Perspectivas da funcionalidade das praças da pequena cidade de Juranda-PR, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499453300

Resumo

A imagem da cidade não se traduz apenas pela arborização de avenidas, ruas, edifícios e monumentos históricos, mas também pelas praças. As praças são símbolos da história da humanidade desde ágora grega, passando pelo fórum romano às praças modernas do período contemporâneo. Esses espaços apresentam diferentes funções que se projetam por meio das práticas de sociabilidade de lazer vivenciadas por diferentes grupos sociais. Além disso, possuem configurações e atividades voltadas por diferentes usuários de diferentes faixas etárias, portanto nesses espaços convivem crianças, jovens, adultos e idosos. Quanto às atividades/funcionalidades, temos: circulação, lazer, contemplação, descanso, cultural, educacional, psicológica, estética e ambiental que varia de lugar para lugar.  Assim, a pesquisa objetiva analisar as praças da pequena cidade de Juranda-PR, destacando a funcionalidade desses espaços públicos. O aporte metodológico foi constituído de pesquisa bibliográfica em periódicos científicos, livros, dissertações e teses sobre praças públicas; pesquisa in loco em duas praças com levantamento dos principais tipos de equipamentos e estruturas. Os resultados indicam que as funções ambiental, estética e social são as que predominam. Porém, a partir de fevereiro de 2020, a sociabilidade por parte do jurandenses nas praças tornaram-se praticamente nulas devido à pandemia do coronavírus, que obrigou a população ao isolamento social, deixando as praças totalmente vazias.

Biografia do Autor

Marcos Clair Bovo, Marcos Clair Bovo

Doutor em geografia pela Universidade Estadual Paulista - campus de Presidente Prudente. Mestre em geografia pela Universidade estadual de Maringá. Atualmente é Professor e coordenador do Programa de Pós -Graduação Interdisciplinar em Sociedade e Desenvolvimento (PPGSeD) da Unespar- campus de Campo Mourão e professor adjunto do colegiado de Geografia da mesma instituição.

Paula Josiely Latchuk Braga, Universidade Estadual do Paraná-Campus de Campo Mourão.

Graduanda do curso de Graduação em Geografia da Universidade Estadual do Paraná-Campus Campo Mourão.

Referências

BARGOS, Danúbia C.; MATIAS, Lindon F. Áreas verdes urbanas: um estudo de revisão e proposta conceitual. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 6, n. 3, p. 172-188, 2011. Disponível em:< https://revistas.ufpr.br/revsbau/article/view/66481/38295>. Acesso 19 de julho de 2020.

BOVO, Marcos Clair. Áreas Verdes Urbanas, Imagem e Uso: Um Estudo Geográfico sobre a Cidade de Maringá – PR. Tese de (Doutorado em Geografia). Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, 2009.

FERRARA, Lucrécia D.’Aléssio. Olhar periférico. São Paulo: Edusp, p. 153, 1993.

BENEVOLO, Leonardo. História das Cidades. São Paulo. Retrospectiva, 1993.

Ferreira, João C. V. Municípios paranaenses: origens e significados de seus nomes Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura, 2006. Disponível em: <http://www.svivicentemachado.seed.pr.gov.br/redeescola/escolas/16/2600/314/arquivos/File/Municipios_Paranaenses%20-%20Origens%20e%20Significados.pdf>. Acesso 20 de jul. 2020.

GOMES, Paulo. C. C. A condição urbana: ensaios de geografia da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE cidades, 2020. Disponível em:

<https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/juranda/panorama>. Acesso 21 jul. 2020.

IPARDES-Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Índice Ipardes de desempenho municipal. IPARDES ,Curitiba, 2015. Disponível em:

<http://www.ipardes.pr.gov.br/Pagina/Indice-Ipardes-de-Desempenho-Municipal-0>. Acesso 21 jul. 2020.

JURKEVICS, Vera Irene. Basílica De São Pedro. Tuiuti: ciência e cultura, v. 5, n. 56, p. 3–25, 2018. Disponível em: <https://seer.utp.br/index.php/h/article/view/2010>. Acesso 20 de jul. 2020.

LAMAS, José Manuel Ressano Garcia. Morfologia urbana e desenho da cidade. Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

LYNCH, Kevin; AFONSO, Maria C. T. A imagem da cidade. 1997.

Llorca, V. La plaza y lo poético. Villanueva y Geltrú: [s.n.], 1997.

MARX, Murillo. Cidade brasileira. Edições Melhoramentos, 1980.

MENEZES, Eder. Juranda para além do tempo: apoio didático ao ensino de história e geografia para o 4º e 5º anos do ensino fundamental. Juranda (PR). Assoeste, 2012.

ROBBA, Fabio; MACEDO, Silvio Soares. Praças Brasileiras: public squares in Brazil. São Paulo. Edusp: Impressa oficial do Estado, 2003.

SANTOS, Milton. Espaço e Método. São Paulo. Nobel, 1997.

SERPA, Ângelo. O espaço público na cidade contemporânea. Contexto, 2007.

ALEX, Sun. Projeto da praça: convívio e exclusão no espaço público. São Paulo. Senac, 2008.

RÉ, Tatiane, Monteiro; BOVO, Marcos, Clair. As praças de Mamborê-PR, Brasil: análise das categorias, estrutura, forma e função. Terr@Plural, Ponta Grossa, v.13, n.2, p. 322-346, maio./ago. 2019. Disponível em: <https://revistas2.uepg.br/index.php/tp/article/view/11201/artigo%203>. Acesso 21 jul.2020.

RIGOTTI, Giorgio. Urbanicista – la técnica. Torino. Editrice Torinese, 1956.

WEBB, Michel. The city square. London: Thames and Hudson, 1990.

TAVARES, Daianne P. P.; MELO, Jaqueline A. P.; COSTA, Fábio R. Produção do espaço e relações de poder no município de Juranda–Pr. Revista Percurso, v. 5, n. 1, p. 227-243, 2013. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/dc72/0b05a732c27cf0db7615c2b9ddb1beebf740.pdf>. Acesso 20 de jul. 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

Bovo, M. C., & Braga, P. . J. L. (2021). Perspectivas da funcionalidade das praças da pequena cidade de Juranda-PR, Brasil. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e32. https://doi.org/10.5902/2236499453300

Edição

Seção

Produção do Espaço e Dinâmica Regional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)