Alienação de universitárias vulneráveis: seis casos de emancipação

Ivar César Oliveira de Vasconcelos, Helen Tatiana dos Santos Lima, Ingrid Cristian da Silva Bezerra de Menez

Resumo


Jovens universitárias podem advir de comunidades vulneráveis, lugares onde faltam informações sobre direitos e oportunidades e, por outro lado, sobram informações sem sentido. Parte delas se aliena, pois, prioriza a busca de solução para problemas imediatos. Outra parte, supera o círculo vicioso da violência-exclusão-alienação. Como o conseguem? Como a educação superior contribui para isso? Um estudo de casos múltiplos, envolvendo seis jovens estudantes, revelou experiências sociais emancipadoras dessas mulheres. A autocrítica, em espaços abertos pela educação superior, mostrou-se elemento-chave na virada de rumo de suas vidas. As conclusões podem contribuir com a atuação didático-pedagógica de professores, inclusive para sua formação.

Palavras-chave


Violência-exclusão-alienação; Emancipação; Vulnerabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70, Lda., 2009.

BELL, D. O advento da sociedade pós-industrial. São Paulo: Cultrix, 1974.

BERTAUX, D. Los relatos de vida: perspectiva etnosociológica. Barcelona: Ediciones Bellaterra, 2005.

BLAY, E. A; CONCEIÇÃO, R. A mulher como tema nas disciplinas da USP. Cadernos de Pesquisa, n. 76, p. 50-56, 1991.

BOURDIEU, P.; CHAMPAGNE, P. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, M. A; CATANI, A. (Orgs.). Pierre Bourdieu: escritos de educação. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2015. p. 243-255.

BRASIL. Decreto 8.136/2013, de 5 de novembro de 2013. Aprova o regulamento do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial... Brasília: Casa Civil, 2013a. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2017.

BRASIL. Lei nº. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência... Brasília: Casa Civil, 2006. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm>. Acesso em: 5 dez. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial... Brasília: Casa Civil, 2010. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12288.htm>. Acesso em: 5 dez. 2017.

BRASIL. Lei nº. 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Brasília: Casa Civil, 2013b. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2017.

BRESCIANI. M. S. M. O Anjo da Casa. História e Perspectiva, Uberlândia, v. 7, p. 191-223, 1992.

CARDOSO, R. (Org.). A aventura antropológica: teoria e pesquisa. 4. ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2004.

CORALINA, C. Poemas dos becos de Goiás e estórias mais. 23. ed. São Paulo: Global, 2014.

DAMATTA, R. O que é o Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

DE GAULEJAC, V. Les sources de la honte. Paris: Desclée de Brouwer, 2008.

DUBET, F. Sociologia da experiência. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

DUSSEL, E. Filosofia da libertação: crítica à ideologia da exclusão. São Paulo: Paulus, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

FREITAG, B. O indivíduo em formação: diálogos interdisciplinares sobre a educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

HAHNER, J. E. Emancipação do sexo feminino: a luta pelos direitos da mulher no Brasil, 1850-1940. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2003.

HEINE, H.; ALVES, C. Navios negreiros. São Paulo: Comboio de Corda, 2009.

HONORATO, G.; HERINGER, R. (Orgs.) Acesso e sucesso no ensino superior: uma sociologia dos estudantes. Rio de Janeiro: 7Letras: FAPERJ, 2015.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DR GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Perfil das mulheres responsáveis pelo domicílio no Brasil. Disponível em: .

Acesso em: 5 dez. 2017.

JAEGER, W. W. Paideia: a formação do homem grego. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LÉVINAS, E. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2010. MERRIAM, S. B. Qualitative research and case study applications in education. São Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1998.

MORAIS, R. Um abominável mundo novo?: o ensino superior atual. São Paulo: Paulus, 2011.

OLIVEIRA, A. R.; OLIVEIRA, N. (Orgs.). Exclusão: um olhar para além da aparência. Chapecó: Argos, 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Word population prospects: the 2017 revision: key findings and advance tables. New York: United Nations, 2017.

PINTO, E. J. S.; CARVALHO, M. E. P.; RABAY, G. Gênero: um fator condicionante nas escolhas de cursos superiores. In: REDOR, 18, 2014, Recife. Anais... Recife: UFRP, 2014. p. 233-249.

QUEIROZ, D. M. Mulheres no ensino superior no Brasil. In: 23ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação. Rio de Janeiro: ANPED; Caxambu: Caderno de resumos, 2000.

ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil (1930/1973). Petrópolis: Editora Vozes, 2003.

ROUSSEAU, J-J. Emílio ou da educação. São Paulo: Edipro, [1762], 2017.

STAKE, R. A arte da investigação com estudos de caso. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2016.

STAVRACAS, I.; ESTEBAN ROJO, R. Considerações acerca da emancipação da educação e da música em Theodor W. Adorno. In: Vercelli, Ligia (Org.). Educação não formal: campos de atuação. Jundiaí: Paco Editorial, 2013. p. 163-176.

TAVARES, J. Uma sociedade que aprende e se desenvolve: relações interpessoais. Porto: Ed. Porto, 1996.

TEIXEIRA, A. S. Educação no Brasil. 2. ed. São Paulo: Ed. Nacional; Brasília: INL, 1976.

UNIÃO INTERNACIONAL DAS TELECOMUNICAÇÕES (UIT). ICT facts and figures 2017. Genebra: ONU, 2017. Disponível em:

. Acesso em: 5 dez. 2017.

UNITED NATIONS POPULATION FUND (UNFPA). Motherhood in Childhood: facing the challenge of adolescent pregnancy. New York: UNFPA, 2013.

UNITED NATIONS POPULATION FUND (UNFPA). Millions of lives transformed. New York: UNFPA, 2016. Disponível em: < http://www.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/Annual-Report-2016.pdf>. Acesso em: 5 dez. 2017.

XIBERRAS, M. As teorias da exclusão: para uma construção do imaginário do desvio. Lisboa: Instituto Piaget, s/d.

VASCONCELOS, I. C. O. In: A participação dos jovens em redes sociais virtuais: aspectos de uma experiência social. SOUSA: Juventudes e tecnologias: sociabilidades e aprendizagens. Brasília: Liber Livro, 2015. p. 81-100.

VASCONCELOS, I. C. O. Estudo de caso interativo: fácil entender, decidir e executar. Curitiba: CRV, 2017.

VASCONCELOS, I. C. O.; GOMES, C. A. C. Jovens estudantes universitários e seus professores em interação social. Atos de pesquisa em educação, Blumenau, v. 10, n. 2, p. 605-629, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2017.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984644430315

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar