Rigidez e resistência de vigas estruturais de madeira laminada colada e com perfil I compostas por diferentes adesivos.

Alexsandro Bayestorff da Cunha, Jorge Luis Monteiro de Matos

Resumo


A madeira sempre foi utilizada estruturalmente na construção civil na forma sólida, com baixo grau de processamento e inovação tecnológica e, muitas vezes, em outros componentes como em pisos, paredes e telhados. Entretanto, a mudança nos padrões adotados envolveu o aperfeiçoamento da tecnologia, bem como a mudança do conceito estético e funcional requerido nas construções. Dessa forma, surgiram as vigas estruturais em madeira como a Madeira Laminada Colada (MLC) e com Perfil em I que apresentam uma série de vantagens como à alta resistência em relação ao seu peso. O objetivo geral do presente estudo foi avaliar o efeito do tipo de adesivo sobre a resistência e rigidez de vigas estruturais de Madeira Laminada Colada (MLC) e com perfil em I de Pinus taeda. Os adesivos utilizados no experimento foram a Resorcina Fenol Formaldeído (RFF), a Melamina Uréia Formaldeído (MUF) e o Poliuretano (PUR). O processo de fabricação das vigas envolveu a classificação das peças, fabricação de emendas, junção, montagem e prensagem. Os ensaios envolveram a avaliação das propriedades estruturais sob flexão como Módulo de Elasticidade (MOE) e Ruptura (MOR). Na análise dos valores médios obtidos para as variáveis não foram encontradas diferenças significativas para as vigas de MLC, entretanto, nas vigas com perfil em I, verificouse a superioridade do adesivo PUR no valor médio do MOR. Em relação aos tipos e gramaturas de adesivos utilizados, observou-se que o adesivo RFF necessita de maior quantidade do produto para atender ao mecanismo da adesão, 500 g/m2. Dois parâmetros tornaram o adesivo PUR diferenciado em relação aos demais; o tempo de cura 24 vezes mais rápido, tornando-o mais vantajoso sob o ponto de vista de volume de produção e o tempo em aberto mais curto que requer procedimentos especiais. As vigas de MLC apresentaram valores médio superiores, mas a escolha do modelo de viga deve ser analisada cuidadosamente, levando-se sempre em consideração a resistência requerida e o custo do material a ser utilizado na confecção destas.

Palavras-chave


madeira laminada colada; viga com perfil em I; adesivos potenciais para vigas

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIGHETO, R.; SZÜCS, C. A. Estudo Comparativo entre Madeira Laminada Colada e Madeira Laminada Colada Multicolada. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 10., 2006, São Pedro (SP). Anais... São Carlos (SP): IBRAMEN – Instituto Brasileiro da Madeira e das Estruturas de Madeira, 2006, CD-ROM.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING MATERIALS. ASTM D 198-05a - Standard Test Methods of Static Tests of Lumber in Structural Sizes, West Conshohocken (PA), 2007, p. 20.

DEUTSCHES INSTITUT FÜR NOMUNG. DIN 68 140 - Wood Finger-Jointing. Berlim, 1972, 03 p

EUROPEAN COMMITTEE FOR STANDARDIZATION. EN 789 - Timber Structures. Test Methods. Determination of Mechanical Properties of Wood Based Panels. Brussels, 2004, p. 36.

GREEN, D. W.; HERNANDEZ, R. Codes and standards for structural wood products and their use in the United States. Forest Products Society Annual Meeting. Mérida, Yucátan, México, Jun. 1998. Disponível em: < http://www.fpl.fs.fed.us/documnts/pdf2000/green00d.pdf>. Acesso em 04 dez. 2006.

LAROCA, C. Habitação Social em Madeira: uma Alternativa Viável. 2002, 83 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, 2002.

NASCIMENTO, A. M.; DELLA LÚCIA, R. M.; BAETA, F. C. Comportamento de Vigas Retas em MLC com Emendas de Topo e Bisel – Parte 1. Revista Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 9 , n. 1, p. 63 – 71, jan./dez. 2002.

NIELSEN, I. R.. Utilização da Madeira Comercial do Híbrido de Eucalyptus urophylla S.T. Blake X Eucalyptus grandis Hill ex Maiden na Confecção de Vigas Laminadas Coladas. 1998, 109 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná. 1998.

PEDROSA, A. L. Desempenho Estrutural de Vigas "I" Constituídas por PLP e Compensado de Pinus taeda L. e Eucalyptus dunnii Maiden e OSB de Pinus spp. 2003, 104 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal ) - Universidade Federal do Paraná, 2003.

SMULSKI, S. Engineers Wood Products: A Guide for Specifiers Designers and Users. PFS Foundation, Madison (Wisconsin), p. 356, 1997.

STAMATO, G. C. et al. Cuidados com a Utilização de Coníferas nas Estruturas de Madeira. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 10., 2006, São Pedro. Anais... São Carlos: IBRAMEN – Instituto Brasileiro da Madeira e das Estruturas de Madeira, 2006, 1 CD-ROM.

SZÜCS, C. A. Madeira Laminada Colada (MLC). Portal Remade. Curitiba, 2006. Disponível em . Acesso em: 07 mar. 2006.

TIMBER BULLETIN: Forest Products Annual Market Review. Geneva, Suíca: United Nations Economic Comission For Europe / Food And Agriculture Organization of United Nations.- UNECE / FAO, v. 58, p. 95 – 106.

ZANGIÁCOMO, A. L. Emprego de Espécies Tropicais Alternativas na Produção de Elementos Estruturais de Madeira Laminada Colada. 2003, 82 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil – Engenharia de Estruturas) - Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981857