Biomassa de espécies florestais para produção de carvão vegetal

Amanda Pinheiro Fortaleza, José Jaime Pessoa do Nascimento Filho, Rafaela Patrícia da Silva Ceretta, Denes de Souza Barros, Simonne Sampaio da Silva

Resumo


Devido à alta demanda das empresas por geração de energia oriunda de fontes renováveis, o objetivo deste estudo foi analisar as propriedades da madeira e do carvão proveniente de três espécies florestais: Ceiba pentandra (L.) Gaertn. (Sumaúma), Guatteria sp. (Envirão) e Brosimum sp. (Mumuré). O material foi coletado na Empresa Rosa Madeireira Ltda. De cada espécie foram coletadas 10 amostras para a análise das propriedades da madeira e do carvão e, destas, 5 amostras foram utilizadas para a análise química. As propriedades avaliadas foram: densidade básica e teor de umidade da madeira, rendimento gravimétrico, densidade aparente e teor de umidade do carvão e, composição química. Os dados foram submetidos à Análise de Variância e médias comparadas pelo teste Tukey a 5% de probabilidade, assim como os efeitos da densidade básica sobre o rendimento gravimétrico e sobre a densidade aparente foram testados pela correlação de Pearson. As análises indicaram que o fator espécies apresentou efeito significativo em todos os parâmetros, exceto quanto ao teor de umidade do carvão. Sobre densidade básica da madeira, a Sumaúma apresentou o menor valor médio (0,4302 ± 0,0157 g/cm3) e Mumuré, o maior (0,5276 ± 0,0251 g/cm3). Entretanto, com relação ao teor de umidade, Sumaúma foi a espécie que apresentou o maior teor (47,46% ± 2,88). Os valores de rendimento em carvão variaram entre 30,03% ± 1,95 (Envirão) e 32,35% ± 1,46 (Sumaúma). Houve correlação entre a densidade da madeira e o rendimento gravimétrico para a espécie Mumuré (P = -0,553), no entanto, considerada negativa. Entretanto, correlação positiva foi encontrada para Sumaúma (P = 0,058) e Envirão (P = 0,955). Nos testes de densidade do carvão, o Mumuré apresentou o maior valor médio (0,3173 ± 0,0116 g/cm3) e Envirão o menor (0,2654 ± 0,0407 g/cm3). Uma relação direta e positiva entre a densidade básica da madeira e a densidade relativa aparente do carvão foi encontrada. Tratando-se da composição química, o fator espécies não apresentou efeito significativo.

Palavras-chave


Resíduos florestais; Propriedades da madeira; Propriedades do carvão

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8112/1986: Carvão vegetal: análise imediata. Rio de Janeiro, 1986. 5 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7190/1997: Projeto de estruturas de madeira. Rio de Janeiro, 1997. 107 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS. Anuário estatístico da ABRAF 2011: ano base 2010. Brasília, 2011. 130 p.

ALBUQUERQUE, A. R. Anatomia comparada do lenho e do carvão aplicada na identificação de 75 espécies da floresta Amazônica, no Estado do Pará, Brasil. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, São Paulo, 2012.

ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE SILVICULTURA. Números do setor. Belo Horizonte, 2009. Disponível em: www.silviminas.com.br. Acesso em: 22 maio 2016.

ARAÚJO, H. J. B. de. Relações funcionais entre propriedades físicas e mecânicas de madeiras tropicais brasileiras. Floresta, Curitiba, v. 37, n. 3, p. 399-416, 2007.

ARRUDA, T. P. M. de et al. Avaliação de duas rotinas de carbonização em fornos retangulares. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 35, n. 4, p. 949-955, 2011.

ASSIS, M. R. de et al. Qualidade e rendimento do carvão vegetal de um clone híbrido de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 2, n. 71, p. 291-302, 2012.

AZEVEDO, C. P. de et al. Qualidade da madeira de sumaúma Ceiba pentandra plantada em ecossistemas de várzea e terra firme e em diferentes sistemas de plantios. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 2000, Manaus. Anais [...] Manaus: EMBRAPA Amazônia Ocidental, 20000. p. 264-266.

BRAND, M. A. Energia de Biomassa Florestal. 1. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2010. 114 p.

BRAND, M. A. et al. Análise da qualidade da madeira e do carvão vegetal produzido a partir da espécie Miconia cinnamomifolia (De Candolle) Naudin (Jacatirão-açu) na agricultura familiar, em Biguaçu, Santa Catarina. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 41, n. 99, p. 401-410, 2013.

BRASIL. Ministério Público Federal. Termo de Compromisso e Ajuste de Conduta. Belém: Procuradoria da República no Pará, 2012.

BRITO, J. O. Reflexões sobre a qualidade do carvão vegetal para uso siderúrgico. Piracicaba: IPEF, 1993. 6 p. (Circular Técnica, 181).

CHUDNOFF, M. Tropical timber of the world. [S. l.]: Forest Products Laboratory, Forest Service, 1980. 831 p.

CITY BRASIL. Paragominas. Dados gerais. Clima/Temperatura. [2016]. Disponível em: www.citybrazil.com.br. Acesso em: 22 maio 2016.

COSTA, T. G. et al. Qualidade da madeira de cinco espécies de ocorrência no cerrado para produção de carvão vegetal. Cerne, Lavras, MG, v. 20, 2014.

DANCEY, C.; REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia: usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DOAT, J.; PETROFF, G. La carbonization des bois tropicaux. Bois et Forêst des Tropiques, Nogent-sur-Marne, v. 159, p. 55-72, 1975.

FERREIRA, H. R. et al. Análise da qualidade do carvão vegetal proveniente da região Sul do Brasil. Revista Acadêmica, Ciências Agrárias e Ambientais, Curitiba, v. 11, supl 1, p. S27-S33, 2013.

FOELKEL, C. E. B.; BRASIL, M. A. M.; BARRICHELO, L. E. G. Métodos para determinação da densidade básica de cavacos para coníferas e folhosas. IPEF, Piracicaba, n. 2/3, p. 65-74, 1971.

FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS. Produção e utilização de carvão vegetal. Belo Horizonte, 1982. 393 p. (Séries Técnicas CETEC).

GOMES, M. T. M. Potencialidades de inserção do carvão vegetal em bolsas de mercadoria. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2006.

GONÇALEZ, J. C. et al. Relações entre dimensões de fibras e de densidade da madeira ao longo do tronco de Eucalyptus urograndis. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 42, n. 101, p. 81-89, 2014.

JARA, E. R. P. O Poder calorífico de algumas madeiras que ocorrem no Brasil. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 1989.

LIMA, E. A. de; ABDALA, E. M.; WENZEL, A. A. Influência da umidade no poder calorífico superior da madeira. Colombo: EMBRAPA Florestas, 2008. 3 p. (Comunicado Técnico, 220).

LIMA, E. A. de et al. Caracterização individual de árvores de Eucalyptus benthamii para uso energético. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Colombo, n. 35, p. 1-26, 2007.

LOUREIRO, A. A. et al. Essências madeireiras da Amazônia. Manaus: CNPq; INPA, 2000. v. 4.

MARTINS, M. E. G. Coeficiente de correlação amostral. Revista de Ciência Elementar, Porto, v. 2, n. 02, 2014.

MEDEIROS NETO, P. N. de et al. Características físico-químicas e energéticas de duas espécies de ocorrência no Semiárido Brasileiro. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 3, p. 579-588, 2012.

NOGUEIRA, E. M. et al. Wood density in forests of Brazil’s ‘arc of deforestation’: implications for biomass and flux of carbon from land-use change in Amazonia. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 248, p. 119-135, 2007.

NUMAZAWA, S. Aproveitamento de resíduos de exploração florestal em Curuá-Una/Pa, para produção de carvão vegetal. 1986. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1986.

OLIVEIRA, A. C. et al. Parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus pellita F. Muell. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 38, n. 87, p. 431-439, 2010.

PASTORE, T. C. M.; OKINO, E. Y. A.; PASTORE JUNIOR, F. Carbonização de Madeiras da Amazônia. Parte 1: Floresta Nacional do Tapajós. Brasília: IBAMA, Laboratório de Produtos Florestais, 1989. 12 p. (Série Técnica, 12).

PEREIRA, J. C. D.; SCHAITZA, E. G.; BAGGIO, A. J. Propriedades físicas e químicas e rendimentos da destilação seca da madeira de Grevillea robusta. Colombo: EMBRAPA Florestas, 2000. (Circular Técnica, 40).

ROSA, R. A. et al. Qualidade do carvão vegetal para o consumo doméstico. Journal of Biotechnology and Biodiversity, Gurupí, v. 3, n. 2, p. 41-48, 2012.

ROSILLO-CALLE, F.; BAJAY, S. V.; ROTHMAN, H. Uso da biomassa para produção de energia na indústria brasileira. Campinas: UNICAMP, 2005.

SANTOS, R. C. dos et al. Correlações entre os parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de clones de eucalipto. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 39, n. 90, p. 221-230, 2011.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Resolução n°10 SAA, de 11 de julho de 2003. São Paulo, 2003.

SCHONINGER, E. C.; ZINELLI, M. R. Análise qualitativa dos carvões de Apuleia leiocarpa e Hymenaea courbaril produzidos numa carvoaria de Matupá, no Estado de Mato Grosso. Revista de Ciências Agro-Ambientais, Cáceres, v. 10, n. 2, p. 135-140, 2012.

SCREMIN, A. L. T. Estudo energético e físico-químico do carvão vegetal de Eucalyptus dunnii Maiden. 2012. Dissertação (Mestrado em Biocombustíveis) - Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, 2012.

SILVA, M. G. da et al. Carvão de resíduos de indústria madeireira de três espécies florestais exploradas no município de Paragominas, PA. Acta Amazonica, Manaus, v. 37, n. 1, p. 61-70, 2007.

TRUGILHO, P. F. et al. Caracterização de espécies nativas e exóticas amazônicas e do carvão vegetal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 15, n. 2, p. 144-151, 1991.

TRUGILHO, P. F. et al. Rendimentos e características do carvão vegetal em função da posição radial de amostragem em clones de Eucalyptus. Cerne, Lavras, MG, v. 11, n. 2, p. 178-186, 2005.

VALE, A. T. do et al. Potencial energético da biomassa e carvão vegetal do epicarpo e da torta de Pinhão manso (Jatropha curcas). Cerne, Lavras, MG, v. 17, n. 2, p. 267-273, 2011.

VALE, A. T. do et al. Relações entre a densidade básica da madeira, o rendimento e a qualidade do carvão vegetal de espécies do cerrado. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 25, n. 89, p. 89-95, 2001.

VALE, A. T. do.; DIAS, I. S.; SANTANA, M. A. E. Relações entre propriedades químicas, físicas e energéticas da madeira de cinco espécies de cerrado. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 1, p. 137-145, 2010.

VALE, A. T. do; NOGUEIRA, M. Carbonização de madeiras do Cerrado e análise do carvão vegetal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 25, n. 2, p. 271-276, 2001.

VALE, A. T. do; SARMENTO, T. R.; ALMEIDA, A. N. Caracterização e uso de madeiras de galhos de árvores provenientes da arborização de Brasília - DF. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 4, p. 411-420, 2005.

WIECHETECK, M. Aproveitamento de resíduos e subprodutos florestais, alternativas tecnológicas e propostas de políticas ao uso de resíduos florestais para fins energéticos. Curitiba: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental, 2009. 40 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509831639

Licença Creative Commons