DESENVOLVIMENTO INICIAL E EFICIÊNCIA DE USO DE ÁGUA E NITROGÊNIO POR MUDAS DE Calophyllum brasiliense, Eucalyptus urograndis, Tabebuia impetiginosa E Toona ciliata1

Anderson Fernandes Souza, Elio de Oliveira Rocha Junior, Valdemir Antônio Laura

Resumo


O conhecimento sobre o desenvolvimento inicial das mudas é fundamental para o sucesso de atividades de reflorestamento e de plantio em florestas naturais. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento inicial e a eficiência de uso de água e nitrogênio por mudas de quatro espécies florestais nativas e exóticas (Calophyllum brasiliense (nativa), Eucalyptus urograndis (exótica), Toona ciliata (exótica) e Tabebuia impetiginosa (nativa)) com idade de aproximadamente 120 dias após a semeadura por 120 dias após o transplante em condições de casa de vegetação. Foram realizadas amostragens destrutivas para avaliar a biomassa seca (folha, caule, raiz e total), área foliar, relação raiz/parte aérea e nitrogênio total nas mudas. Com base nessas variáveis, foram calculados os parâmetros fisiológicos de crescimento e a eficiência de uso de água, que foi obtida pela razão entre o total de biomassa seca acumulada e a evapotranspiração dos vasos no período, determinada através de pesagens diárias em balança de bancada. Ao final de 240 dias após a semeadura, Calophyllum brasiliense e Tabebuia impetiginosa apresentaram maior produção de biomassa seca total e Toona ciliata apresentou maior relação raiz/parte aérea. Não houve diferenças entre a taxa de crescimento relativo das espécies avaliadas. Eucalyptus urograndis, Toona ciliata e Calophyllum brasiliense apresentaram os maiores valores de razão de área foliar, Toona ciliata, Tabebuia impetiginosa e Eucalyptus urograndis apresentaram os maiores valores de área foliar específica, Eucalyptus urograndis e Calophyllum brasiliense apresentam os maiores valores para razão de massa foliar e Tabebuia impetiginosa, Toona ciliata e Eucalyptus urograndis apresentaram os maiores valores de taxa de assimilação líquida. Com base na quantificação do nitrogênio total, Tabebuia impetiginosa e Toona ciliata foram as espécies mais eficientes no uso do nitrogênio. Eucalyptus urograndis apresentou a maior evapotranspiração enquanto Calophyllum brasiliense e Tabebuia impetiginosa foram as espécies mais eficientes no uso de água.


Palavras-chave


análise de crescimento; consumo de água; espécies florestais; espécies nativas.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR-NETTO, A. O.; RODRIGUES, J. D.; PINHO, S. Z. Análise de crescimento na cultura da batata submetida a diferentes lâminas de irrigação. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 35, p. 901-907, 2000.

ALVAREZ, R. C. F. et al. Análise de crescimento de duas cultivares de amendoim (Arachis hypogaea L.). Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v. 27, n. 4, p. 611-616, 2005.

ANTUNEZ, I.; RETAMOSA, E. C.; VILLAR, R. Relative growth rate in phylogenetically related deciduous and evergreen woody species. Oecologia, Berlin, v. 128, p. 172-180, 2001.

BAÑON, S. et al. Effects of water stress and night temperature preconditioning on water relations and morphological and anatomical changes of Lotus creticus plants. Scientia Horticulturae, Amsterdam, v. 101, p. 333-342, 2004.

BENINCASA, M. M. P. Análise de crescimento de plantas, noções básicas. Jaboticabal: FUNEP, 2003. v. 2. 42 p.

BREDEMEIER, C.; MUNDSTOCK, C. M. Regulação da absorção e assimilação do nitrogênio nas plantas. Ciência Rural, Santa Maria, v. 30, n. 2, p. 365-372, 2000.

BUTTERFIELD, R.; ESPINOZA, M. Screening trial of 14 tropical hardwoods with an emphasis on species native to Costa Rica: fourth year results. New Forests, Dordrecht, v. 9, p. 135-145, 1995.

CARNEVALI, N. H. S. et al. Eficiência nutricional de mudas de Stryphnodendron polyphyllum em função de nitrogênio e fósforo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 2, p. 449-461, 2016. http://dx.doi.org/10.5902/1980509822746.

CARPENTER, F. L.; NICHOLS, J. D.; SANDI, E. Early growth of native and exotic trees planted on degraded tropical pasture. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 196, p. 367-378, 2004.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Florestais Brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: EMBRAPA; CNPF, 1994. 640 p.

CLAUSSEN, J. W. Acclimation abilities of three tropical rainforest seedlings to an increase in light intensity. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 80, p. 245-255, 1996.

CONCEIÇÃO, M.; LOPES, N.; FORTES, G. Análise de crescimento de plantas de batata-doce (Ipomoea batatas L.) cultivares abóbora e da costa. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 11, n. 3, p. 273-278, 2005.

CORNELISSEN, J. H. C.; CASTRO-DÍEZ, P.; HUNT, R. Seedling growth, allocation and leaf attributes in a wide range of woody plant species and types. Journal of Ecology, London, v. 84, p. 755-765, 1996.

CRISÓSTOMO, J. A.; FREITAS, H.; RODRÍGUEZ-ECHEVERRÍA, S. Relative growth rates of three woody legumes: implications in the process of ecological invasion. Web Ecology, [s. l.], v. 7, p. 22-26, 2007.

CRUZ, C. A. F. et al. Efeito de diferentes níveis de saturação por bases no desenvolvimento e qualidade de mudas de ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa (Mart.) Standley). Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 66, p. 100-107, 2004.

CRUZ, C. A. F.; PAIVA, H. N.; GUERRERO, C. R. A. Efeito da adubação nitrogenada na produção de mudas de sete-cascas (Samanea inopinata (Harms) Ducke). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 30, n. 4, p. 537-546, 2006.

DOORENBOS, J.; KASSAN, A. H. Yield response to water. Rome: FAO, 1979. 193 p. (Irrigation and Drainage Paper, 33).

EDWARDS, C.; READ, J.; SANSON, G. Characterisingsclerophylly: some mechanical propertis of leaves from heath and forest. Oecologia, Berlin, v. 123, p. 158-167, 2000.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: EMBRAPA, 1999. 412 p.

ESTAT. Sistema de análises estatísticas. Jaboticabal: FCAV; UNESP, 1994.

FARIA, G. E. et al. Avaliação da produtividade, conteúdo e eficiência de utilização de nutrientes em genótipos de Eucalyptus spp. no Vale do Jequitinhonha, MG. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 3, p. 363-373, 2008.

FINGER, C. A. G. et al. Estabelecimento de povoamentos de Pinus elliottii Engelm pela semeadura direta a campo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 107-113, 2003.

GONÇALVES, J. L. M. et al. Produção de mudas de espécies nativas: substrato, nutrição, sombreamento e fertilização. In: GONÇALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. (Ed.). Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 309-350.

GRAVE. F. et al. Crescimento de plantas jovens de açoita-cavalo (Luehea divaricata) em quatro diferentes substratos. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 4, p. 289-298, 2007.

GRECCO, E. D. et al. Estimativa do índice de área foliar e determinação do coeficiente de extinção luminosa da abóbora Cucurbita moschata var. japonesa. Idesia, Arica, v. 29, n. 1, p. 37-41, 2011. https://dx.doi.org/10.4067/S0718-34292011000100006

GROOM, P. K.; LAMONT, B. B. Which common indices of sclerophylly best reflect differences in leaf structure? Ecoscience, Saint-Foy, v. 6, n. 3, p. 471-474, 1999.

HATIFIELD, J. L.; SAUER, T. J.; PRUEGER, J. H. Managing soils to achieve greater water use efficiency: a review. Agronomy Journal, Madison, v. 93, p. 271-280, 2001.

HOAGLAND, D. R.; ARNON, D. I. The water culture method for growing plants without soils. Berkeley: California Agricultural Experimental Station, 1950. 347 p.

HUNT, R. et al. A modern tool for classical plant growth analysis. Annals of Botany, Oxford, v. 90, p. 485-488, 2002.

JIMÉNEZ, J. J. et al. Soil organic carbon pool under native tree plantations in the Caribbean lowlands of Costa Rica. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 241, p. 134-144, 2007.

JUNG, L. H. et al. Irrigation in initial development of Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis and Eucalyptus grandis x Eucalyptus camaldulensis. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 2, p. 655-667, 2017. http://dx.doi.org/10.5902/1980509827750.

LADEIRA, B. C. Crescimento, produção de biomassa e eficiência nutricional de Eucalyptus spp., sob três espaçamentos, em uma seqüência de idades. 1999. 132 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 1999.

LAMBERS, H.; POORTER, H. Inherent variation in growth rate between higher plants: a search for physiological causes and ecological consequences. Advances in Ecological Research, London, v. 23, p. 187-261, 1992.

LARCHER, W. Ecofisiologia Vegetal. São Carlos: Rima, 2006. 550 p.

LORENZI, H. et al. Árvores Exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Plantarum, 2003. 385 p.

MARIMON, B. S. et al. Desenvolvimento inicial e partição de biomassa de Brosimum rubescensTaub. (Moraceae) sob diferentes níveis de sombreamento. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 22, n. 4, p. 941-953, 2008.

MEZIANE, D.; SHIPLEY, B. Direct and indirect relation between specific leaf area, leaf nitrogen and leaf gas exchange effects of irradiance and nutrient supply. Annals of Botany, Oxford, v. 88, p. 915-917, 2001.

MOTA, L. H. S.; SCALON, S. P. Q.; HEINZ, R. Sombreamento na emergência de plântulas e no crescimento inicial de Dipteryx alata Vog. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 3, p. 423-431, 2012.

ODA, S; MENCK, A. L. M.; VENCOVSKY, R. Problemas no melhoramento genético clássico do eucalipto em função da alta intensidade de seleção. Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais, Piracicaba, v. 41/42, n. 3, p. 8-17, 1989.

OGBONNAYA, C. I. et al. Growth and water relations of Kenaf (Hibiscus cannabinus L.) under water deficit on a sandy soil. Ind. Crop Production, Washington, v. 8, p .65-76, 1998.

OLIVEIRA, A. D. et al. Avaliação econômica da vegetação de cerrado submetida a diferentes regimes de manejo e de povoamentos de eucalipto plantado em monocultivo. Cerne, Lavras, v. 4, n. 1, p. 34-56, 1998.

OLIVEIRA, A. K. M.; GUALTIERI, S. C. J. Crescimento inicial de Tabebuia aurea sob três intensidades luminosas. REVSBAU, Piracicaba, v. 6, n. 2, p. 90-103, 2011.

PEREIRA, A. R. Como selecionar plantas para áreas degradadas e controle de erosão. 2. ed. Belo Horizonte: FAPI, 2008. 239 p.

POORTER, H.; REMKES, C. Leaf area ratio and net assimilation rate of 24 wild species differing in relative growth rate. Oecologia, Berlin, v. 83, p. 553-559, 1990.

POORTER, H.; REMKES, C.; LAMBERS, H. Carbon and nitrogen economy of 24 wild species differing in relative growth rate. Plant Physiology, Bethesda, v. 94, p. 621-627, 1990.

POORTER, L. Growth responses of 15 rain-forest tree species to a light gradient: the relative importance of morphological and physiological traits. Functional Ecology, London, v. 13, p. 396-410, 1999.

POPMA, J.; BONGERS, F.; WERGER, M. J. A. Gap-dependence and leaf characteristics of trees in a tropical lowland rain forest in Mexico. Oikos, Copenhagen, v. 63, p. 207-214, 1992.

PRADO, R. M. Nitrogênio. In: PRADO, R. M. (Ed.). Nutrição mineral de plantas. São Paulo: Editora UNESP, 2008. 407 p.

QUERO, J. L. et al. Interactions of drought and shade effects on seedlings of four Quercus species: physiological and structural leaf responses. New Phytologist, Cambridge, v. 170, p. 819-834, 2006.

RANA, G.; KATERJI, N.; MASTRORILLI, M. Environmental and soil-plant parameters for modeling actual crop evapotranspiration under water stress conditions. Ecological Modelling, Amsterdam, v. 101, p. 363-371, 1997.

REICH, P. B.; WALTERS, M. B.; ELLSWORTH, D. S. Leaf lifespan in relation to leaf plant and stand characteristics among diverse ecosystems. Ecological Monographs, Lawrence, v. 62, p. 365-392, 1992.

REIS, M. G. F.; BARROS, N. F. Ciclagem de nutrientes em plantios de eucalipto. In: BARROS, N. F.; NOVAIS, R. F. (Ed.). Relação solo-eucalipto. Viçosa, MG: Ed. Folha de Viçosa, 1990. p. 265-296.

RICKEN, P. et al. Crescimento diamétrico de povoamento de Toona ciliata var. australis em Adrianópolis, PR. Colombo: EMBRAPA, 2011. (Comunicado Técnico, n. 285).

RUIZ-ROBLETO, J.; VILLAR, R. Relative growth rate and biomass allocation in 10 woody species with different leaf longevity using phylogenetic independent contrasts PICs. Plant Biology, Stuttgart, v. 7, p. 484-494, 2005.

SILVA, S. F. et al. Modelos alométricos para estimativa da área foliar de mangueira pelo método não destrutivo. Revista Agro@mbiente On-line, Boa Vista, v. 9, n. 1, p. 86-90, 2015.

SCHNEIDER, P. S. P.; SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Crescimento do ipê-roxo, Tabebuia impetiginosa Martius ex A. P. de Candolle, na depressão central do estado do rio grande do sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 10, n. 2, p. 91-100, 2000.

SEREDA, F. Caracterização nutricional e grau de esclerofilia foliar de guanandi em floresta ombrófila densa no litoral do Paraná. 2008. 80 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

SILVA, F. C. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2. ed. rev. ampl. Brasília: EMBRAPA; SCT, 2009. 627 p.

SILVA, L. C.; BELTRÃO, N. E. M.; AMORIM NETO, M. S. Análise do crescimento de comunidades vegetais. Campina Grande: EMBRAPA; CNPA, 2000. 18 p. (Circular Técnica, 34).

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA. Fatos e Números do Brasil Florestal. [2008]. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2013.

SOUZA, J. C. A. V.; BARROSO, D. G.; CARNEIRO, J. G. A. Cedro Australiano (Toona ciliata). Niterói: Programa Rio Rural, 2010. 12 p. (Manual Técnico, 21).

WALTERS, M. B.; KRUGER, E. L.; REICH, P. B. Relative growth rate in relation to physiological and morphological traits for northern hardwood seedlings: species, light environment and ontogenetic considerations. Oecologia, Berlin, v. 96, p. 219-231, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509835054

Licença Creative Commons