Os países centro-asiáticos e as grandes potências mundiais: um estudo das relações exteriores desde as suas independências

Bruno Gomes Guimarães, Bruno Magno, Marcelo Kanter, Raoni Fonseca Duarte, Sílvia Sebben

Resumo


A região da Ásia Central configura-se como sendo de grande importânciaestratégica para as relações internacionais de diversos países. Tendoestado sob a influência russa durante os anos de existência da União Soviética,os países centro-asiáticos passaram por uma série de mudanças desde a quedado regime soviético, sendo influenciado tanto por potências ocidentais, comoos Estados Unidos e a União Europeia, quanto por potências vizinhas, comoa China e a própria Rússia. O objetivo do presente artigo é o de observarcomo a influência de tais potências estrangeiras na Ásia Central mudou desdeo fim da União Soviética em busca de um padrão que ajude a periodizar asrelações exteriores dos países centro-asiáticos com relação a essas potênciasestrangeiras.

Palavras-chave


Ásia Central; China; Rússia; OTAN.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAS, Bülent (1997). “U.S.-Central Asian Relations: a view from Turkey”. In: MERIA Journal. Herzliya:

Global Research in International Affairs Center, vol 1., n. 1.

jv1n1a4.html> (consultado em 1/5/2010).

AZARKAN, Ezeli (2009). “The Relations between Central Asian States and United States, China and Russia

within the Framework of the Shanghai Cooperation Organization”. In: Alternatives: Turkish Journal of

International Relations, vol. 8, n. 3.

BLANK, Stephen (2009). “Germany and Turkey keep Nabucco on the rocks”. In: Central Asia-Caucasus

Analyst. Washington DC: Central Asia-Caucasus Institute, vol. 11, n. 6, 25 de março.

CUTLER, Robert M. (2009). “Recent developments in the structuration of the Central Asian hydrocarbon

energy complex”. In: LEN, Christopher; CHEW, Alvin (eds.). Energy and security cooperation in Asia:

challenges and prospects. Estocolmo: Institute for Security and Development Policy.

FROST, Alexander (2009). “The Collective Security Treaty Organization, the Shanghai Cooperation

Organization, and Russia’s strategic goals in Central Asia”. In: China and Eurasia Forum Quarterly.

Washington DC & Estocolmo: Central Asia-Caucasus Institute & Silk Road Studies Program, vol. 7, n. 2.

FULLER, Graham; STARR, S. Frederick (2003). The Xinjiang problem. Washington DC: Central Asia-

Caucasus Institute.

JANE’S COUNTRY PROFILE. Kazakhstan, 2009.

JORNADA, Helena Lobato da (2008). China e Índia no século XXI: Cooperação, competição e distribuição

de poder no sistema internacional. 2008. Monografia (Bacharelado em Relações Internacionais) –

Graduação em Relações Internacionais, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio

Grande do Sul, Porto Alegre.

MACKINDER, Halford John, Sir (1942). Democratic ideals and reality: a study in the politics of

reconstruction. Londres: Constable Publishers.

MARAT, Erica (2008). “The SCO and Foreign Powers in Central Asia: Sino-Russian Differences”. In: Central-

Asia-Caucasus Analyst. Washington DC: Central Asia-Caucasus Institute.

NORTH ATLANTIC TREATY ORGANISATION (2005). Statement by the North Atlantic Council on

the situation in Uzbekistan, 24 May.

htm?selectedLocale=en> (consultado em 3/5/2010).

OSCE website: http://www.osce.org/ (consultado em 20/05/2010).

PANNIER, Bruce (2009). “Prospect Of Chinese Farmers Brings Controversy To Kazakh Soil”. In: Radio Free

Europe/Radio Liberty, 17 de dezembro.

Brings_Controversy_To_Kazakh_Soil/1906896.html> (consultado em 10/5/2010).

STOBDAN, P. (1998). “China’s Central Asia Dilemma”. In: Strategic Analysis. Londres: Routledge, vol. 22, n. 3.

WEITZ, Richard (2008). Kazakhstan and the New International Politics of Eurasia. Washington DC &

Estocolmo: Central Asia-Caucasus Institute & Silk Road Studies Program.

WILKINSON, Nick (2002). The Modern Great Game. Camberley: Conflict Studies Research Centre.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2357797512701

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais