOUGALL, D. The visual in anthropology. In: Rethinking Visual Anthropology.M. Banks e H. Morphy (eds.). New Haven e London: Yale University Press, 1997, p. 276-295.

MARTINS, C. As narrativas do génio e da salvação: a invenção do olhar e a fabricação da mão na Educação e no Ensino das Artes Visuais em Portugal (de finais de XVIII até à primeira metade do século XX). Tese de Doutoramento em Educação. Lisboa: Instituto da Educação da Universidade de Lisboa, 2011.

MORAZA, J. A+S, arte y saber. San Sebastián: Arteleku, 2005. Disponível em: http://www.arteleku.net/programa-es/archivo/arte-y-saber/arte-y-saber. Acedido em setembro de 2012.

NEWBURY, D. Making arguments with images: Visual Scholarship and academic publishing. In: The Sage handbook of visual research methods. E. Margolis & L. Pauwels (eds.). Los Angeles: SAGE Publications, 2011, p.651-661.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia ou mundo grego e pessimismo. Lisboa: Relógio d'Água, 1997.

NIZA, S. Formação cooperada. Lisboa: Educa, Movimento da Escola Moderna Portuguesa e Autor, 1997.

O’DONOGHUE, D. Doing and disseminating visual arts-based approaches. In: The Sage handbook of visual research methods. E. Margolis & L. Pauwels (eds.). Los Angeles: SAGE Publications, 2011, p.639-650.

PAIVA, J. Acção/Investigação em Educação Artística - em busca de uma narrativa renovada, implicada na construção pertinaz de uma democracia agonística. In: inVisibilidades. Revista Ibero-Americana de Pesquisa em Educação, Cultura e Artes, nº3, 2012, p.162-171.

PINK, S. Doing Visual Ethnography — Images, Media and Representation in Research. London: Thousand Oaks, New Delhi, Sage Publications, 2001.

PINK, S. The Future of Visual Anthropology — Engaging the Senses. London & Nova Iorque: Routledge, 2006.

PINTO, F.M. Peregrinação. Lisboa: QuidNovi,2008.

POPKEWITZ, T. How the alchemy makes inquiry, evidence and exclusion. In: Journal of TeacherEducation, volume 53, nº3, 2002, p.262.

QUARESMA, J. Da investigação e da ambivalência metodológica no munda da arte. In: INVESTIGAÇÃO EM ARTE - Uma floresta muitos caminhos, VOL I. J. Quaresma; R. Dias & J. Guadix (Coord.). Lisboa: Edições CIEBA, 2010, p.281-307.

QUEIROZ, G. Processos de formação de professores artistas-reflexivos de física. In: Educação & Sociedade, XXII, nº74, 2001, p.97-119. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v22n74/a07v2274.pdf. Acedido em outubro de 2012.

RIBEIRO, J. Antropologia visual, práticas antigas e novas perspectivas de investigação. In:Revista de Antropologia, 2005, volume 48, nº2, p. 613-647.

SICARD, M. A fábrica do olhar. Lisboa: Edições 70,2006.

SONTAG, S. On photography. London: Penguin Books, 1977.

TAGG, J. The Burden of Representation. Essays on photographies and Histories. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2005.

VANCRAYENEST, A. A escrita descritiva das práticas educativas como instrumento de mudança. In: Pratiques de formation, nº20, 1990, p.45-56.

VERMERSCH, P. L'entretien d'explicitation. Paris: ESF, 1994.

VIADEL, R. Las investigaciones en educación artística y las metodologías artísticas de investigación en educación: temas, tendencias y miradas. Educação, volume 34, nº3, 2011, p. 271-285.

ZABALZA, M. Diários de aula: contributo para o estudo dos dilemas práticos dos professores. Porto: Porto Editora, 1994.

ZABALZA, M. Diários de aula, um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734815110

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio