ENXERTIA DE PROPÁGULOS TRUNCIFORMES NOS RAMOS DE Araucaria angustifolia E MULTIPLICAÇÃO DE MATRIZES

Valdeci Constantino, Flávio Zanette

Resumo


A enxertia em Araucaria angustifolia é uma alternativa em relação à produção de mudas por sementes. No entanto, a disponibilidade natural de propágulos é muito limitada, uma vez que somente material obtido do tronco (ortotrópico) pode ser utilizado. O objetivo deste trabalho foi avaliar a técnica de enxertia sobre ramos da araucária e o tropismo dos enxertos visando à multiplicação de propágulos. A enxertia foi realizada no início de julho de 2014 por meio da técnica de placagem lenhosa em 20 plantas de Araucaria angustifolia com três anos de idade. Foram utilizadas borbulhas ortotrópicas obtidas de troncos e enxertadas em 43 ramos localizados nos três últimos verticilos superiores, em uma distância de 10 cm do tronco da planta porta-enxerto. Foi avaliada a sobrevivência dos enxertos, a qualidade da cicatrização, o tropismo (ângulo de crescimento), o comprimento e o diâmetro das brotações dos enxertos, bem como o diâmetro dos ramos porta-enxerto e sua relação com o diâmetro da brotação dos enxertos. Os dados foram analisados por meio de ferramentas de estatística descritiva. A enxertia nos ramos da araucária é viável. Apesar das diferenças morfológicas e funcionais, a interação entre enxertos de origem ortotrópica e ramos porta-enxertos plagiotrópicos não interfere no pegamento, na cicatrização e no crescimento inicial dos enxertos, pelo menos até 180 dias após a enxertia. Portanto, a possibilidade de enxertia em vários ramos de uma mesma planta configura uma alternativa para multiplicação de borbulhas ortotrópicas. O tropismo das brotações depende da origem do enxerto. Propágulos trunciformes (obtidos de tronco) não são afetados pela interação quando enxertados em ramos porta-enxertos plagiotrópicos, dando origem a brotações com crescimento ortotrópico e morfologia de tronco juvenil. Os ramos do verticilo superior são os mais indicados para enxertia visando à multiplicação de propágulos ortotrópicos, pois estão menos sujeitos à dominância apical.


Palavras-chave


tropismo; plagiotrópico; ortotrópico; propagação vegetativa

Texto completo:

PDF

Referências


ANSELMINI, J. I.; ZANETTE, F. Microenxertia e sua caracterização morfológica em Araucaria an-gustifolia. Ciência Rural, Santa Maria, v. 38, n. 4, p. 967-973, 2008.

BERLETH, T.; SACHS, T. The morphogenesis: long distance coordination and local patterning. Current Opinion in Plant Biology, London, v. 4, p. 57-62, 2001.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano de manejo: Parque Nacional das Araucárias. Brasília: MMA, 2010.

BRASIL. Lei Nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 1 abr. 2016.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria n. 443 de 17 de dezembro de 2014. Lista nacional oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 dez. 2014, seção 1, p. 111.

CASTELLA, P. R.; BRITEZ, R. M. A. (Org.). Floresta com Araucária no Paraná: conservação e diagnóstico dos remanescentes florestais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. 233 p.

CAÑIZARES, K. A. L.; SANTOS, H. S.; GOTO, R. Enxertia em Hortaliças. São Paulo: [s. n.], 2003.

CARVALHO, R. I. N. Fisiologia de produção de espécies frutíferas. In: WACHOWICZ, C. M.; CARVALHO, R. I. N. Fisiologia vegetal: produção e pós-colheita. Curitiba: Champagnat, 2002. p. 135-182.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (Brasil). Resolução CONAMA Nº 278/2001. Dispõe contra corte e exploração de espécies ameaçadas de extinção da flora da Mata Atlântica. Diário Oficial União, Brasília, DF, 18 jul. 2001, p. 51-52.

FACHINELLO, J. C. et al. Propagação de plantas frutíferas de clima temperado. 2. ed. Pelotas: UFPEL, 1995. 178 p.

FAZIO, G.; ROBINSON, T. Modification of nursery tree architecture with apple rootstocks: a breeding perspective. New York Fruit Quarterly, Geneva, v. 16, n. 1, p. 13-16, 2008.

FRIML, J. et al. Efflux-dependent auxin gradients establish the apical-basal axis of Arabidopsis. Nature, London, v. 426, p. 147-153, 2003.

GOLDSCHMIDT, E. E. Plant grafting: new mechanisms, evolutionary implications. Frontiers in Plant Science, Lausanne, v. 5, dez. 2014.

GURGEL, J. T. A.; GURGEL FILHO, O. A. Métodos de enxertia para o pinheiro brasileiro, Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze., visando-se a formação de pomares de sementes. Silvicultura em São Paulo, São Paulo, v. 6, p. 153-155, 1967.

HACKETT, W. P. Donor plant maturation and adventitious root formation. In: DAVIES, T. D.; HAISSIG, B. E.; SANKHLA, N. (Ed.). Adventitious root formation in cuttings. Portland: Dioscorides, 1987. p. 11-28. (Advances in Plant Sciences Series, 2).

HARTMANN, H. T. et al. Plant propagation: principles and practices. 7th ed. New Jersey: Prentice Hall, 2002. 880 p.

HIBBERT-FREY, H. et al. Grafting Fraser Fir (Abies fraseri): effect of scion origin (crown position and branch order). HortScience, Virgínia, v. 46, n. 1, p. 91-94, 2011.

HUECK, K. As Florestas da América do Sul. São Paulo: Editora Polígono, 1972. p. 206-239.

IRITANI, C. Aspectos múltiplos da cultura in vitro da Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. 1997. 200 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1997.

KAGEYAMA, P. Y.; FERREIRA, M. Propagação vegetativa por enxertia em Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. Instituto de Pesquisas e Estudos Flores¬tais, Piracicaba, n. 11, p. 95-102, 1975.

MÄHLER JUNIOR, J. K. F.; LAROCCA, J. F. Fitofisionomias, desmatamento e fragmentação da Floresta com Araucária. In: FONSECA, C. R. et al. (Ed.). Floresta com Araucária. Ecologia, conservação e desenvolvimento sustentável. Ribeirão Preto: Editora Holos, 2009. p. 243-252.

MUDGE, K. et al. A history of grafting. Horticultural Reviews, Bethesda, v. 35, n. 9, p. 437-493, 2009.

NIKLES, D. G. Araucaria cunninghamii “bark-patch” grafting in the field. Australian Forest Research, Canberra, v. 1, n. 1, p. 45-47, 1964.

PEIL, R. M. A enxertia na produção de mudas de hortaliças. Ciência Rural, Santa Maria, v. 33, n. 6, p. 1169-1177, nov./dez. 2003.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 719 p.

WENDLING, I. Enxertia e florescimento precoce em Araucaria angustifolia. Colombo: Embrapa Florestas, 2011. (Comunicado Técnico, 272).

WENDLING, I. et al. Indução de brotações epicórmicas ortotrópicas para a propagação vegetativa de árvores adultas de Araucaria angustifolia. Agronomía Costarricense, Costa Rica, v. 33, n. 2, p. 309-31, 2009.

WENDLING, I. Tecnologia de enxertia de Araucaria angustifolia para produção precoce de pinhões, com plantas de porte reduzido. Colombo: Embrapa Florestas, 2015. (Comunicado Técnico, 351).

XAVIER, A.; WENDLING, I.; SILVA, R. L. Silvicultura clonal: princípios e técnicas. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2009. 272 p.

ZANETTE, F. A araucária como fruteira para a produção de pinhões. Jaboticabal: Funep, 2010. 25 p. (Série Frutas Nativas).

ZANETTE, F.; OLIVEIRA, L. S.; BIASI, L. A. Grafting of Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze through the four seasons of the year. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 33, n. 4, p. 1364-1370, dez. 2011.

ZOBEL, B.; TALBERT, J. Applied forest tree improvement. New York: North Carolina State University, 1984. 505 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832103

Licença Creative Commons