Caracterização morfométrica de sementes e plântulas e germinação de Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan

Silvia Sanielle Costa de Oliveira, João Correia de Araújo Neto, Sihélio Júlio Silva Cruz, Vilma Marques Ferreira

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050986630

Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan é uma espécie arbórea, pertencente à família Leguminosae- Mimosoideae, sendo popularmente conhecida como angico-preto. Possui característica dos estádios iniciais da sucessão, ocorrência natural no Brasil, podendo formar agrupamentos quase homogêneos, com grande potencial na recuperação de áreas degradadas. O presente trabalho foi conduzido no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Alagoas, objetivando a caracterização física e morfológica das sementes, descrição das diferentes fases do desenvolvimento pós-seminal, bem como avaliar diferentes condições de temperaturas e substratos para a realização do teste de germinação. As sementes foram extraídas manualmente, em seguida homogeneizadas, onde duas amostras de 50 sementes foram usadas para a determinação da umidade inicial. Uma outra amostra, composta por oito repetições de 100 sementes, foi utilizada para a medição biométrica e número de sementes por fruto. Na caracterização morfológica, as sementes foram imersas em água destilada para possibilitar os cortes, sendo as estruturas observadas em microscópio estereoscópio. No estudo pós-seminal, foram observados diariamente os processos de crescimento das plântulas em substrato rolo de papel-filtro e temperatura constante de 30 °C. Para avaliação do comportamento germinativo foram testadas as temperatura constantes de 15 °C, 25 °C, 30 °C, 40 °C e alternada de 20-30 °C, em substratos papel e areia, e foi avaliada a porcentagem, índice de velocidade de germinação e distribuição da frequência relativa, sendo os ensaios conduzidos em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 5 x 2 (temperatura x substrato) com quatro repetições de 25 sementes, sendo as médias comparadas pelo teste Duncan a 5 % de probabilidade de erro. Os frutos de angico-preto apresentam grande variação no número de sementes por fruto. O eixo embrionário ocupa parte da região central da semente com posição axial e linear. A germinação é do tipo epígea e as plântulas são fanerocotiledonares. A temperatura constante de 30 °C e o substrato papel-filtro proporcionaram maiores médias de porcentagem e velocidade de germinação.

Palavras-chave


biometria; angico-preto; espécie florestal

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A.R. et al. Decomposição de resíduos vegetais da caatinga, na região de Patos, PB. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 1, p. 57-63, 2006.

AMARO, M. S. et al. Morfologia de frutos, sementes e de plântulas da janaguba (Himatanthus drasticus (Mart.) Plumel. – Apocynacea). Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 28, n. 1, p. 63-71, abr. 2006.

ARAÚJO NETO, J. C. et al. Temperaturas cardeais e efeito da luz na germinação de sementes de mutamba. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 6, n. 3, p. 460-465, set./dez. 2002.

ARRUDA, F. P. et al. Cultivo de pinhãomanso (Jatropha curca L.) como alternativa para o semi-árido nordestino. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibrosas, Campina Grande, v. 8, n. 1, p. 789-799, jan./abr. 2004.

BANZATTO, D. A.; KRONKA, S. N. Experimentação Agrícola. 2. ed. Jaboticabal: FUNEP, 1992. 246 p.

BARROSO, G. M. et al. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa: UFV, 1999, 433 p.

BETRALTI, C. M. Morfologia de plântulas e sementes In: CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, ÁREA DE BIOLOGIA VEGETAL. Apostila, Rio Claro: UNESP, 1994, 112 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 2009, 395 p.

CÂMARA, C. A. et al.Caracterização morfométrica de frutos e sementes e efeito da temperatura na germinação de Parkia pendula (willd.) benth. ex walp. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 3, p. 281-290, jul./set. 2008.

COIMBRA, R. A. et al. Teste de germinação com acondicionamento dos rolos de papel em sacos plásticos visando a otimização dos resultados. Revista Brasileira Sementes, Londrina, v. 29, n.1, p. 92-97, abr. 2007.

CÓRNER, E. J. H. The seeds of dicotyledons. Cambridge: University Press, 1976. 311 p. v. 1.

DALLING, J. W. et al. Seed dispersal, seedling establishment and gap partitioning among tropical pioneer trees. Journal of Ecology, n. 86, p. 674-689, 1998.

DAMIÃO FILHO, C. F. Morfologia e anatomia de sementes. Jaboticabal: FCAV/UNESP, Apostila, 1993. 145 p.

FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. B. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004, 323 p.

FERREIRA, C. A. R.; FIGLIOLA, M. B.; ROBERTO, L. P. C. Ecofisiologia da germinação de sementes de Calophyllum brasiliensis Camb. Revista do Instituto Florestal e IF Série Registros, São Paulo, n. 31, p. 173-178, 2007.

FIGLIOLIA, M. B.; AGUIAR, I. B. Colheita de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. Sementes florestais tropicais, Brasilia: ABRATES, 1993, 275 p.

GARCIA, D. C. et al. A secagem de sementes. Ciência Rural, Santa Maria, v. 34, n. 2, p. 603-608, mar./abr. 2004.

GUERRA, M. E. C.; MEDEIROS FILHO, S.; GALLÃO, M. I. Morfologia de sementes, de plântulas e da germinação de Copaifera langsdorfii Desf. (Leguminosae-Caesalpinioideae). Revista Cerne, Lavras, v. 12, n 4, p. 322-328, 2006.

LABOURIAU, L. G. A germinação da semente. Washington: Secretaria Geral da O. E. A., 1983. 173 p.

LABOURIAU, L. G.; VALADARES, M. E. B. On the germination of seeds of Calotropis procera (Ait.) Ait.f. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 48, n. 2, p. 263-284, 1976.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima, 2000, 531 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odesa: Plantarum, 1992, 382 p.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2 p. 176-177, 1962.

MAIA, G. N. Caatinga – árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: D&Z. 2004. 105 p.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005.

MARTINS, C. C.; NAKAGAWA, J.; BOVI, M. L. A. Efeito da posição da sementes no substrato e no crescimento inicial nas plântulas de palmito-vermelho (Euterpe espiritosantensis Fernandes - Palmae). Revista Brasileira de Sementes, v. 21, n. 1, p. 164-173, 1999.

MELO, F. P. L. et al. Recrutamento e estabelecimento de plântulas In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre, ARTMED, 2004. 243 p.

OLIVEIRA, E. C. Morfologia de plântulas In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLA, M. B. Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993, 175 p.

PIMENTEL, C. A relação da planta com a água. Seropédica: Edur, 2004, 192 p.

RODRIGUES, A. C. C. et al. Biometria de frutos e sementes e grau de umidade de sementes de angico (Anadenanthera colubrina (vell.) brenan var. cebil (griseb.) altschul) procedentes de duas áreas distintas. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, v. 4, n. 8, p.1-15, ago. 2006.

SANTOS, F.A.R. et al. Apícolas. In: SAMPAIO, E.V.S.B. et al. Espécies da flora nordestina de importância econômica potencial. Recife: Associação Plantas do Nordeste, 2004, p. 17.

STOCKMAN, A. L. et al. Sementes de ipê-branco (Tabebuia roseo-alba (ridl.) sand. – bignoniaceae): temperatura e substrato para o teste de germinação. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 29, n. 3, p. 139-143, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050986630

Licença Creative Commons