Estudo da capacidade de adsorção de carvões ativados comerciais versus tempo de armazenamento

Helen Caroline Valter Fischer, Liliane Schier de Lima, Maria Lurdes Felsner, Sueli Percio Quinaia

Resumo


O carvão ativado pulverizado quando bem embalado e estocado não possui um prazo de validade regulamentado. Em geral, esta validade é determinada de acordo com requisitos estabelecidos pelo próprio fabricante e está diretamente relacionada a uma estimativa de tempo superior ao tempo em que o produto ficará estocado no cliente até a sua utilização. Neste trabalho, avaliou-se a eficiência de carvões ativados de base seca e umectados, relacionando parâmetros de capacidade adsortiva (índice de iodo e umidade) destes materiais com o tempo. Os carvões contendo superfície alcalina não apresentaram variação nos parâmetros avaliados ao longo do tempo de armazenamento, pois não apresentaram significância estatística, uma vez que os valores de  Fregressão<Fcrítico e os valores de p> 0,05, tanto para base seca como úmida. Dos carvões com caráter ácido (pH corrigido), apenas um tipo foi mais sensível à adsorção de umidade e iodo ao longo do tempo. A partir da equação de reta oriunda da análise de regressão linear para este carvão, obteve-se a correlação Índice de Iodo = 824 – 0,370 x dias, indicando que o tempo de armazenamento para este material foi igual a 605 dias, garantindo que o valor do índice de iodo seja igual ao valor limite de 600 mg I2.g-1 carvão.


Palavras-chave


Carvão vegetal; Índice de iodo; Umidade; Prazo de validade

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Carvão ativado pulverizado – Determinação do número de iodo – MB-3410. Rio de Janeiro, 1991a.

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. MB-3414: Carvão ativado pulverizado – determinação da umidade. Rio de Janeiro, 1991b.

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Carvão ativado pulverizado – Especificação – EB-2133. Rio de Janeiro, 1991c.

ALLEN, S. J.; WHITTEN, L. The Production and Characterisation of Activated Carbons: A Review. Developments in Chemical Engineering and Mineral Processing, [s.l.], v. 6, n. 5, p. 231-261, 1998.

AWWA. Standart for Activated Carbon. ANSI/AWWAB600-96. 1996. Denver, Colorado.

DE ARRUDA, E.L.; DE ANDRADE, A. M.; JÚNIOR, A.F.D. Produção e ativação do carvão vegetal de três espécies florestais. Floresta, v. 47, n. 3, 2017.

DEIANA, A. C. et al. Use of grape must as a binder to obtain activated carbon briquettes. Brazilian Journal Chemical Engineering, [s.l.], v. 21, n. 4, p. 585-591, 2004.

EATON, A.D. et al. Standard methods for the examination of water and wastewater. American public health association, [s.l.], v. 21, p. 1600, 2005.

HUNG, Y. et al. Granular Activated Carbon Adsorption in: Physicochemical Treatment Processes. P. 573-633, Humana Press Inc. 2005. DOI. https://doi.org/10.1385/159259820x.

ISO. International Organization for Standardization. ISO 10523:2008, Water quality - Determination of pH. 2008. https://www.iso.org/standard/51994.html.

KOSAKA, Koji et al. Removal of radioactive iodine and cesium in water purification processes after an explosion at a nuclear power plant due to the Great East Japan Earthquake. Water research, [s.l.], v. 46, n. 14, p. 4397-4404, 2012.

LIMA, L. S. et al. Characterization of activated carbons from different sources and the simultaneous adsorption of Cu, Cr, and Zn from metallurgic effluent. Separation and Purification Technology, [s.l.], v. 122, p. 421–430, 2014.

MORENO-CASTILLA, C. Adsorption of organic molecules from aqueous solutions on carbon materials. Carbon, [s.l.], v. 42, p. 83–94, 2004.

SHAMSUDDINA, M.S.; YUSOFFA, N.R.N.; SULAIMAN, M.A. Synthesis and characterization of activated carbon produced from kenaf core fiber using H3PO4 activation. Procedia Chemistry, [s.l.], v. 19, p. 558 – 565, 2016.

WEST, K. Carbon chemistry. Chelsea House Publishers. USA. 117 p. 2008.

YAKOUT, S.M.; SHARAF EL-DEEN, G. Characterization of activated carbon prepared by phosphoric acid activation of olive stones. Arabian Journal of Chemistry, [s.l.], v.9, p. S1155–S1162, 2016.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509838092

Licença Creative Commons