FENOLOGIA DE ESPÉCIES NATIVAS ARBÓREAS NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Tiago Silveira Ferrera, Taíse Maria Pelissaro, Sônia Maria Eisinger, Evandro Zanini Righi, Galileo Adeli Buriol

Resumo


O objetivo geral deste trabalho foi acompanhar a fenologia vegetativa e reprodutiva de 20 espécies arbóreas nativas existentes no Jardim Botânico da Universidade Federal em Santa Maria, Santa Maria - RS, associando a duração das diferentes fenofases desta comunidade vegetal com as variáveis da temperatura do ar e precipitação pluviométrica e do comprimento do dia. O trabalho foi realizado no período de agosto de 2010 a agosto de 2011. Marcaram-se, aleatoriamente, 185 árvores, com 4 a 10 indivíduos de cada espécie, nas quais foram observadas quinzenalmente as fenofases vegetativas (folhas maduras, queda foliar e brotamento) e reprodutivas (floração – botão e antese; frutificação – fruto verde/imaturo e fruto maduro). Foram utilizados dois métodos de observação: o índice de atividade fenológica (ausência/presença do evento) e o Índice de Fournier. Os valores destes índices foram submetidos à correlação de Spearman com os dados meteorológicos. Na fenologia vegetativa constatou-se que o brotamento da comunidade foi constante em todo o período de estudo, a queda foliar mais acentuada no outono e inverno e as folhas maduras com plena capacidade fotossintética tiveram picos crescentes na primavera e verão e redução no inverno de quase 50%. Na fenologia reprodutiva, os maiores picos de floração aconteceram na primavera e durante o período inicial do verão e a frutificação ocorreu preferencialmente durante o verão e início do outono. As fenofases correlacionaram-se significativamente com o comprimento do dia e a temperatura do ar, e não com a precipitação pluviométrica. 


Palavras-chave


fenofases; bioclimatologia vegetal; ecologia vegetal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, L. F. Fenologia de uma Comunidade Arbórea em Santa Maria-RS. 2002. 160 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

AMORIM, I. L. et al. Fenologia de Espécies Lenhosas da Caatinga do Seridó, RN. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 3, p. 491-499, 2009.

ANDREIS, C. et al. Estudos fenológico em três fases sucessionais de uma Floresta Estacional Decidual no município de Santa Tereza, RS, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 29, n. 1, p. 55-63, 2005.

ANTUNES, N. B.; RIBEIRO, J. F. Aspectos fenológicos de seis espécies vegetais em matas de galeria do Distrito Federal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 34, n. 9, p. 1517-1527, 1999.

ATHAYDE, E. A. et al. Fenologia de espécies arbóreas em uma floresta ribeirinha em Santa Maria, sul do Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 43-51, 2009.

BARBOSA, D. C. A. et al. Dados fenológicos de 10 espécies arbóreas de uma área de caatinga (Alagoinha-PE). Acta Botânica Brasílica, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 109-117, 1989.

BATALHA, M. A. et al. Variações fenológicas das espécies do cerrado em Emas, Pirassununga, São Paulo. Acta Botânica Brasílica, Belo Horizonte, v. 11, n. 1, p. 61-78, 1997.

BENCKE, C. S. C.; MORELLATO, L. P. C. Comparação de dois métodos de avaliação da fenologia de plantas, sua interpretação e representação. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 269-275, 2002.

BORCHERT, R. Water storage in soil or tree stems determines phenology and distribution of tropical dry forest trees. Ecology, London, v. 75, p. 1437-1449, 1994.

BRUN, F. G. K. et al. Comportamento fenológico e efeito da poda em algumas espécies empregadas na arborização do Bairro Camobi - Santa Maria, RS. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Curitiba, v. 1, p. 44-63, 2007.

BURIOL, G. A. et al. Homogeneidade e estatísticas descritivas dos totais mensais e anuais de chuva de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v. 11, p. 89-97, 2006.

DIAS, H, C. T.; OLIVEIRA FILHO, A. T. Fenologia de quatro espécies arbóreas de uma floresta estacional semidecídua montana em Lavras, MG. Cerne, Lavras, v. 2, p. 1, p. 66-88, 1996.

FERRAZ, D. K. et al. Fenologia de árvores em fragmento de mata em São Paulo, SP. Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 59, n. 2, p. 305-317, 1999.

FOURNIER, L. A. Un método cuantitativo para la medición de características fenológicas em árboles. Turrialba, Turrialba, v. 24, p. 422-423, 1974.

FUNCH, L. S. et al. Phenology of Gallery and Montane Forest in the Chapada Diamantina, Bahia, Brazil. Biotropica, Belo Horizonte, v. 34, n. 1, p. 40-50, 2002.

GALLETI, M.; PIZO, M. A.; MORELLATO, P. C. Fenologia, frugivoria e dispersão de sementes. In: CULLEN JUNIOR, L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PADUA, C. Métodos e estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. 2. ed., Curitiba: Ed. Universidade Federal do Paraná, 2006. p. 395-422.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (Brasil). Normais climatológicas. Brasília: Ministério da Agricultura e do Abastecimento,1992.

JUSTINIANO, M. J.; FREDERICKSEN, T. S. Phenology of tree species in Bolivian dry forests. Biotropica, Belo Horizonte, v. 32, p. 276-281, 2000.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: RiMa, 2004. 531 p.

LEMES, R.; RITTER, C. D.; MORAIS, A. B. B. Borboletas (Lepidoptera: Hesperioidea e Papilionoidea) visitantes florais no Jardim Botânico da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. Biotemas, Florianópolis, v. 21, n. 4, p. 91-98, 2008.

LENZA, E.; KLINK, C. A. Comportamento fenológico de espécies lenhosas em um cerrado sentido restrito de Brasília, DF. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 29, n. 4, p. 627-638, 2006.

LIEBSCH, D.; MIKICH, S. B. Fenologia reprodutiva de espécies vegetais da Floresta Ombrófila Mista do Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 375-391, 2009.

LONGHI. S. J. Fenologia de algumas espécies florestais e ornamentais. Revista do Centro de Ciências Rurais, Santa Maria, v. 14, n. 3/4, p. 231- 240, 1984.

MANTOVANI, M. et al. Fenologia reprodutiva de espécies arbóreas em uma formação secundária da Floresta Atlântica. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 4, p. 451-458, 2003.

MARCHIORETTO, M. S.; MAUHS, J.; BUDKE, J. C. Fenologia de espécies arbóreas zoocóricas em uma floresta psamófila no sul do Brasil. Acta Botânica Brasílica, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 193-201, 2007.

MARQUES, M. C. M.; OLIVEIRA, P. E. A M. Fenologia de espécies do dossel e do sub-bosque de duas Florestas de Restinga na Ilha do Mel, sul do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 713-723, 2004.

MIKICH, S. B.; SILVA, S. M. Composição Florística e Fenologia das Espécies Zoocóricas de Remanescentes de Floresta Estacional Semideciduas no Centro-Oeste do Paraná, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 89-113, 2001.

MORELLATO, L. P. C. A pesquisa em fenologia na América do Sul, com ênfase no Brasil, e suas perspectivas atuais. In: REGO, G. M.; NEGRELLE, R. B.; MORELLATO, L. P. C. (Org.). Fenologia como ferramenta para conservação e manejo de recursos vegetais. Curitiba: EMBRAPA, 2007. v. 1, p. 37-48.

MORELLATO, L. P. C. et al. Phenology of Atlantic Rain Forest trees: a comparative study. Biotropica, Belo Horizonte, v. 32, p. 811-823, 2000.

MOTA, F. S. Meteorologia agrícola. São Paulo: Nobel, 1976. 376 p.

ORTOLONI, A. A.; CAMARGO, M. B. P. Influência dos Fatores Climáticos na Produção. In: CASTRO, P. R. C. Ecofisologia da produção agrícola. Piracicaba: Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato, 1987.

PASCALE, A. J.; DAMARIO, E. A. Climatologia agricola y agroclimatologia. Buenos Aireas: EFA, 2004. 550 p.

PIRANI, F. R. et al. Fenologia de uma comunidade arbórea em cerrado sentido restrito, Barra do Garças, MT, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Belo Horizonte, v. 23, n. 4, p. 1096-1109, 2009.

REYS, P. et al. Fenologia reprodutiva e disponibilidade de frutos de espécies arbóreas em mata ciliar no rio Formoso, Mato Grosso do Sul. Biota Neotropica, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 309-318, 2005.

REITZ, R; KLEIN, R. M; REIS, A. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura e de Abastecimento, 1988. 524 p.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2013. 4. ed. 820 p.

TALORA, D. C.; MORELLATO, L. P. C. Fenologia de espécies arbóreas em floresta de planície litorânea do sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 23, p. 13-26, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509828608

Licença Creative Commons