Formação de professores em comunidades colaborativas no interior da Amazônia

Solange Helena Ximenes-Rocha, Dario Fiorentini

Resumo


Este artigo relata um estudo que objetivou descrever e compreender o processo de transformação de uma comunidade acadêmica endógena do interior da Amazônia – o Formazon – em uma comunidade acadêmica colaborativa que integra professores escolares, professores acadêmicos e futuros professores de diferentes áreas do conhecimento. Os dados foram coletados a partir de registros de reuniões, entrevistas e transcrições de áudios dos encontros durante 18 meses, e sua análise buscou responder às seguintes indagações: Como a comunidade Formazon vem aprendendo e se transformando? Como vem se constituindo em uma comunidade colaborativa? Quais os indícios dessa transformação? Os resultados indicam que a interlocução colaborativa que, no âmbito do Formazon, se estabeleceu acerca das práticas de ensino dos participantes, de pesquisas dessas práticas e das políticas que as permeiam delineou um novo tipo de formação contínua no grupo, baseado na reflexão e na investigação sobre as práticas educativas. Ao constituir-se em uma comunidade de estudo, problematização e pesquisa das práticas docentes, o Formazon empoderou o processo de desenvolvimento profissional dos participantes, pois incrementou a emancipação e a autonomia profissional.


Palavras-chave


Formação de professores em comunidades. Comunidades colaborativas. Formação contínua

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Narrative inquiry experience and story in qualitative research. San Francisco: Jossey-Bass, 2000.

COCHRAN-SMITH, M.; LYTLE, S. L. Relationships of knowledge and practice: Teacher learning in communities. Review of Research in Education, Washington, v. 24, p. 249-305, 1999.

COCHRAN-SMITH, M.; LYTLE, S. L. Inquiry as stance: Practitioner research in the next generation. New York: Teachers College Press, 2009.

ESTEVE, J. M. Mudanças sociais e função docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1999.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p.47-76.

FIORENTINI, D. Learning and professional development of the mathematics teacher in research communities. SISYPHUS Journal of Education, v. 1, n. 3, p. 152-181, 2013.

FIORENTINI, D. Cartografias do trabalho docente: um balanço 16 anos depois. Universidade Estadual de Santa Cruz na Bahia, 2014. Videoconferência com docentes e pós-graduandos.

FIORENTINI, D.; CRECCI, V. Interlocuções com Marilyn Cochran-Smith sobre aprendizagem e pesquisa do professor em comunidades investigativas. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 65, p. 505-524, abr.-jun. 2016.

FIORENTINI, D.; PASSOS, C. L. B.; LIMA, R. C. R. de (Org.). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina matemática: período 2001 – 2012. Campinas, SP: FE/UNICAMP, 2016.

FIORENTINI, D. et al. Formação de professores que ensinam Matemática: um balanço de 25 anos da pesquisa brasileira. In: Educação em Revista – Dossiê: Educação Matemática. Belo Horizonte, UFMG, n.36, p.137-160, 2002.

GARCIA, C. M. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto Editora: Portugal, 1999.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília. UNESCO, 2009.

GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. A. (Org.) Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado de Letras, Associação de Leitura do Brasil, 1998.

GOERGEN, P.; SAVIANI, D. (Org.). Formação de professores: a experiência internacional sob o olhar brasileiro. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo: NUPES, 1998.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: Legitimate peripheral participation. Cambridge: University Press, 1991.

MELLO, D. M. Histórias de subversão do currículo, conflitos e resistências: buscando espaço para a formação do professor na aula de língua inglesa do curso de letras. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – LAEL, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

TOMMASI, L. de; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2003.

WENGER, E. Uma teoria social da aprendizagem in: ILLERIS, K. Teorias Contemporâneas da Aprendizagem. Porto Alegre: Penso, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644428842

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar