A narrativa visual e a representação interpretativa: o contributo das novas tendências da ilustração para o pensamento crítico nos adolescentes

Célia Mestre

Resumo


O facto do ilustrador se sentir, hoje, parte de um mundo globalizado, de se sentir cidadão de um mundo todos os dias mais pequeno, oferece-lhe novas matérias, novas narrativas e novas formas de ver e de interpretar o que o rodeia.

Ao longo das páginas seguintes, propomos novas formas de reflexão sobre o pensamento crítico dos adolescentes, no contexto da educação artística, em particular na exploração das novas tendências da ilustração.

Enquanto educadores, devemos relembrar-nos da responsabilidade de acompanhar o adolescente na sua transição para a idade adulta. Procuremos fornecer alternativas, permitir que o jovem construa leituras da realidade, numa lógica de crescimento e de maturidade.


Palavras-chave


Ilustração; Educação Artística; Comunicação Visual; Pensamento Crítico

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. A educação estético-visual no ensino escolar (2.ª ed). Lisboa: Livros Horizonte, 1980.

ÁNGELES, J. Creatividad Publicitaria Concepto, Estrategias y Valoracion. Navarra: Eunsa, 1996.

BARBOSA, M. A128: A documentary about illustration. Toronto, 2011. (Consultado em 17/01/2012 [http://www.appliedartsmag.com/blog/?p=5810])

BAHIA, S. & GOMES, N. A criatividade como ferramenta de flexibilização de limites. Revista Imaginar, n.º 52, 2010, p. 59-64. (Consultado em 20/12/2011 [http://www.apecv.pt/anexos/imaginar/nr52.pdf])

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa (37.ª ed. revista e ampliada). Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

BRONOWSKI, J. Arte e conhecimento : ver, imaginar, criar. Lisboa: Edições 70, 1983.

CAVALCANTI, J. A criatividade no processo de humanização. Saber (e) Educar, n.º 11, 2006, p. 89-98.

CHARRÉU, L. Imagem global e cultura visual: sobre o que se pode aprender no espaço mediático. In: V. Trindade, N. Trindade & A.A. Candeias (Orgs.). A Unicidade do Conhecimento. Évora: Universidade de Évora, 2007, p. 1-12. (Consultado em: 17/01/2012 [http://pt.scribd.com/leonardo_charr%C3%A9u/d/53296321-CHARREU-L2007-Imagem-Global-e-Cultura-Visual])

COELHO, C. Artistas de palmo e meio. Revista Imaginar, n.º 51, 2008. (Consultado em 11/01/2012 [http://www.apecv.pt/anexos/imaginar/nr51.pdf])

COELHO, S. As imagens invisíveis. In: Fernandes, M., Gonçalves, J.A., Bolina, M., Salvado, T. & Vitorino, T. (orgs.) Actas do 5º CONGRESSO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. O Particular e o global no virar do Milénio: Cruzar Saberes em Educação. Lisboa: Ed. Colibri, 2002, p.825-833.

COSTA, J. & MELO, A. Dicionário da língua portuguesa (8ª ed. revista e actualizada). Porto: Porto Editora, 2001.

DUNCUN, P. Conceitos Chave da Educação para a Cultura Visual. Revista Imaginar, n.º 52, 2010, p 4-13. (Consultado em 18/12/2011 [http://www.apecv.pt/anexos/imaginar/nr52.pdf])

DURAN, T. Leer antes de leer. Salamanca: Anaya, 2002.

FLEMING, M. Entre o medo e o desejo de crescer: psicologia da adolescência. Lisboa: Afrontamento, 2005.

FONTAO, M. La imagen como mediadora en el aprendizaje escolar. CONGRESSO GALAICO-PORTUGUÊS DE PSICOPEDAGOGIA. Congresso Galaico-Português de psicopedagogia : actas (1.ª ed.). Braga: Universidade do Minho, 1 vol, 2001, p. 469-475.

GOLSE, B. O desenvolvimento afectivo e intelectual da criança (1.ª ed). Lisboa: Climepsi, 2005.

GRÖLLER, M. & VIOLA, I. Smart Visibility in Visualization. In: Proceedings of EG Workshop on Computational Aesthetics Computational Aesthetics in Graphics, Visualization and Imaging. Viena: Institute of Computer Graphics and Algorithms,

Vienna University of Technology, 2005, p. 209-216 (Consultado em 20/01/2012 [http://www.cg.tuwien.ac.at/courses/CG2/SS2002/IllustrativeVisualization.pdf)

MANO, V. & ZAGALO, N. Criatividade: sujeito, processo e produto. 8.º Congresso Lusocom. 2009, p. 1213-1229. (Consultado em 10/01/2012 [http://conferencias.ulusofona.pt/index.php/lusocom/8lusocom09/paper/viewFile/205/18

).

MALE, A. Illustration: a theoretical and contextual perspective. Londres: AVA Publishing, 2007.

MENÉRES, M. Imaginação. Lisboa: Difusão Cultural, 1993.

MESTRE, M. A ilustração inventa e a imaginação vê. Revista Pé de Página, (1). Beja: Biblioteca Municipal de Beja, 2003, p. 36-37.

MUNARI, B. Fantasia. Lisboa: Edições 70, 2007.

PAPALIA, D. & OLDS, S. Desenvolvimento humano (7.ª ed). Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

PIAGET, J. The Psychology of Intelligence (reimpressão). Londres: Routledge, 2004.

PIAGET, J. The Origin of Intelligence in the Child: Jean Piaget: Selected Works (reimpressão). Londres: Routledge, 1998.

PIAGET, J. The principles of genetic epistemology (reimpressão). Londres: Routledge, 1998.

PERKINS, D. The intelligent eye: learning to think by looking at art (3.ª ed). Los Angeles: The Getty Education Institute for the Arts, 1994.

RIBEIRO, C. Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica 16 (1)., 2003, p. 109-116. (Consultado em 10/01/2012 [http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n1/16802.pdf]).

SÊCO, J. Chamados pelo nome: da importância da afectividade na educação da adolescência. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1997.

SOUSA, A. Educação pela arte e artes na educação, 3.º vol: música e artes plásticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

STRECHT, P. Interiores: uma ajuda aos pais sobre a vida emocional dos filhos. Lisboa: Assírio & Alvim, 2001. (Consultado em 07/01/2012 [http://www.scielo.br/pdf/%0D/prc/v16n1/16802.pdf]).




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734810655

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio