Ordenação dos dados de estrutura da Floresta Ombrófila Mista partindo de informações do inventário florístico-florestal de Santa Catarina: resultados de estudo-piloto.

Alexander Christian Vibrans, Alexandre Uhlmann, Lucia Sevegnani, Moacir Marcolin, Nelson Nakajima, Carlos Roberto Grippa, Eduardo Brogni, Marcela Braga Godoy

Resumo


O Inventário Florístico-Florestal do Estado de Santa Catarina tem por objetivo inventariar e analisar a composição florística e a estrutura horizontal e vertical dos remanescentes florestais do Estado, registrar a diversidade arbórea das florestas e coletar dados sobre as espécies vegetais ameaçadas de extinção. A cobertura florestal de seu território de 95.443 km² é inferior a 30%, porém, extremamente reduzida e fragmentada na sua região oeste do eEstado. Nesse estudo-piloto, foram implantadas 74 unidades amostrais de 2000 m² cada, distribuídas aleatoriamente numa área de 41.380 km² nos domínios da Floresta Ombrófila Mista. Além da análise usual da estrutura horizontal e vertical, os dados de densidade foram utilizados para a construção de uma matriz de densidades (espécie/parcela) que foi submetida à Análise de Correspondência Corrigida (ACC). Os resultados do levantamento indicam Myrtaceae, Lauraceae e Fabaceae como famílias mais abundantes, seguidas de Asteraceae e Solanaceae. O levantamento registrou 133 espécies com          DAP ≥ 10cm, 101 espécies com DAP <10cm ≥1cm e 105 espécies com DAP menor que 1cm. Existe um número restrito de espécies muito freqüentes, enquanto 120 espécies ocorrem em menos de dez das 74 unidades amostrais e 46 espécies são presentes em apenas uma unidade. Os resultados da Análise de Correspondência mostram dois conjuntos de unidades amostrais, um caracterizado por espécies da Floresta Ombrófila Mista, outro com forte influência de espécies da Floresta Estacional Decidual. Este agrupamento se fez presente com nitidez dentro da grande região geográfica originalmente identificada como região da Floresta Ombrófila Mista e dos Campos Naturais. Os dois grupos mostram-se distintos quanto à sua estrutura e flora. Este resultado propõe a necessidade de novos levantamentos para verificar se realmente existe uma diferenciação florística ao longo dessa linha divisória, preliminarmente estabelecida. As próximas fases do Inventário Florestal de Santa Catarina poderão contribuir para verificação dessa hipótese.

Palavras-chave


florística; análise de correspondência; Floresta Ombrófila Mista; inventário florestal.

Texto completo:

PDF

Referências


CANALEZ, G. G.; CORTE, A. P. D.; SANQUETTA, C. R. Dinâmica da estrutura da comunidade de Lauráceas no período 1995-2004 em uma floresta de araucária no sul do estado do Paraná, Brasil. Santa Maria, Ciência Florestal, v. 4, p. 357-367. 2006.

ESPÍNDOLA, M. B.; BECHARA, F. C.; BAZZO, M. S.; REIS, A. Recuperação ambiental e contaminação biológica: aspectos ecológicos e legais. Florianópolis, Biotemas, v. 18, p. 27-38. 2005.

GAUCH-JUNIOR, H.G. Multivariate analysis in community ecology. Cambridge: Cambridge University Press. 1982.

HUECK, K. As florestas da América do Sul. São Paulo, Editora Polígono & Editora da Universidade de Brasília. 1972.

IBGE. Levantamento dos recursos naturais: folha SH.22 Porto Alegre e parte das folhas SH.21 Uruguaiana e SI.22 Lagoa Mirim. V. 33. Rio de Janeiro: IBGE. 1986.

JARENKOW, J. A.; BAPTISTA, L. R. M. Composição florística e estrutura da mata com Araucaria angustifolia na Estação Ecológica de Aracuri, Esmeralda, Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Napaea: Revista de Botânica, v. 3, p. 9-18. 1987.

JONGMAN, R.G.H.; TER BRAAK, C.J.F.; VAN TONGEREN, O.F.R. Data analysis in community and landscape ecology. Cambridge: Cambridge University Press. 1995.

KAPOS, V.; WANDELLI, J. L. C.; GANADE, G. Edge-related changes in environment and plant responses due to forest fragmentation in Central Amazonia. In: LAURANCE, W. F., BIERREGAARD, R. Jr. (eds). Tropical Forest Remnants. Chicago: University of Chicago Press, p. 33-44.1997.

KEANE, R. M.; CRAWLEY, M. J. Exotic plant invasions and the enemy release hypothesis. London, Trends in Ecology and Evolution 17:164-170. 2002.

KLEIN, R. M. O aspecto dinâmico do pinheiro brasileiro. Itajaí: Sellowia, v. 12, p. 17-44. 1960.

KLEIN, R. M. Árvores nativas da Floresta Subtropical do Alto Uruguai. Sellowia, v. 24, p. 9-62. 1972.

KLEIN, R. M. Mapa fitogeográfico de Santa Catarina. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues. 24p. 1978.

KLEIN, R. M. Aspectos dinâmicos da vegetação do Sul do Brasil. Itajaí, Sellowia, v. 36, p. 5-54.1984.

LAURANCE, W. F. Hyper-disturbed parks: edge effects and the Ecology of isolated rainforest reserves in tropical Australia. In: LAURANCE, W. F., BIERREGAARD, R. Jr. (eds). Tropical Forest Remnants. Chicago: University of Chicago Press, p. 71-83. 1997.

LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Vegetação. In Geografia do Brasil: região Sul. Rio de Janeiro, IBGE. V. 2, p. 113-150. 1990.

LONGHI, S.J.; BRENA, D. A.; GOMES, J.F.; NARVAES, I.S.; BERGER, G.; SOLIGO, A. J. Classificação e caracterização de estágios sucessionais em remanescentes de Floresta Ombrófila Mista na FLONA de São Francisco de Paula, RS, Brasil. Santa Maria, Ciência Florestal, v. 16, p. 113-125. 2006.

MÜLLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation Ecology. New York, John Wiley. 1974.

NEGRELLE, R. R. B.; SILVA, F. C. Fitossociologia de um trecho de floresta com Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze no município de Caçador, SC. Boletim de Pesquisas Florestais 24/25: 37-54. 1992.

REIS, A. Manejo e conservação das Florestas Catarinenses. 1993. Tese (Professor Titular de Botânica). Florianópolis, UFSC. 1993.

REITZ, R.; KLEIN, R. M., REIS, A. Projeto Madeira Santa Catarina. Florianópolis, Lunardelli. 1979.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Inventário florestal contínuo do Rio Grande do Sul. Santa Maria: SEMA/UFSM, 2002. 706p. (Relatório).

SANTA CATARINA, Atlas de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Aerofoto Cruzeiro, 1986. 173p.

SCHAAF, L. B.; FIGUEIREDO FILHO, A.; GALVÃO, F.; SANQUETTA, C. R.; LONGHI, S. J. Modificações florístico-estruturais de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista Montana, no período entre 1999 e 2000. Santa Maria, Ciência Florestal, v. 16, p. 271-291. 2006.

SONEGO, R. C.; BACKES, A.; SOUZA, A. F. Descrição da estrutura de uma Floresta Ombrófila Mista, RS, Brasil, utilizando estimadores não paramétricos de riqueza e rarefação de amostras. Brasília, Acta Botanica Brasílica, v. 21, p. 943-955. 2007.

SOS MATATLANTICA. Atlas da Mata Atlântica. 2004. www.sosmatatlantica.org.br. Acessado em: 15 de março de 2005.

VASCONCELLOS, J. M. DE O.; DIAS, L. L.; SILVA, C. P.; SOBRAL, M. G. Fitossociologia de uma área de mata subtropical no Parque Estadual do Turvo, RS. Porto Alegre, Revista do Instituto Florestal, v. 4, p. 252-259. 1992.

VELOSO, H. P., RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro, IBGE. 1991.

VERMEJ, G. J. When biotas meet: understanding biotic interchange. Washington, Science, v. 253, p. 1099-1104. 1991.

WOLFE, L.M. Why alien invaders succeed: support for the escape-from-enemy hypothesis. Chicago, American Naturalist, v. 60, p. 705-711. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098434

Licença Creative Commons