FRAGMENTAÇÃO DA PAISAGEM NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA-SP

Lucimara Teixeira, Fernanda Dall’Ara Azevedo, Fabrício Bau Dalmas, Antonio Roberto Saad, Antonio Conceição Paranhos Filho, Marcio Roberto Magalhães de Andrade

Resumo


A fragmentação e a destruição de habitat são atualmente as maiores causas da redução da biodiversidade. Uma das estratégias de conservação de habitat é a criação de corredores ecológicos que são áreas de conectividade entre fragmentos isolados. Este estudo foi realizado no município de Bragança Paulista, inserido no domínio da Mata Atlântica, região de abrangência do Corredor Mantiqueira na Área de Proteção Ambiental (APA) Piracicaba-Juqueri-Mirim. Os objetivos deste trabalho foram: i - avaliar o isolamento dos remanescentes florestais nativos com base nos parâmetros de paisagem definidos como tamanho, forma, área interior e conectividade; e, ii - identificar áreas potenciais para formação de corredores ecológicos na região de estudo. A metodologia aplicada foi baseada em técnicas de geoprocessamento, em um Sistema de Informações Geográficas e a base de dados utilizada foi composta pelo Inventário Florestal do Estado de São Paulo do Instituto Florestal; cartas topográficas do IBGE, em escala 1:50.000, associada a um plano de informação constituído pelos limites municipais do Instituto Geográfico e Cartográfico do Estado de São Paulo, toda a base em formato vetorial. Os resultados indicaram que a grande maioria dos fragmentos é pequeno, com forma alongada, com baixo índice de área interior e baixa conectividade, o que torna a paisagem de Bragança Paulista e seu entorno bastante fragmentados. Entretanto, vale destacar que esta região ainda contém importantes remanescentes florestais, tanto quando se considera a área de alguns fragmentos, como a conectividade entre eles. Os corredores ecológicos identificados na área de estudo, denominados Corredor Jaguari e Corredor Baronesa-Iguatemi, incluem 74% de toda a cobertura florestal estudada e, se implantados em Bragança Paulista, poderão contribuir para a formação de um cinturão verde no município com a função de proteção dos recursos hídricos do rio Jaguari e para a manutenção da biodiversidade local e regional.


Palavras-chave


ecologia da paisagem; Mata Atlântica; fragmentos florestais; geoprocessamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. G. Análise espacial dos fragmentos florestais na área do Parque Nacional dos Campos Gerais, Paraná. 2008. 72 f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) - Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2008.

BENNETT, A. F. Linkages in the Landscape: the role of corridors and connectivity in wildlife conservation. 2. ed. Gland; Cambridge: IUCN, 2003. v. 14.

BENNETT, A. F.; SAUNDERS, D. A. Habitat fragmentation and landscape change. Conservation Biology for All, [s. l.], v. 93, p. 1544-1550, 2010.

BRASIL, Novo Código Florestal. Lei n 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 maio 2012. Seção 1, p. 1-8.

CALEGARI, L. et al. Análise da Dinâmica de Fragmentos Florestais no Município de Carandaí, MG, para Fins de Restauração Florestal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 5, p. 871-880, 2010.

CERQUEIRA, R. et al. Fragmentação: alguns conceitos. Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Brasília: MMA; SBF, 2003. p. 23-40.

CHATURVEDI, M. D. Measurements of the Cubical Contents of Forest Crops: being a critical investigation into the methods of measuring sample plots, with special reference to the liability to error. Oxford: Oxford University Press, 1926.

CHRISTIE, M. R.; KNOWLES, L. L. Habitat Corridors facilitate genetic resilience irrespective of species dispersal abilities or population size. Evolutionary Applications, [s. l.], v. 8, p. 454-463, 2015.

DITT, E. H. Fragmentos florestais no Pontal do Paranapanema. São Paulo: Annablume; IPE; IIEB, 2002. 140 p.

DURIGAN, G. Protocolo de avaliação de áreas prioritárias para a conservação da Mata Atlântica na região da Serra do Mar/Paranapiacacuíba. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 39-54, 2009.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE. ArcGIS Desktop: Release 9.3. Redlands: Envrionmental Systems Research Institute, 2009.

FAHRIG, L. Effects of habitat fragmentation on biodiversity. Annual review of ecology, evolution, and systematics, [s. l.], p. 487-515, 2003.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA; INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica período de 2008-2010. São Paulo: INPE, 2011.

GAMEIRO, M. S.; SUGUIO, K. Problemas geoambientais provocados pela expansão urbana no município de Bragança Paulista, SP. Revista Geociências-UnG, Guarulhos, v. 7, n. 1, p. 48-63, 2008.

GREGGIO, T. C.; PISSARRA, T. C. T.; RODRIGUES, F. M. Avaliação dos fragmentos florestais do Município de Jaboticabal-SP. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 1, p. 117-124, 2009.

HADDAD, N. M. et al. Habitat fragmentation and its lasting impact on Earth’s Ecosystems. Science Advances, Washington, v. 1, p. 1-9, 2015.

IBGE. Informações sobre os municípios brasileiros. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2015.

INSTITUTO FLORESTAL (SP). Inventário Florestal da Cobertura Vegetal Nativa do Estado de São Paulo do Instituto Florestal. São Paulo: IF; SMA, 2009.

KRONKA, F. J. N et al. Inventário florestal da vegetação do Estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente; Instituto Florestal, 2005. 200 p.

LOCH, C. et al. Definição de áreas para a formação de corredores ecológicos através da integração de dados em um Sistema de informação geográfica. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v. 3, n. 65, p. 455-465, 2013.

MAC ARTHUR, R. H.; WILSON, E. O. The theory of island biogeography. Princeton: Princeton University Press, 1967. 224 p.

MCGARIGAL, K. Landscape pattern metrics. Encyclopedia of environmetrics. England: John Wiley & Sons, 2002.

METZGER, J. P. et al. Uso de índices de paisagem para a definição de ações de conservação e restauração da biodiversidade do Estado de São Paulo. Diretrizes para Conservação e Restauração da Biodiversidade no Estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente; Fapesp, 2008.

OLIVEIRA, A. M. S. (Coord.). Diagnóstico ambiental para o manejo sustentável do Núcleo Cabuçu do Parque Estadual da Cantareira e áreas vizinhas do município de Guarulhos. Projeto Cabuçu UnG/FAPESP, Relatório Final. Guarulhos: Universidade Guarulhos, 2005.

PONÇANO, W. L. et al. Mapa geomorfológico do Estado de São Paulo: mapas. São Paulo: IPT, 1981. 94 p.

RAMBALDI, D. M.; OLIVEIRA, D. A. S. Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. [s. l.]: Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2003. 510 p.

RANTA, P. et al. The fragmented Atlantic rain forest of Brazil: size, shape and distribution of forest fragments. Biodiversity & Conservation, London, v. 7, n. 3, p. 385-403, 1998.

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA (Brasil). Revisão e atualização dos limites e zoneamento da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica em base cartográfica digitalizada: fase VI. São Paulo: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, 2009.

RIBEIRO, M. C. et al. The brazilian atlantic forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, Essex, v. 142, p. 1141-1153, 2009.

SÃO PAULO. Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas a Agricultura. Clima dos Municípios Paulistas. 2009. Disponível em:

SOUZA, C. G. et al. Análise da fragmentação florestal da área de proteção ambiental Coqueiral, Coqueiral – MG. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 3, p. 631-644, jul./set. 2014.

WANG, X.; BLANCHET, F.; KOPER, N. Measuring habitat fragmentation: an evaluation of landscape pattern metrics. Methods in Ecology and Evolution, [s. l.], v. 5, n. 7, p. 634-646, 2014.

ZANELLA, L. et al. Atlantic Forest fragmentation analysis and landscape restoration management scenarios. Natureza & Conservação, Curitiba, v. 10, n. 1, p. 57-63, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509833360

Licença Creative Commons