O caráter performativo das ocupações estudantis

Ana Paula Corti, Leonardo Crochik

Resumo


O artigo analisa as ocupações secundaristas que ocorreram no ano de 2015 no estado de São Paulo, como reação à proposta de reorganização escolar que previa o fechamento de 94 escolas e a transferência compulsória de 311 mil alunos e 74 mil professores. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica e uma análise teórica das ocupações destacando sua dimensão performativa. Esta chave de análise é sustentada a partir de autores como Ernesto Laclau, Chantal Mouffe e Judith Butler, que enfatizam o caráter relacional e contingente das identidades, e a importância do corpo na gramática atual dos conflitos sociais. As conclusões indicam que as ocupações dos secundaristas foram atos performativos em três dimensões: na emergência dos sujeitos (a identidade secundarista que emergiu com a ocupação); no modo de apresentar algumas demandas educacionais (a produção de novas práticas escolares que materializavam as mudanças desejadas); na inversão do assujeitamento administrativo pela criação de  outro “corpo estudantil” visível, vibrante e atuante. As ocupações extravasaram os canais tradicionais e consagrados de reivindicação previstos pela democracia representativa, tornando-se um movimento disruptivo, com forte teor transgressivo dos poderes instituídos e que, por isso, desencadearam forte repressão por parte do Estado. Ao mesmo tempo, foram espaços de produção de novas formas de educação e de uma vida escolar com mais liberdade, autonomia e sentido, corporificando críticas que os jovens vêm fazendo há muitos anos a respeito das políticas públicas e dos modelos de escolarização que lhes são oferecidos.


Palavras-chave


Ocupações; Movimento Estudantil; Performance

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALEGRIA, Paula. "Lute como uma mina!": gênero, sexualidade e práticas políticas em ocupações de escolas públicas. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11, Florianópolis, 2017.

ALVIM, Davis Moreira; RODRIGUES, Alexsandro. Coletivos, ocupações e protestos secundaristas: a Fênix, o Leão e a Criança. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 75-95, jan.-mar. 2017.

ASPIS, Renata Lima. Minorias e territórios: ocupações. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 63-74, jan.-mar. 2017.

AUSTIN, John Langshaw. How to do things with words. Oxford University Press, 1962.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017a.

BUTLER, Judith. Cuerpos aliados y lucha política. Hacia uma teoría performativa de la asamblea. Espãna: Paidós, 2017b.

BUTLER, Judith. Bodies that matter. New York: Routledge, 1993.

CAMPOS. Antonia M.; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Márcio M. Escolas de luta. São Paulo: Ed. Baderna, 2016.

CATINI, Carolina de Roig; MELO, Gustavo Moura de Cavalcanti. Escolas de luta, educação política. In: Educação & Sociedade. Campinas, v. 37, n. 137, out.-dez. 2016.

CORROCHANO, Maria Carla; DOWBOR, Monika; JARDIM, Fabiana A. A. Juventude e participação política no Brasil do século XXI: quais horizontes? Laplage em Revista. São Carlos, v. 4, n. 1, 2018.

CORSINO, Luciano Nascimento; ZAN, Dirce Djanira Pacheco. A ocupação como processo de descolonização da escola: notas sobre uma pesquisa etnográfica. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 75-95, jan.-mar. 2017.

CORTI, Ana Paula; CORROCHANO, Maria Carla; ALVES, José. Ocupar e resistir: a insurreição dos estudantes paulistas. In: Educação & Sociedade. Campinas, v. 37, n. 137, out.-dez. 2016.

CORTI, Ana Paula; SOUZA, Raquel. Diálogos com o mundo juvenil: subsídios para educadores. São Paulo: Ação Educativa, 2004.

COSTA, Luciano Bedin da; SANTOS, Manuella Mattos dos. Espaços virtuais moventes das escolas ocupadas de Porto Alegre: o apoio mútuo como base da inteligência coletiva. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 49-72, jan.-mar. 2017.

CROCHIK, Leonardo. Performance, Educação e Ensino de Física: aproximações imprevistas. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 35, e185187, 2019. Disponível em .

DAYRELL, Juarez et al. Juventude e Escola. In: SPOSITO, Marilia Pontes (Coord.). O estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: educação, ciências sociais e serviço social (19992006). Belo Horizonte: Argumentum, 2009

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Ed. Loyola, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. História da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: n. 1 Edições, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GIROTTO, Eduardo Donizeti. A dimensão espacial da escola pública: leituras sobre a reorganização da rede estadual de São Paulo. Educação e Sociedade, v. 37, n° 137, p. 1121-1141, out.-dez., 2016;

GRAGNANI, Juliana; MACHADO, Leandro. Pais se revezam em vigília diante de escola. Folha de S. Paulo, B7. São Paulo, 15 de novembro de 2015.

GROPPO, Luís Antonio et. al.. Ocupações no Sul de Minas: autogestão, formação política e diálogo intergeracional. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 141-164, jan.-mar. 2017a.

GROPPO. Luís Antonio. Ação coletiva e formação política: os coletivos juvenis e a ocupação de uma universidade no sul de Minas Gerais. In: 38º Reunião Anual da Anped, São Luís-MA, 01 a 05 de outubro de 2017b.

ICLE, Gilberto; PEREIRA, Marcelo de Andrade; BONATTO, Mônica Torres (ed). Dossiê Performance e Escola. Cadernos CEDES, 37, 101, 2017.

ICLE, Gilberto (ed.). Performance, performatividade e Educação. Educação & Realidade, 35, 2, 2010.

LACLAU, E. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: Editora da Uerj, 2011.

LACLAU, E.; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista. Por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015.

LAGO, Natalia Bouças do; SOUZA, Raquel; SANTOS, Thaís Silva dos. Escola de nível médio: um olhar sobre a produção discente nos Programas de Pós-Graduação em Educação e Ciências Sociais (2007-2013). São Paulo: Ação Educativa, 2016.

LARCHERT, Jeanes Martins. Cala a boca menino! O menino não cala, resiste. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 1-22, jan.-mar. 2017.

LEITE, Miriam Soares. No “colégio dos alunos, por alunos, para alunos”: feminismo e desconstrução em narrativas das ocupações. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 23-47, jan.-mar. 2017.

MOUFFE, Chantal. Lo retorno de lo político. Comunidad, ciudadanía, pluralismo, democracia radical. Barcelona: Paidós, 1999.

PATTA, Caetano. Contestando a ordem: um estudo de caso com secundaristas da Zona Leste paulistana. Orient. André Singer. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - FFLCH/USP, São Paulo, 2017.

PINEAU, Elyse Lamm. Critical Performative Pedagogy: Fleshing Out the Politics of Liberatory Education. In: Stucky, N.; Wimmer, C. Teaching Performance Studies. Southern Illinois University, 2002.

PINEAU, Elyse Lamm. Nos cruzamentos entre a performance e a pedagogia: uma revisão prospectiva. Educação & Realidade, 35, 2, p. 89-113, 2010.

PRATA, Antonio. Numa escola ocupada. Folha de S. Paulo, B6. São Paulo, 13 de dezembro de 2015.

RODRIGUES, Juliana Pedreschi; RIBEIRO, Tatiani. Sobre educação formal, não formal e a participação da comunidade escolar durante o período de ocupação das escolas estaduais paulistas em 2015. Revista de Ciências da Educação, Americana-SP, v. XIX, n. 38, p. 133-153, out. 2017.

SALVADORI, Fausto. Guerra à Primavera. Em São Paulo, berço das ocupações de escolas que se espalharam pelo país no final de 2015, governo adotou táticas de vigilância, ameaças e tortura contra estudantes. A Pública. 31 de janeiro de 2017. Disponível em: https://apublica.org/vigilancia/infiltrados/guerra-a-primavera/. Acesso em 10 de dezembro de 2019.

SANTOS, Marcelo Burgos Pimentel dos; SEGURADO, Rosemary. Ocupação dos espaços públicos e a produção do comum: a ação política dos estudantes secundaristas nas escolas públicas de São Paulo. In: 40º Reunião Anual da Anpocs, Caxambu, 2016.

SCHECHNER, Richard. Performance Studies: An introduction. London: Routledge, 2002.

SEVERO, Ricardo Gonçalves; SEGUNDO, Mario Augusto Correia San. #Ocupatudors – socialização política entre jovens estudantes nas ocupações de escolas no rio grande do sul. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 73-98, jan.-mar. 2017.

SILVA, Andréa Villela Mafra da; MELO, Keite Silva de. #Ocupaiserj1: estratégias comunicacionais do movimento de ocupação do instituto superior de educação do rio de janeiro. In: ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 119-140, jan.-mar. 2017.

SILVA, Bárbara Virgínia Groff da; SILVA, Eduardo Cristiano Hass da. “Uma pá de ocupação”: Ocupações escolares e atuação juvenil no Rio Grande do Sul. In: Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 18, n. 50, p. 228-244, jul.-set. 2017.

SOUZA, Felipe; CARMO, Sidney Gonçalves do. Governo Alckmin infla desocupação de escolas. Folha de S. Paulo, B8. São Paulo, 28 de novembro de 2015.

SOUZA, Felipe; CARMO, Sidney Gonçalves do. Agenda cultural em colégios ocupados inclui circo, show, debate e até cursinho. Folha de S. Paulo, B3. São Paulo, 27 de novembro de 2015.

SPOSITO, Marilia Pontes. Indagações sobre juventude e escola no Brasil. Jovenes Revista de Estudios sobre Juventud, México, v. 22, p. 246-297, 2005.

SPOSITO, Marilia Pontes. Juventude e educação: interações entre educação escolar e a educação não-formal. Educação & Realidade, v. 33, p. 83-97, 2008.

TAKAHASHI, Fábio; GRAGNANI, Juliana. Famílias se articulam para reverter ocupações de escolas. Folha de S. Paulo, B1. São Paulo, 26 de novembro de 2015.

ZACCARELLI, Christina de Toledo. Ocupar, resistir e conquistar!: as ocupações secundaristas de 2015 e possíveis efeitos de sentido. Orient. Eliane Righi de Andrade. Dissertação (Mestrado em Linguagens, Mídia e Arte) - PUC-Camp, Campinas, 2018.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644442474

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

      

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar