ESTRUTURA ARBÓREA E SAZONALIDADE DA COBERTURA DO DOSSEL EM VEGETAÇÃO FLORESTADA E ABERTA NO PARQUE NACIONAL SERRA DE ITABAIANA, SERGIPE, BRASIL

Douglas de Matos Dias, Mariana Alves Pagotto, Taiguã Correa Pereira, Adauto de Souza Ribeiro

Resumo


As florestas de areias brancas quartzosas constituem um tipo de ecossistema oligotrófico, cujos caracteres fitofisionômicos são afetados pela sazonalidade climática. Entre tais características está a abertura do dossel, cujas variações influenciam na distribuição espacial da luz solar no ambiente. Este estudo avaliou e comparou a estrutura da vegetação e as alterações sazonais do dossel em habitat de areias brancas do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe. Os dados foram coletados em dois ambientes: vegetação aberta de areias brancas strictu sensu (VA) e mata fechada de vegetação ripária (MR). Para estimar a densidade arbórea utilizou-se o método quadrante, no qual foram amostradas árvores com CAP ≥ 5 cm. Para avaliar a dinâmica do dossel foram estabelecidos, em cada área, dois transectos compostos por cinco pontos equidistantes 20 m, totalizando 10 pontos por ambiente. Em cada ponto foram obtidas fotografias hemisféricas do dossel nos meses de janeiro (seca) e junho (chuva). As imagens foram analisadas pelo software Gap Light Analyzer, sendo avaliadas as variáveis abertura do dossel e índice de área foliar (IAF). A vegetação ripária apresentou densidade arbórea de 498 ind ha-1 e a vegetação aberta 296 ind ha-1. Esta última, não evidenciou variações na abertura do dossel (t = 2,0146; p > 0,05) e no IAF (t = -2,0052; p > 0,05) entre os períodos de chuva (52,24% ± 18,13% e 0,68 ± 0,45) e seca (67,39% ± 15,38% e 0,36 ± 0,23). Na mata ripária, a abertura do dossel (t = 7,1739; p < 0,05) e o IAF (t = -5,1609; p < 0,05) variou entre os períodos de chuva (13,70% ± 2,24% e 2,13 ± 0,23) e seca (21,08% ± 2,36% e 1,63 ± 0,20). As diferenças observadas destacam a heterogeneidade ambiental na Serra de Itabaiana e demonstram que as formações florestais de areias bancas respondem de maneira distinta à sazonalidade hídrica deste ecossistema.  Por estar localizada em uma área de ecótono entre floresta perene e Floresta Estacional Semidecidual, a mata ripária tende a perder parte de suas folhas durante o período seco. Além disso, o padrão de distribuição das plantas pode contribuir para as diferenças entre os habitat estudados.


Palavras-chave


abertura do dossel; fotos hemisféricas; índice de área foliar; vegetação aberta; mata ripária.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARES C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Stuttgart, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013.

ANDERSON, A. B. White-Sand Vegetation of Brazilian Amazonia. Biotropica, Zurich, v. 13, n. 3, p. 199-210, 1981.

BEZERRA, M. F. A.; FARIAS, G. R.; CAVALCANTI, L. H. Mixobiota do Parque Nacional Serra de Itabaiana, SE, Brasil: Trichiales. Acta Botância Brasilica, Belo Horizonte, v. 24, n. 2, p. 510-517, 2010.

BIANCHINI, E.; PIMENTA, J. A.; SANTOS, F. A. M. Spatial and temporal variation in the canopy cover in a tropical semi-deciduous forest. Brazilian Archives Biology Technology, Curitiba, v. 44, n. 3, p. 269-276, 2001.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H.; VON ENDE, C. N. Field and laboratory methods for general ecology, 4th ed. Boston: WCB McGraw-Hill, 1998. 273 p.

CAMPBELL, G. S.; NORMAN, J. M. The description and measurement of plant canopy structure. In: RUSSEL, G.; MARSHALL, B.; JARVIS, P. G. Plants canopies: their growth, form and function. Cambridge: Cambridge University Press, 1989. p. 1-19.

CARVALHO, C. M.; VILAR, J. C. Parque Nacional Serra de Itabaiana: levantamento da Biota. São Cristóvão: UFS, 2005. 124 p. (Biologia Geral e Experimental – UFS).

CATANA JUNIOR, J.; ANTHONY, J. The wandering quarter meted of estimating population density. Ecology, New York, v. 44, n. 2, p. 349-360, 1963.

DANTAS, T. V. P.; RIBEIRO, A. S. Caracterização da vegetação do Parque Nacional Serra de Itabaiana, Sergipe Brasil. Biotemas, Florianópolis, v. 23. n. 4, p. 9-18, 2010.

DANTAS, T. V. P. et al. Florística e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea das Areias Brancas do Parque Nacional Serra de Itabaiana/Sergipe, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 33, p. 575-588, 2010.

DE PAULA, S. A.; LEMOS FILHO, J. P. Dinâmica do dossel em mata semidecídua no perímetro urbano de Belo Horizonte, MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 545-5, 2001.

EMBRAPA. Levantamento exploratório: reconhecimento de solos do estado de Sergipe. Recife: EMBRAPA/SUDENE, 1975. 142 p. (Boletim técnico).

FRAZER, G. W.; CANHAM, C. D.; LERTZMAN, K. P. Gap Light Analyzer (GLA), Version 2.0: imaging software to extract canopy structure and gap light transmission indices from true-colour fisheye photographs, users manual and program documentation. New York: Simon Fraser University, 1999.

GARCIA, L. C. et al. Heterogeneidade do dossel e quantidade de luz no recrutamento do sub-bosque de uma mata ciliar no Alto São Francisco, Minas Gerais: análise através de fotos hemisféricas. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 99-101, 2007.

LEMOS FILHO, J. P. et al. Spatial and temporal variability of canopy cover and understory light in a Cerrado of Southern Brazil. Brazilian Journal Biology, São Carlos, v. 70, n. 1, p. 19-24, 2010.

LOPES, W. P. et al. Estrutura fitossociológica de um trecho de vegetação arbórea no Parque Estadual do Rio Doce – Minas Gerais, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 16, n. 443-456, 2002.

MARSHALL, J. D.; WARING, R. H. Comparison of methods of estimating Leaf Area Index in old growth Douglas-fir. Ecology, New York, v. 67, n. 4, p. 975-979, 1986.

MENDONÇA, B. A. F. et al. Solos e Geoambientes do Parque Nacional do Viruá e entorno, Roraima: visão integrada da paisagem e serviço ambiental. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, p. 429-444, 2013.

MENDONÇA, B. A. F. et al. Use of geophysical methods for the study of sandy soils under Campinarana at the National Park of Viruá, Roraima state, Brazilian Amazonia. Journal of Soils and Sediments, Landsberg, v. 14, p. 1-13, 2014.

MIRANDA, A. C. et al. Fluxes of carbon, water and energy over Brazilian cerrado: an analysis using eddy covariance and stable isotopes. Plant, Cell and Environment, Malden, v. 20, n. 3, p. 315-328, 1997.

NASCIMENTO, A. R. T.; FAGG, J. M. F.; FAGG, C. W. Canopy openness and lai estimates in two seasonally deciduous forests on limestone outcrops in Central Brazil using hemispherical photographs. Árvore, Viçosa, MG, v. 31, n. 1, p. 167-176, 2007.

NICOTRA, A. B.; CHAZDON, R. L.; IRIARTE, S. V. B. Spatial heterogeneity of light and woody seedling regeneration in tropical wet forests. Ecology, New Iork, v. 80, n. 6, p. 1908-1926, 1999.

NOGUEIRA JÚNIOR, F. C. Estrutura e composição de uma vegetação ripária, relações dendrocronológicas e climáticas na Serra dos Macacos em Tobias Barreto, Sergipe-Brasil. 2011. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2011.

OLIVEIRA, A. A. et al. Florestas sobre areia: Campinaranas e Igapós. In: OLIVEIRA, A. A.; DALY, D. C. (Eds.). Florestas do rio Negro. São Paulo: Schwarcz, 2001. p. 179-220.

OLIVEIRA, D. G. Análise da vegetação em um fragmento de Caatinga no Município de Porto da Folha, Sergipe, Brasil. 2012. 145 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2012.

PAGOTTO, M. A. A Vegetação lenhosa da caatinga em assentamento do estado de Sergipe: aspectos fitossociológicos, anatômicos e dendrocronológicos. 2015. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.

POLLARD, J. H. On distance estimators of density in randomly distributed forests. Biometrics, Malden, v. 27, n. 4, p. 991-1002, 1971.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. A language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2006.

DISTRITO FEDERAL (Brasil). Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Base de dados do Centro de Meteorologia. Disponível em planilha eletrônica. 2012.

STROPP, J. et al. Tree communities of white-sand and terra-firme forests of the upper Rio Negro. Acta Amazonica, Manaus, v. 41, n. 4, p. 521-544, 2011.

TORMAN, V. B. L.; COSTER, R.; RIBOLDI, J. Normalidade de variáveis: métodos de verificação e comparação de alguns testes não-paramétricos por simulação. Revista HCPA, Porto Alegre, v. 32, n. 2, p. 227-234, 2012.

VAN DEN BERG, E.; SANTOS, F. A. M. Aspectos da variação ambiental em uma floresta de galeria em Itutinga, MG, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, n. 2, p. 83-98, 2003.

VICENTE, A. et al. Levantamento Botânico. In: CARVALHO, C. M.; VILAR, J. C. (Coord.). Parque Nacional Serra de Itabaiana: levantamento da Biota. São Cristóvão: UFS, 2005. p.15-37. (Biologia Geral e Experimental – UFS).

WINK, C. et al. Parâmetros da copa e a sua relação com o diâmetro e altura das árvores de eucalipto em diferentes idades. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 40, n. 93, p. 57-67, 2012.

ZUQUIM, G.; COSTA, F. R. C.; PRADO, J. Fatores que determinam a distribuição de espécies de pteridófitas da Amazônia Central. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 360-362, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827757

Licença Creative Commons