GESTÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA: A REALIDADE DE ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM IGUATU, CEARÁ, BRASIL

Alzeir Machado Rodrigues, Jones Baroni Ferreira de Menezes, Maria Virlene de Araujo Rodrigues, Môngolla Keyla Freitas de Abreu

Abstract


A gestão ambiental vem sendo uma temática bastante discutida no mundo, frente às ações antrópicas, consistindo numa forma de administração que busca minimizar os efeitos causados ao meio ambiente. Diante disso, observa-se a necessidade de desenvolvimento de uma gestão ambiental no espaço escolar, o que torna-se necessário uma investigação para esclarecer a realização de tal prática. Esse estudo trata de uma pesquisa descritiva, de abordagem quantitativa e qualitativa. A população e amostra escolhidas foram os professores, coordenadores e gestores de duas escolas de Ensino Médio do município de Iguatu-Ceará, perfazendo um total de 45 participantes. A coleta de dados foi realizada a partir da aplicação de um questionário contendo 15 questões objetivas e subjetivas, aplicado durante o mês de maio 2015. Os dados foram analisados descritivamente. Diante do observado, os professores conhecem o termo gestão ambiental (62%), sendo capazes de levantar aspectos relevantes sobre preservação dos recursos naturais. No desenvolvimento das temáticas ambientais, os alunos participam de projetos ligados ao tema (84%) e as escolas quase sempre (58%) promovem eventos sobre o desenvolvimento sustentável e questões pertinentes. Em meio aos resultados obtidos, observa-se que os professores apresentam uma concepção preliminar sobre a gestão ambiental, embora alguns desconheçam este conceito, e que as escolas promovem, mesmo que parcialmente, atividades que são promotoras do desenvolvimento sustentável. 

Keywords


Sustentabilidade; Meio ambiente; Educação.

References


ALCÓCER JC A, RODRIGUES AM, PINTO ALA, SILVA CHF, BARROSO HO, OLIVEIRA MM, MARTINS VEP, FONSECA AM, SOUZA DF. Tecnologias Sustentáveis, Sustentabilidade e Práticas Pedagógicas nas Escolas de Ensino Médio. Revista Científica Linkania Master. 2015; v. 5, n. 1: p. 149-169.

COUTO S. Gestão ambiental: o caminho da sustentabilidade. Acesso em: jul. de 2015. Disponível em: http://www.academiadetalentos.com.br/05.pdf.

CUPERSCHMID NRM, TAVARES MC. Atitudes em relação ao meio ambiente e sua influência no processo de compra de alimentos. RIMAR. 2015; v. 1, n. 3: p. 5-14.

DEMAJOROVIC J, SILVA HCO. Formação interdisciplinar e sustentabilidade em cursos de administração: desafios e perspectivas. RAM. 2012; v. 13, n. 5: p. 39-54.

FERNANDES C. O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo. Colégio Mãe de Deus. 2010; v. 1 n. 1:

FREITAS VP. Direito administrativo e meio ambiente. Revista da Faculdade de Direito UFPR. 2010; v. 27: p. 223-60

GOUVÊA GRR. Rumos da formação de professores para a Educação Ambiental. Educar em revista. 2006; n. 27: p. 163-179.

JACOBI, PR, TRISTÃO M, FRANCO MIGC. A função social da educação ambiental nas práticas colaborativas: participação e engajamento. Cad Cedes. 2009; v. 29, n. 77: p. 63-79.

KRAEMER MEP. Gestão ambiental: um enfoque no desenvolvimento sustentável. Itajaí/SC: Univali, 2004. Acesso em: mai. de 2014. Disponível em: http://www.gestiopolis.com/gestao-ambiental-um-enfoque-no-desenvolvimento-sustentavel/.

LEI nº. 6.938/81, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial da União (Brasília). 1981 Set 02.

MATOS KSL, VIEIRA SL. Pesquisa educacional: o prazer de conhecer. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. 2002.

MENEZES JBF, RODRIGUES AM. Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na Escola Estadual de Educação Profissional Alfredo Nunes de Melo em Acopiara (CE). RevBEA. 2015; v. 10, n. 2: p. 73-84.

PIOVESAN A, TEMPORINI ER. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Rev Saúde Pública. 1995; v. 29, n. 4: p. 318-25.

PRODANOV CC, FREITAS EC. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico-2ª Edição. Editora Feevale. 2013.

RATTNER, H. Sustentabilidade-uma visão humanista. Ambiente & sociedade. 1999; n. 5: p. 233-240.

RODRIGUES LF, CAVINATTO VM. Lixo: de onde vem? Para onde vai? São Paulo: Moderna, 1997.

RODRIGUES, MSB. Crenças e comportamentos de usuários do

restaurante universitário da Universidade de Brasília [disertation]. Mestrado em Educação—Universidade de Brasília, Brasília, 2012: 115 f.

SABBAGH RB. Gestão Ambiental. Cadernos de Educação Ambiental. 2011; Estado de São Paulo – Secretaria do Meio Ambiente.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA, Ministério da Educação. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Brasília (Brasil): Ministério da Educação, 2006. p. 37.

SILVA TBM; TOMÉ CL. O discurso pedagógico e o conceito de sustentabilidade no discurso do professor e do aluno da Educação de Jovens e Adultos. REP’s. 2014; v. 5, n. 2: p. 321-329.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236117019727



This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

 

**************************************************

WE ARE ON FACEBOOK! (You are our guest!)

 

Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/22361170

Contact: reget.ufsm@gmail.com

...................................................................................


Accesses since 19/06/2012

...................................................................................

Sponsors: