Compartimentação geomorfológica da área urbana do município de Senhor do Bonfim – BA enquanto subsídio ao planejamento do uso e ocupação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499463075

Palavras-chave:

Geomorfologia, Planejamento ambiental, Ordenamento territorial.

Resumo

A sociedade está distribuída sobre um ambiente que possui características evolutivas (ACSELRAD, 1992). Nesse quadro, cabe aos componentes sociais dotar de instrumentos que possam analisar a complexidade sistêmica deste ambiente, bem como sua singularidade (LIMBERGER, 2006). Nesse viés, a cartografia geomorfológica constitui-se em um importante instrumento para compreensão do espaço (QUEIROZ, 2012). Dessa forma, este trabalho tem o objetivo de mapear a compartimentação geomorfológica da área urbana do município de Senhor do Bonfim – BA, enquanto subsídio ao planejamento do uso e ocupação da terra. Para isso, utilizou-se enquanto alternativa analítica fotografias áreas em formato digital, em escala 1:70.000, adquiridas gratuitamente da CBPM (2020), bem como dados do Bing Maps Aerial e da Carta Geológica e Topográfica de Senhor do Bonfim, disponibilizada pela SEI (2015). Entre os resultados, os pedimentos constituem-se o compartimento predominante, cobrindo 91,1% do perímetro urbano, as planícies fluviais apresentaram total de 7,9%, e por fim os inselbergues com 1%. Este tipo de trabalho se torna importante à medida que o mapeamento dos compartimentos geomorfológicos oferece tanto à comunidade, quanto as autoridades competentes, escopo considerável na adoção de medidas estruturais de proteção ambiental.

 

Biografia do Autor

Felipe Souza Reis, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

Discente do curso de licenciatura em Geografia da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, participou como bolsista de Iniciação Científica (FAPESB) no projeto de mapeamento geomorfológico do município de Senhor do Bonfim (BA) enquanto subsídio ao Planejamento do Uso e Ocupação. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Sensoriamento Remoto, Geomorfologia, Mapeamento do uso e ocupação.

Sirius Oliveira Souza, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

Licenciado em Geografia pela Faculdade Pitágoras - Unidade Teixeira de Freitas (PROUNI). Especialista em ensino de Geografia pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC (2010). Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES (2013). Doutor em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2017). Pós-Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP - Rio Claro (2018). Atualmente é Professor Adjunto e Vice Coordenador do Colegiado de Geografia da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Coordenador da Residência Pedagógica em Geografia, Pesquisador líder do Núcleo de estudos das Paisagens Semiáridas Tropicais (NEPST - UNIVASF) e Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Estudos Territoriais do Departamento de Ciências Exatas e da Terra (DCET), Campus I da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). É membro da União da Geomorfologia Brasileira (UGB) e membro do Grupo de Trabalho Direcionado sobre Depressão (GTD-Depressão), do Sistema Brasileiro de Classificação de Relevo (SBCR) em colaboração com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Têm experiência na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Geomorfologia e Planejamento, SIG, Análise Ambiental e Ensino de Geografia Física. (Texto informado pelo autor)


Referências

AB’SABER, A. N. Um conceito de geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o quaternário. Geomorfologia. São Paulo, no 18, p. 1-23, 1969.

AB'SÁBER, A. N. Contribuição à geomorfologia da área dos cerrados. Universidade de São Paulo, 1963.

ACSELRAD, H. Cidadania e meio ambiente. Meio ambiente e democracia. Rio de Janeiro: IBASE, p. 18-31, 1992.

ADELI, Z.; KHORSHIDDOUST, A. Application of geomorphology in urban planning: Case study in landfill site selection. Procedia Social and Behavioral Sciences, vol. 19, p. 662–667, 2011.

BIERMAN, P.; MONTGOMERY, D. R. Key Concepts in Geomorphology. 2. ed. New York: W. H. Freeman and Company Publishers, 2013.

BIGARELLA, J. J., BECKER, R. D., PASSOS, E. Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais: 877-1436. Fundamentos geológico-geográficos, alteração química e física das rochas. Ed. da Univ. Federal de Santa Catarina, 1994.

BITAR, O. Z. Cartas de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e inundações-1: 25.000: Nota técnica explicativa. IPT; CPRM, 2014.

BOCCO, G.; MENDOZA, M.; VELÁZQUEZ, A. Remote sensing and GIS-based regional geomorphological mapping—a tool for land use planning in developing countries. Geomorphology, v. 39, n. 3-4, p. 211-219, 2001.

BRASIL (1979). Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6766.htm. Acesso em: 11 out. 2011.

BRASIL (2012) Lei nº 12.608 de 10 de abril de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil - PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil - SINPDEC e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil – CONPDEC.

CARVALHO, C. S.; MACEDO, E.; OGURA, A. T. Mapeamento de riscos em encostas e margem de rios. Mapeamento de riscos em encostas e margem de rios. Brasília: Ministério das Cidades, 2007.

CASSETI, V. Cartografia Geomorfológica, 2005. Livro Digital. Disponível em: http://www.funape.org.br/geomorfologia/.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Blucher, 1980.

FERRANTE, J. E. T.; RACAN, L.; NETTO, P. B. Meio Físico IN: Olhares Sobre o Lago Paranoá. Brasília: Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, p. 45-78, 2001.

CHRISTOPHERSON, R., W. Elemental Geosystems+ Masteringgeography with Pearson Etext Access Card. PRENTICE HALL, 2018.

COMPANHIA BAIANA DE PESQUISA MINERAL - CBPM. Bacia do São Francisco entre Santa Maria da Vitória e Iuiú, Bahia: geologia e potencialidade econômica Salvador, 2020 < http://www.cbpm.ba.gov.br/>.

COMPANHIA BAIANA DE PESQUISA MINERAL - CBPM–Companhia Baiana. geologia e potencialidade econômica. Valter Mônaco Conceição Filho; Marcos Donadello Moreira. Série Arquivos Abertos, v. 15, 2003.

COMPANHIA DE PESQUISAS DE RECURSOS MINERAIS – CPRM. – Curitiba – Folha SG.22-X-D-I Estado do Paraná. Programa levantamentos geológicos básicos do Brasil. São Paulo, DNPM /CPRM /Min. Minas e Energia, 2019. <<http://www.sei.ba.gov.br/site/geoambientais/mapas>>

CUNHA, C.L. et al. A Cartografia do Relevo: Uma Análise Comparativa de Técnicas para a Gestão Ambiental. Revista Brasileira de Geomorfologia. Ano 4, nº.1, p. 1 – 9, 2003.

CURCIO, R. G. Relações Entre Geologia, Geomorfologia, Pedologia e Fitossociologia Nas Planícies Fluviais Do Rio Iguaçu, Paraná, Brasil. (Tese de doutorado), Engenharia Florestal, área Conservação da Natureza, Setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

DENT, D. et al. Soil survey and land evaluation. George Allen & Unwin., 1981.

DOS SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília, DF: Embrapa, 2018., 2018.

EISANK, C. Geomorphology Object representations at multiple scales from digital elevation models. v. 129, p. 183–189, 2011.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa. Sistema brasileiro de classificação de solos. Centro Nacional de Pesquisa de Solos: Rio de Janeiro, 2013.

GARCIA, P. B.; AUGUSTIN, C. H. R. R.; CASAGRANDE, P. B.. ÍNDICE GEOMORFOLÓGICO COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO URBANO. MERCATOR (Fortaleza), v. 19, 2020.

GUERRA, A.J.T.; SILVA, A.S.; & BOTELHO, R.G.M. (Org). Erosão e Conservação dos Solos: conceitos, temas e aplicações. 2ª Ed. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil. 2005.

IBGE. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manual técnico de geomorfologia. 2ª ed. Rio de Janeiro, RJ, 2009.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2019. Disponóvel em:. http://wwww.inmet.gov.br/portal/

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Manuais técnicos em geociências, v. 1, 2012.

JATOBÁ, L.. A Geomorfologia do Semiárido. Universidade Federal de Pernambuco, 1994.

JUSTINO, E. A.; PAULA, H. M.; PAIVA, E. C. R. Análise do efeito da impermeabilização dos solos urbanos na drenagem de água pluvial do município de Uberlândia-MG. Espaço em Revista, v. 13, n. 2, 2011.

LEOPOLD, L. B.; MILLER, J. P. Ephemeral Streams: Hydraulic Factors and Their Relation to Drainage Net. Professional Paper 282-A. Washington: U.S. Geological Survey, 1956.

LIMA, K. C.; CUNHA, C. M. l. atualização cartográfica da rede de drenagem para estudo geomorfológico de rios intermitentes e efêmeros do semiárido. Revista Brasileira de Cartografia, v. 66, n. 1, 2014.

LIMA, K. C; DA CUNHA, C. M. i; PEREZ FILHO, A. Dificuldades e possibilidades da cartografia geomorfológica no semiá rido brasileiro. Revista Brasileira de Cartografia, v. 65, n. 6, 2013.

LIMBERGER, L. Abordagem sistêmica e complexidade na geografia. Geografia, v. 15, n. 2, p. 95-109, 2006.

MACHADO, P. B.. Cartilha Histórica sobre as origens de Senhor do Bonfim. Salvador: Universidade do Estado da Bahia, 1993.

MENDES, B. C. Mapeamento geomorfológico aplicado ao estudo do uso e cobertura da terra no Planalto Central. . vii, 74 f., il. Dissertação (Mestrado em Geociências Aplicadas) 2015.

MORI, S. A.; BOOM, B. M.; PRANCE, G. T. Distribution patterns and conservation of eastern Brazilian coastal forest tree species. Brittonia, v. 33, n. 2, p. 233-245, 1981.

NETTO, I. T. P; NETTO, P. Qualidade física e química de um Latossolo Vermelho-Amarelo sob pastagens com diferentes períodos de uso. 80 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias)2008.

NUNES, J. O. R; FREIRE, R; PEREZ, I. . Mapeamento geomorfológico do perímetro urbano de Presidente Prudente-SP. In: Simpósio Nacional de Geomorfologia e Regional Conference on Geomorphology. 2006.

POREMBSKY, S.; BARTHLOTT, W. Inselbergs: biotic diversity of isoleted rock outcrops in tropical and temperate regions. Berlim: Springer-Verlag. 2000.

QUEIROZ, D.S. A Cartografia Geomorfológica de Detalhe: Uma Proposta visando a Multidisciplinaridade. REVISTA CLIMEP. Rio Claro, vol. 7, nº. 1-2, p. 22, 2012.

RADAMBRASIL. Levantamento de Recursos Naturais - Folha SC.24/25 Aracaju/Recife; Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação, Uso potencial da Terra. Edição Facsimilar. Volume 34, Rio de Janeiro. IBGE, 1983.

ROBAINA, L. E. et al. Compartimentação geomorfológica da bacia hidrográfica do Ibicuí, Rio Grande do Sul, Brasil: proposta de classificação. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 11, n. 2, 2010.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomorfológicos e a questão da taxonomia do relevo. Revista Do Departamento De Geografia, v. 6, p. 17-29, 1992.

ROSS, J. L. S; MOROZ, I. C. Mapa geomorfológico do estado de São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, v. 10, p. 41-58, 1996.

ROSS, J. L. S.; MOROZ, I. C. Mapa geomorfológico do Estado de São Paulo: escala 1: 500.000. Laboratório de geomorfologia, Depto. geografia, 1997.

SAADI, A. A Geomorfologia como ciência de apoio ao planejamento urbano em Minas Gerais. Geonomos, 1997.

SANTOS, C. A.; SOBREIRA, F. G.; SILVA, S. P. Cartografia geomorfológica como subsídio ao ordenamento territorial das bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego Carioca, Itabirito, MG. 6º SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA. GOIÂNIA-GO. UGB. CD Anais, 2006.

SANTOS, J. P. A. dos et al. Mapeamento geomorfológico e análise do uso e cobertura da terra em áreas do maciço de Água Branca e seu entorno. 2020.

SILVA, L. P. Modelagem e geoprocessamento na identificação de áreas passíveis de riscos de inundação e erosão. Relatório Técnico. CNPq-CTHIDRO–Fundo Setorial de Recursos Hídricos, 2005.

SMITH, M.J.; PARON, P.; GRIFFITHS, J.S. Geomorphological mapping: methods and applications. Elsevier; Amsterdam, 2011, 2 ed. 612 p.

SOUZA, T. A.; OLIVEIRA, R. C. Avaliação Da Potencialidade De Imagens Tridimensionais Em Meio Digital Para O Mapeamento Geomorfológico. REVISTA GEONORTE, Edição Especial, V.2, N.4, p.1348 – 1355, 2012.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Perfil dos Territórios de Identidade. (Série territórios de identidade da Bahia, v. 3). Salvador: SEI, 2018.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Perfil dos Territórios de Identidade. (Série territórios de identidade da Bahia, v. 1). Salvador: SEI, 2015

VASCONCELOS, T. L. et al., Estudo Morfodinâmico Em Área Do Semi-Árido Do Nordeste Brasileiro: Um Mapeamento Geomorfológico Em Micro Escala. Revista de Geografia (Recife), v. 24, n. 2, p. 36-49, 2008.

Downloads

Publicado

2021-12-30 — Atualizado em 2022-01-12

Versões

Como Citar

Reis, F. S., & Souza, S. O. (2022). Compartimentação geomorfológica da área urbana do município de Senhor do Bonfim – BA enquanto subsídio ao planejamento do uso e ocupação. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e35. https://doi.org/10.5902/2236499463075 (Original work published 30º de dezembro de 2021)

Edição

Seção

Geoinformação e Sensoriamento Remoto em Geografia