Adequação do teste de lixiviação de potássio em sementes de Moringa oleifera

Maria Luiza Souza Medeiros, Andréa Celina Ferreira Demartelaere, Márcio Dias Pereira, Guilherme Vinicius Gonçalves de Pádua

Resumo


Os métodos que possibilitam a rápida avaliação do vigor são de grande interesse no controle de qualidade de sementes nas grandes empresas, visto que, o teste de lixiviação de potássio tem se mostrado uma ferramenta eficiente na avaliação dos lotes de espécies como a Moringa oleifera, que apresenta alto potencial nos diferentes subprodutos da planta, podendo ser empregado na agricultura e indústria farmacêutica. O objetivo do trabalho foi adequar a metodologia do teste de lixiviação de potássio em sementes de moringa. Os experimentos foram realizados em Laboratório de Sementes e em casa de vegetação, utilizando-se quatro lotes de sementes, submetidos aos testes de germinação, emergência de plântula, comprimento total e massa seca de plântulas e o teste de frio, para a caracterização fisiológica, além do teste de lixiviação de potássio. Este último foi realizado com amostras de 25 e 50 sementes, colocadas em copos plásticos contendo 70 e 100 mL de água destilada à 25 °C por períodos de 1, 2, 3, 4, 5 e 6 h. O delineamento foi em DIC com quatro repetições por tratamento, e os resultados submetidos a ANOVA, quando significativos pelo teste F, as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5 %. Pode-se afirmar que, em todas as avaliações realizadas, apenas um lote se destacou em relação demais, pois, apresentou menor quantidade de lixiviados de potássio e maior potencial fisiológico em condições de laboratório e em campo. As combinações de amostras de 25 e os volumes 75 e 100 mL de água destilada, 50 sementes em um volume de 75 e 100 mL de água destilada por 5 e 6 horas de embebição, foi a metodologia do teste de lixiviação de potássio mais adequado para classificar lotes de sementes de M. oleifera, em função de sua qualidade fisiológica.


Palavras-chave


Moringa; Extração de íons; Vigor

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, C. Z.; SÁ, M. E. Avaliação do vigor de sementes de rúcula pelo teste de lixiviação de potássio. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 32, n. 2, p. 108-116, 2010.

AGUSTINI, M. A. B. et al. Maturidade fisiológica de sementes de Moringa oleifera (Lam). Revista Cultivando o Saber, Cascavel, v. 8 n. 3, p. 267 – 278, 2013.

ARAÚJO, A. V.; SILVA, M. A. D. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de Encholirium spectabile mart. ex schult. & schult. f. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 1, 2018.

BARBIERI, A. P. P. et al. Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 34, n. 1, p. 117-124, 2012.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 399p. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/ file/2946_regras_analise__sementes.pdf. Acesso em: 21 Jul. 2015.

FRANCA-NETO, J. de B. et al. Sementes de soja de alta qualidade: a base para altas produtividade. In: CONGRESO DE LA SOJA DEL MERCOSUR, 5.; FORO DE LA SOJA ASIA, 5., 2011, Rosário. Anais... Rosario, 2011. p. 1-4. .

GONZALES, J. L. S. et al. Qualidade fisiológica de sementes de diferentes árvores matrizes de Corymbia citriodora (Hook.). Revista Cultivando o Saber, Cascavel, v. 39, n. 90, p. 171-181, 2011.

GUEDES, R. S. et al. Umedecimento do substrato e temperatura na germinação e vigor de sementes de Amburana cearensis (All.) A.C. Smith. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 32, n. 3, 2010.

KIKUTI, H. et al. Teste de lixiviação de potássio para avaliação do vigor de sementes de amendoim. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 30, n. 1, p. 10-18, 2008.

LIMA JÚNIOR, M. J. Manual de procedimentos para análise de sementes florestais. UFAM, Manaus. p.58-74, 2010.

MARCOS FILHO, J. Importância do potencial fisiológico da semente de soja. Informativo Abrates, v. 23, n. 1, p. 21-24, 2016.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2ed. 2015. 660p.

MENEZES, N. L. et al. Teste de condutividade elétrica em sementes de aveia preta. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 29, n. 2, p. 138-142, 2007.

MIGUEL, M. V. C.; MARCOS FILHO, J. Potassium leakage and maize seed physiological potential. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 59, n. 2, p. 315-319, 2002.

MUNIZZI, A. et al. Qualidade de sementes de quatro cultivares de soja, colhidas em dois locais no estado de Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 32, n. 1, p. 176-185, 2010.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: Krzyzanoski, F.C.; Vieira, R.D.; França Neto, J.B. (Ed.) Vigor de sementes: conceitos e testes. ABRATES, Londrina, Brasil. p. 2.1-2.24, 1999.

PANOBIANCO, M.; MARCOS FILHO, J. Envelhecimento acelerado e deterioração controlada em sementes de tomate. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 58, n. 3, p. 525-531, 2001.

PATERNIANI, J. E. S. et al. Uso de sementes de Moringa oleifera para tratamento de águas superficiais, Campina Grande, v. 13, n. 6, p. 765–771, 2009.

PEREIRA, K. T. O. et al. Germinação e vigor de sementes de Moringa oleifera Lam. em diferentes substratos e temperaturas. Revista Caatinga, Mossoró, v. 28, n. 2, p. 92 – 99, 2015.

ROCHA, T. G. F. Qualidade de sementes e plântulas de Moringa oleifera por meio da técnica de análises de imagens, 2015. 51f. Dissertação (Mestrado em Ciências florestais), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Macaíba, 2015.

RODRIGUES, L. A. et al. Qualidade de mudas de Moringa oleifera Lam. cultivadas em substratos com fibra de coco verde e compostos orgânicos. Revista Ceres, Viçosa, v. 63, n.4, p. 545-552, 2016.

ROSA, R.C.T. et al. Teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de cebola. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, v. 11/12, p. 242-255, 2015.

SAS Institute (2011) SAS/STAT Versão 9.3: User’s Guide. SAS Institute Inc., 8621.

SILVA, R. F. et al. Crescimento e qualidade de mudas de Timbó e Dedaleiro cultivadas em solo contaminado por cobre. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 16, n. 8, p. 881-886, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832534