ECOFISIOLOGIA DE SEMENTES EM BREJO DE ALTITUDE NA PARAÍBA VISANDO À CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE AUTÓCTONE

Robson Luis Silva de Medeiros, Vênia Camelo de Souza, José Nailson Barros Santos, Gilvaneide Alves de Azeredo, Fabiana dos Anjos

Resumo


Os brejos de altitude nordestinos são áreas que apresentam microclimas dissociantes do contexto onde estão inseridos; suas formações florestais são disjunções de floresta atlântica, ilhadas pela vegetação da Caatinga, condição que torna essas áreas remanescentes de elevada biodiversidade. Pesquisas botânicas nos remanescentes florestais da Paraíba, particularmente no que se refere ao resgate de germoplasma são relevantes.  Objetivou-se estudar a ecofisiologia das sementes de espécies (Anadenanthera colubrina, Pterogyne nitens, Enterolobium contortisiliquum e Senegalia tenuifolia) nativas da família Fabaceae selecionadas no fragmento florestal do CCHSA submetidas a estresse térmico e monitorar as fenofases reprodutivas das espécies estudadas. O experimento foi instalado no Laboratório de Sementes do CCHSA/UFPB e conduzido em germinadores tipo B.O.D. com fotoperíodo de 8 horas em delineamento inteiramente casualizado nas temperaturas (20, 25, 30 e 40°C constantes). As sementes foram distribuídas sobre papel-toalha umedecido com água destilada equivalente a três vezes o peso do papel seco. Foram utilizadas quatro repetições de 25 sementes por tratamento. Os dados de germinação e Índice de Velocidade de Germinação (IVG) foram submetidos à análise de variância e regressão polinomial. A germinação de sementes de Pterogyne nitens Tul. foi afetada pelas temperaturas a que foram submetidas, a faixa de temperatura com maiores porcentuais de germinação foi entre 25 e 40ºC. A temperatura elevada (40ºC) aumentou acentuadamente a germinação e o vigor das sementes de Senegalia tenuifolia L. Britton e Rose. O maior IVG da espécie Enterolobium contortisiliquum (Vell.) foi obtido na temperatura de 40ºC. Os resultados indicam a temperatura ótima e a amplitude térmica para a germinação e desenvolvimento inicial das plântulas dos táxons estudados no seu habitat.


Palavras-chave


semente florestal nativa; Mata Atlântica; fatores abióticos.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ANDRADE, L. A.; FABRICANTE, J. R.; ALVES, A. S. Algaroba (Prosopis juliflora (Sw.) DC.: impactos sobre a fitodiversidade e estratégias de colonização em área invadida na Paraíba, Brasil. Natureza e Conservação, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 61-67, 2008.

AZEREDO, G. A. et al. Germinação em sementes de espécies florestais da mata atlântica (Leguminoseae) sob condições de casa de vegetação. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 33 n. 1, p. 11-16, 2003.

BARROS, M. J. F. Senegalia Raf. (Leguminosae, Mimosoideae) do Domínio Atlântico, Brasil. 2011. 120 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Instituto de pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

BARBOSA, M. R. V. et al. Diversidade florística na Mata do Pau Ferro, Areia, Paraíba. In: PÔRTO, K. C.; CABRAL, J. J. P.; TABARELLI, M. (Org.). Brejos de altitude em Pernambuco e Paraíba – história natural, ecologia e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 229-254. (Série Biodiversidade, 9).

BASKIN, C. C.; BASKIN, J. M. Germination ecophysiology of herbaceou plant species in a temperate region. American Journal of Botany, Baltimore, v. 75, n. 2, p. 286-305, 1988.

CONY, M. A.; TRIONE, S. A. Germination with respect to temperature of two Argentinean Prosopis Species. Journal of Arid Environments, London, v. 33, p. 225-236, 1996.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação dos solos. Brasília: Embrapa-SPI, 1999. p. 412.

LINS, R. C. As áreas de exceção do agreste de Pernambuco. Recife: SUDENE/PSU/SER, 1989. 402 p. (Estudos Regionais, 20).

MEDEIROS, R. L. S. et al. Fenologia reprodutiva de Anadenanthera colubrina (Vell.) em Brejo de Altitude no município de Bananeiras, Paraíba. In: ENCONTRO DE ECOLOGIA DA PARAÍBA, 2013. Anais... Rio Tinto, 2013. 9 p.

NASSIF, S. M. L.; PEREZ, S. C. J. G. A. Efeitos da temperatura na germinação de sementes de amendoim do campo (Pterogyne nitens Tul.). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 22, n.1, p. 1-6, 2000.

ROMANIUC NETO, G. J. V. et al. Caracterização florística, fitossociológica e fenológica de trepadeiras de mata ciliar da Fazenda Campininha, Mogi Guaçu, SP, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 145-155, 2012.

SANTOS, J. N. B. Levantamento florístico e fitossociológico em um remanescente de Floresta Ombrófila Aberta, Bananeiras – PB. 2013. 80 f. Monografia (Graduação em Ciências Agrárias) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

SILVA, J. M. C.; TABARELLI, M. Tree species impoverishment and the future flora of the Atlantic Forest of northeast Brazil. Nature, New York, v. 404 p. 72-74, 2000.

SOCIEDADE NORDESTINA DE ECOLOGIA. Mapeamento da Mata Atlântica, seus ecossistemas associados dos estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Relatório Técnico. 2002. Disponível em: .

VELOSO, H. P.; RANGEL-FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 91 p.

VIANA, V. M.; PINHEIRO, L. A. F. V. Conservação da Biodiversidade em fragmentos florestais. ESALQ/USP. Série Técnica IPEF, Piracicaba v. 32, p. 25-42, 1998.

XAVIER, K. R. F. Análise Florística e Fitossociológica em dois fragmentos de Floresta Serrana no Município de Dona Inês, Paraíba. 2009. 76 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827754

Licença Creative Commons