Efeito do tratamento químico na sanidade de sementes de espécies florestais

Lilianne Gomes da Silva, Fernando Carrara Cosmi, Waldir Cintra de Jesus Junior, Antônio Fernando de Souza, Willian Bucker Moraes

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de diferentes tratamentos com fungicidas e hipoclorito de sódio na redução da incidência de fungos em sementes de espécies florestais nativas da Mata Atlântica. O experimento foi conduzido empregando-se o delineamento inteiramente casualizado, no esquema fatorial 5x5, com cinco níveis do fator A (espécies florestais) e cinco níveis do fator B (tratamento químico e desinfestação superficial com hipoclorito de sódio), com quatro repetições. Foram identificados os gêneros fúngicos Fusarium, Alternaria, Aspergillus e Penicillium. As espécies de jacarandá-da-Bahia e ipê-roxo apresentaram menor incidência fúngica com 1% e 1,3%, respectivamente. Exceto para a espécie de angico-vermelho, o fungicida Pencicurom e o hipoclorito de sódio não deferiram estatisticamente da testemunha nas espécies avaliadas. Os tratamentos de sementes com os fungicidas Captan e Tiram proporcionaram resultados satisfatórios quanto à redução da incidência fúngica em sementes de espécies florestais.


Palavras-chave


fungicidas; hipoclorito de sódio; patologia de sementes

Texto completo:

PDF

Referências


BOTELHO, L. da S. Fungos associados às sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia), ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa), aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius) e aroeira-salsa (Schinus molle): incidência, efeitos na germinação, transmissão para plântulas e controle. 2006. 114 f. (Mestrado em Agronomia)-Universidade de São Paulo- Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2006.

CARNEIRO, J. S. Microflora associada a sementes de essências florestais em Paraopeba, MG. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 11, n. 3, p. 556-557, out. 1986.

CARNEIRO, J. S. Qualidade sanitária de sementes de espécies florestais em Paraopeba MG. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v.15, n.1, p.75-7, mar. 1990.

CARVALHO, W. L. de; MUCHOVEJ, J. J. Fungos associados a sementes de essências florestais. Revista Árvore, Viçosa, v. 15, n. 2, p. 173-178, maio/ago. 1991.

CORDER, M. P. M.; JUNIOR, N. B. Desinfestação e quebra de dormência de sementes de Acacia mearnsii de Wild. Ciência Florestal, Santa Maria, v.9, n.2, p.1-7, abr./jun. 1999.

DHINGRA, O. D.; MUCHOVEJ, J. J.; CRUZ FILHO, J. Tratamento de sementes (Controle de Patógenos). Viçosa: Imprensa Universitária, 1980. 121 p.

FERREIRA, F. A. Patologia florestal: principais doenças florestais no Brasil. Viçosa: SIF, 1989. 570 p.

MACHADO, J. da C. Tratamentos de sementes: Fundamentos e aplicações. Brasília: MEC-ESAL-FAEPE, 1988. 106 p.

MACHADO, J. da C. Tratamentos de sementes no controle de doenças. Lavras: LAPS/UFLA/FAEPE, 2000. 138 p.

MENTEN, J. O. M. et al. Evolução dos produtos fitossanitários para tratamentos de sementes no Brasil. In: ZAMBOLIM, L. (Ed.). Sementes: qualidade fitossanitária. Viçosa. Universidade Federal de Viçosa; Departamento de Fitopatologia, 2005. p. 333-374.

MUNIZ, M. F. B; SILVA, L. M. E; BLUME, E. Influência da assepsia e do substrato na qualidade de sementes e mudas de espécies florestais. Revista Brasileira de Sementes, Campinas, v. 29, n. 1, p.140-146, abr. 2007.

NEERGAARD, P. Seed pathology. London: MacMillan Press, 1979. v.1. 839 p.

NETTO, D. A. M.; FAIAD, M. G. R. Viabilidade e sanidade de sementes de espécies florestais. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 17, n. 1, p. 75-80, jan./jun. 1995.

SALES, N. L. Efeito da população fúngica e do tratamento químico no desempenho de sementes de Ipê-amarelo, Ipê-roxo e Barbatimão. 1992. 89 p. (Mestrado em Fitopatologia)- Universidade Federal de Lavras, Lavras, 1992.

SANTOS, A. F. dos; MEDEIROS, A. C. S.; SANTANA, D. L. Q. Fungos associados às sementes de espécies arbóreas da Mata Atlântica. Colombo, n. 42, p.57-70, jan./jun. 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050983804

Licença Creative Commons