Autoeficácia em amamentar de mulheres no pré-natal e no pós-parto: estudo longitudinal

Janaiana Lemos Uchoa, Andressa Peripolli Rodrigues, Emanuella Silva Joventino, Paulo César de Almeida, Mônica Oliveira Batista Oriá, Lorena Barbosa Ximenes

Resumo


Objetivo: comparar as médias dos escores de autoeficácia em amamentar das mulheres no pré-natal e no pós-parto com as variáveis da gravidez, do parto, do puerpério e relacionadas ao aleitamento materno. Método: estudo longitudinal do tipo painel, que avaliou 50 mulheres no pré-natal e puerpério em 2011, utilizando a Breastfeeding Self-Efficacy Scale – Short-Form e um formulário com dados da gravidez, parto e puerpério. Resultados: apresentaram relação com autoeficácia em amamentar: gravidez planejada; realizar seis ou mais consultas pré-natais; realizar a preparação das mamas para amamentar; pretender amamentar o filho; participar de grupo de gestantes; parto vaginal em hospital público; amamentar na primeira hora de vida e de forma exclusiva na maternidade e na alta hospitalar; não ter dificuldades para amamentar. Conclusão: diversos fatores podem influenciar a autoeficácia, sendo relevante promover o aleitamento materno no pré-natal, estimular esta prática e prestar às mães esclarecimentos a respeito da alimentação do filho.


Palavras-chave


Aleitamento materno; Autoeficácia; Gravidez; Período pós-parto; Enfermagem

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/2179769217687



Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.