Glyphosate e imazapyr no controle de brotações de eucalipto: aplicação no fuste principal anterior ao corte da árvore

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509840102

Palavras-chave:

Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla, Erradicação de brotações, Brotações indesejadas, Controle químico

Resumo

A pulverização de herbicidas sobre a rebrota do eucalipto é uma prática comum no setor florestal. Entretanto, observa-se a necessidade de várias operações em uma mesma área para controle das brotações. Objetivou-se avaliar a eficiência dos herbicidas glyphosate e imazapyr, aplicados no fuste principal antes do corte raso das árvores, no controle de brotações de eucalipto. Foram implantados sete tratamentos representados por doses de 3,0; 4,0 e 5,0 mL/fuste de glyphosate (Gli-Up® 360 g i.a L-1) e das doses de 0,3; 0,5 e 0,7 mL/fuste de imazapyr (Chopper Florestal® 250 g i.a. L-1), além de um tratamento-testemunha. A aplicação dos herbicidas foi realizada em inserções feitas nos fustes das árvores. Aos 30 dias após aplicação dos herbicidas, realizou-se o corte das árvores. Aos 150 dias após o corte das árvores, foram realizadas avaliações do número de brotações por cepa, número de cepas com presença de brotações, altura e a eficiência de controle das brotações. A aplicação de glyphosate promoveu redução do vigor das brotações. Porém, observou-se emissão de brotações em pelo menos 80% das cepas avaliadas. A aplicação da dose de 3 mL de glyphosate promoveu porcentagens de 80% de eficiência de controle. Contudo, observou-se que operações de controle adicionais seriam necessárias. A aplicação de imazapyr mostrou-se ineficiente com controle inferior a 25%. Portanto, conclui-se que a aplicação de glyphosate no fuste da árvore em pré-corte reduz o vigor de brotações de eucalipto. Adicionalmente, a aplicação de imazapyr, nas doses e forma de aplicação testadas, não é recomendada para controle de brotações de eucalipto.

Biografia do Autor

William Gomes Montes, Celulose Nipo-Brasileira S.A., Belo Oriente, MG

Engenheiro Florestal, Me., Analista Florestal na Celulose Nipo-Brasileira S.A. (CENIBRA), Rodovia BR 381 – km 172 – Distrito de Perpétuo Socorro, CEP 35196-000, Belo Oriente (MG), Brasil.

Leonardo David Tuffi Santos, Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claros, MG

Agrônomo, Dr., Professor Associado II da Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Ciências Agrárias, Avenida Universitária, 1.000, Bairro Universitário, CEP 39404-547, Montes Claros (MG), Brasil.

Rodrigo Eduardo Barros, Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claros, MG

Agrônomo, Me., Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal da Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Ciências Agrárias, Avenida Universitária, 1.000, Bairro Universitário, CEP 39404-547, Montes Claros (MG), Brasil.

Wellington Almeida, Gelf Siderurgia S.A., Itacambira, MG

Engenheiro Florestal, Gerente Técnico na Gelf Siderurgia S.A., MG-308 KM 76, s/n Zona Rural, CEP 39594-000, Itacambira (MG), Brasil.

Antônio Junior Silva Abreu, Gelf Siderurgia S.A., Itacambira, MG

Engenheiro de Produção, Supervisor Técnico na Gelf Siderurgia S.A., MG-308 KM 76, s/n Zona Rural, CEP 39594-000, Itacambira (MG), Brasil.

Matheus Mendes Reis, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, Araçuaí, MG

Engenheiro Agrícola e Ambiental, Dr., Professor do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, Campus Araçuaí, Fazenda do Meio Pé da Serra, s/n, BR 367, km 278, CEP 39600-000, Araçuaí (MG), Brasil.

Luan Mateus Silva Donato, Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claros, MG

Agrônomo, Dr., Técnico em Agropecuária na Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Ciências Agrárias, Avenida Universitária, 1.000, Bairro Universitário, CEP 39404-547, Montes Claros (MG), Brasil.

Guilherme Augusto de Paiva Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claros, MG

Agrônomo, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal da Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Ciências Agrárias, Avenida Universitária, 1.000, Bairro Universitário, CEP 39404-547, Montes Claros (MG), Brasil.

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Berlin, v. 22, n. 6, p. 711-728, dec. 2013.

BAUHUS, J.; VAN DER MEER, P. J.; KANNINEN, M. Ecosystem Goods and Services from Plantation Forests. [S. l.]: Earthscan, 2010. 276 p.

BOURNE, A. E.; HAIGH, A. M.; ELLSWORTH, D. S. Stomatal sensitivity to vapour pressure deficit relates to climate of origin in Eucalyptus species. Tree Physiology, Oxford, v. 35, n. 3, p. 266-278, mar. 2015.

CARR, D.; JAHNKE, R.; CARR, S. Initiation, development and anatomy of lignotubers in some species of eucalyptus. Australian Journal of Botany, Melbourne, v. 32, n. 4, p. 415-437, 1984.

CLARKE, P. J. et al. Resprouting as a key functional trait: how buds, protection and resources drive persistence after fire. New Phytologist, Cambridge, v. 197, n. 1, p. 19-35, jan. 2013.

CORREIA, B. et al. Water stress and recovery in the performance of two Eucalyptus globulus clones: physiological and biochemical profiles. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v. 150, n. 4, p. 580-592, abr. 2014.

DYE, P. et al. The annual pattern of sap flow in two Eucalyptus species established in the vicinity of gold-mine tailings dams in central South Africa. Southern Forests: a Journal of Forest Science, South Africa, v. 78, n. 4, p. 307-313, aug. 2016.

FERRAZ FILHO, A. C.; SCOLFORO, J. R. S.; MOLA-YUDEGO, B. The coppice-with-standards silvicultural system as applied to Eucalyptus plantations — a review. Journal of Forestry Research, [s. l.], v. 25, n. 2, p. 237-248, abr. 2014.

GONÇALVES, J. L. et al. Eucalypt plantation management in regions with water stress. Southern Forests: a Journal of Forest Science, South Africa, v. 79, n. 3; p. 169-183, may 2017.

HODECKER, B. E. R. et al. Water availability preceding long-term drought defines the tolerance of Eucalyptus to water restriction. New Forests, Dordrecht, v. 49, n. 2, p. 173-195, out. 2018.

LITTLE, K. M. Killing Eucalyptus grandis cut stumps after multiple coppice rotations in the KwaZulu-Natal midlands, South Africa. The Southern African Forestry Journal, South Africa, v. 199, n. 1, p. 7-13, 2003.

MACHADO, A. F. L. et al. Interferência de plantas daninhas na cultura do eucalipto. In: FERREIRA, L. R. et al. (org.). Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do eucalipto. 1. ed. Viçosa, MG: Editora UFV, 2010. v. 1. p. 15-37.

MEDAUAR, C. C. et al. Espectro de gotas e distribuição de calda herbicida associada a fertilizante foliar em áreas de reforma florestal. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 46, n. 119, p. 333-345, set. 2018.

PAYN, T. et al. Changes in planted forests and future global implications. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 352, n. 7, p. 57-67, set. 2015.

PINTO JUNIOR, O. B. et al. Transpiração pelo método da sonda de dissipação térmica em floresta de transição amazônica-cerrado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 17, n. 3, p. 268-274, 2013.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: a Language and Environment for Statistical Computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2020.

ROBERTS, J. C.; LITTLE, K. M.; LIGHT, M. E. A comparison of the cost-effectiveness of different eucalypt cut-stump control management options to reduce competition from coppice regrowth during stand establishment in Mpumalanga, South Africa. Southern Forests: a Journal of Forest Science, South Africa, v. 80, n. 3, p. 261-268, dec. 2017.

ROBERTS, J. C.; LITTLE, K. M.; LIGHT, M. E. The use of glyphosate for the management of secondary coppice regrowth in a Eucalyptus grandis x E. urophylla coppice stand in Zululand, South Africa. Southern Forests: a Journal of Forest Science, South Africa, v. 78, n. 3, p. 217-223, may 2016.

SALGADO, T. P. et al. Effects of glyphosate on growth, yield and wood of Eucalyptus grandis. Journal of Tropical Forest Science, Kuala Lumpur, v. 29, n. 3, p. 257-266, jul. 2017.

SANTOS JUNIOR, A. et al. Glyphosate drift in eucalyptus plants. Planta Daninha, Viçosa, MG, v. 33, n. 3, p. 615–621, set. 2015.

SANTOS, S. A. et al. Carfentrazone-ethyl and glyphosate drift inhibits uredinial formation of Austropuccinia psidii on Eucalyptus grandis leaves. Pest Management Science, Sussex, v. 75, n. 1, p. 53-62, jan. 2019.

SHAO, H. B. et al. Water-deficit stress-induced anatomical changes in higher plants. Comptes Rendus Biologies, Paris, v. 331, n. 3, p. 215-225, jan. 2008.

SILVA, A. A.; FERREIRA, F. A.; FERREIRA, L. R. Herbicidas: Classificação e Mecanismos de Ação. In: SILVA, A. S., SILVA, A. A. Tópicos em manejo de plantas daninhas. Viçosa, MG: UFV, 2007. p. 58-117.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

TUFFI SANTOS, L. D. et al. Danos visuais e anatômicos causados pelo glyphosate em folhas de Eucalyptus grandis. Planta Daninha, Viçosa, MG, v. 26, n. 1, p. 9-16, jan. 2008.

TUFFI SANTOS, L. D. et al. Intoxicação de espécies de eucalipto submetidas à deriva do glyphosate. Planta Daninha, Viçosa, MG, v. 24, n. 2, p. 359-364, 2006.

TUFFI SANTOS, L. D. et al. Morphological responses of different eucalypt clones submitted to glyphosate drift. Environmental and Experimental Botany, Elmsford, v. 59, n. 1, p. 11-20, 2007.

VIDAL, J. M. et al. Preservação de madeiras no brasil: histórico, cenário atual e tendências. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 1, p. 257-271, jan. 2015.

VILLAR, E. et al. RNA-Seq reveals genotype-specific molecular responses to water deficit in eucalyptus. BMC Genomics, [s. l.], v. 12, n. 1, p. 1-18, nov. 2011.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

Montes, W. G., Santos, L. D. T., Barros, R. E., Almeida, W., Abreu, A. J. S., Reis, M. M., Donato, L. M. S., & Ferreira, G. A. de P. (2021). Glyphosate e imazapyr no controle de brotações de eucalipto: aplicação no fuste principal anterior ao corte da árvore. Ciência Florestal, 31(4), 1654–1670. https://doi.org/10.5902/1980509840102

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)