Crescimento inicial de Tabebuia aurea sob três intensidades luminosas

Ademir Kleber Morbeck de Oliveira, Sônia Cristina Juliano de Gualtieri Andrade e Perez

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050985733

A espécie Tabebuia aurea é comumente encontrada no Pantanal de Miranda-MS, em formações vegetacionais conhecidos como paratudais. Essa espécie é boa melífera, fornece corante amarelo para tintura em comunidades rurais e também é considerada uma planta medicinal. Sua madeira tem valor econômico sendo utilizada na construção civil, entre outros usos, além de empregada na arborização e paisagismo. Levando-se em consideração seu amplo aproveitamento, seu desenvolvimento inicial foi analisado durante um período de 180 dias após a emergência, a pleno sol e sob sombreamento artificial (30 e 45%) em Latossolo Vermelho-Amarelo com adição de cálcio e magnésio. Os resultados obtidos indicam que esta espécie se desenvolve melhor sob luminosidade máxima, atingindo 52,7 cm de altura e 43,2 g de matéria seca aos 180 dias de cultivo, com tendência contínua de concentração de matéria orgânica no sistema radicular, principalmente, a partir de 120 dias. Para todas as luminosidades nas quais a espécie foi cultivada, apresentou elevada plasticidade fenotípica para o índice de robustez e biomassa seca total, indicando adaptação aos ambientes de cultivo.

Palavras-chave


Bignoniaceae; intensidade luminosa; análise de crescimento; ipê

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/198050985733

Licença Creative Commons