O espaço humano-animal na arte contemporânea: leituras em Hal Foster e Isabelle Stengers

Mateus Scota, Rebeca Lenize Stumm

Resumo


Este escrito procura refletir – em caráter ensaístico – o espaço da temática humano-animal em meio as manifestações contemporâneas da arte, face às proposições de Hal Foster (2014) e Isabelle Stengers (2018). Para isso, partiremos dos textos O artista como etnógrafo, do primeiro, e A proposição cosmopolítica, da segunda, utilizando-nos de ambos como lente epistemológica e reflexiva para abordagem do tema.


Palavras-chave


Arte Contemporânea; Poéticas contemporâneas; Espaço de atuação; Humano-animal; Artista-etnógrafo

Texto completo:

PDF

Referências


CAUQUELIN, Anne. Arte Contemporânea: uma introdução. Tradução Rejane Janowitzer. São Paulo: Martins, 2005.

FOSTER, Hal. “O artista como etnógrafo”. In.: FOSTER, Hal. O retorno do real: A vanguarda no final do século XX. Tradução: Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac & Naify, 2014, pp. 159-186.

LOMMEL, Andreas. A Arte Pré-histórica e Primitiva. Rio de Janeiro: Editora Expressão e Cultura, 1966.

STENGERS, Isabelle. “A proposição cosmopolítica”. IN.: Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, nº 69, 2018, pp. 442-464. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i69p442-464.

WILLIAMS, Mike. O espírito do xamã: filosofia e espiritualidade em harmonia com a natureza. Tradução de Bianca Albert. 1.ed. São Paulo: Alaúde Editora, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2595523338123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Contemporânea - Revista do PPGART/UFSM

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

 

DOI: 10.5902/25955233