Efeitos do condicionamento seguido ou não de secagem em sementes de Pterogyne nitens Tul. sob estresse.

Rosângela Peres Biruel, Aluísio Brígido Borba Filho, Eugênio Celso Emérito de Araújo, Fernando O. Fraccaro, Sonia Cristina Juliano Gualtieiri de Andrade Perez

Resumo


Pterogyne nitens Tul. é conhecida popularmente como amendoim do campo, é uma espécie arbórea, heliófita, secundária inicial que se regenera intensamente em áreas abertas e pastagens. Pode ser empregada como espécie ornamental e na reposição de mata ciliar, em locais sujeitos a inundações periódicas, em sítios arenosos e degradados. O condicionamento é uma técnica pós-colheita usada com o objetivo de aumentar a velocidade de germinação, emergência, bem como ampliar a tolerância a vários tipos de estresse. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência do condicionamento com ou sem secagem posterior em aumentar a resistência a diferentes tipos de estresse. As sementes selecionadas foram escarificadas com ácido sulfúrico durante 15 min. e depois condicionadas em água destilada e soluções de manitol -0,5 e -1,0 MPa durante 24h a 10oC. Para cada solução de condicionamento, o lote de sementes foi dividido em dois grupos, um dos quais foi seco até atingir o teor de umidade apresentado antes do condicionamento, e o segundo foi imediatamente usado nos testes. Os diferentes grupos de sementes foram expostos ao envelhecimento acelerado (100% U.R. sob 35 e 40oC), ao estresse térmico (24h a 60 e 70oC) e o teste de exaustão (24h submersos a 10 e 27oC). Para todos os testes foram utilizadas quatro repetições de 25 unidades e os dados de porcentagem e velocidade de germinação foram submetidos à análise de variância e ao teste de Tukey. Com o aumento da intensidade do estresse houve diminuição na germinação e no vigor das sementes, que as diferentes formas de condicionamento não reverteram. Em geral, o condicionamento com o uso manitol a -1,0 MPa diminuiu a qualidade fisiológica das sementes e, soluções a -0,5 MPa ou água destilada aumentaram a porcentagem e/ou velocidade de germinação de sementes submetidas aos diferentes tipos de estresse.


Palavras-chave


Amendoim do campo; pré-embebição; espécie florestal

Texto completo:

PDF

Referências


BARBIERI JÚNIOR, C. A.; TONIN, G. A.; ARAÚJO, E.C.E.; PERES, S. C. J. G. A. Limites de temperatura e tolerância ao estresse térmico em sementes de Qualea dichotoma (Warm.) Stafl. Brazilian Journal of Plant Physiology, v. 5 (suplemento), p.303, 2003. (Resumo).

BORGES, E.E.L.; SILVA, L. F.; BORGES, R.C.G. Avaliação do omocondicionamento na germinação de sementes de quaresminha (Miconia condolleana Trian.). Revista Brasleira de Sementes, Brasília, v. 16, n.1, p.90-94, 1994.

BORGES, E.E.L.; VASONCELOS, P.C.S.; CARVALHO , D.V.; BORGES, R.C.G Estudos preliminares sobre o efeito do estresse hídrico na germinação de sementes de jacarandá- da bahia (Dalbergia nigra) e cedro-rosa (Cedrella fissilis). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.13, n.2, p. 115-118, 1991.

BORGHETTI, F.; FERREIRA, AG. Interpretação dos resultados de germinação: In: FERREIRA, A.G.; BORGHETTI, F.; Germinação de sementes: do básico ao aplicado. Porto Alegre : Artmed. 2004. p.209–224.

BRADFORD, K.J. Water relations in seed germination. In: KIGEL, J.; GALILI, G. (Ed.) Seed development and gemination. New York : Marcel Dekker, 1995. p.351-396.

BRASIL. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 1992. 365p.

CARNEIRO, J.W.P.; GUEDES, T.A. Dinâmica de ocorrência germinativa em amostras de semente envelhecidas artificialmente: envelhecimento e sobrevivência. Informativo ABRATES, v.12, p.44-51, 2002.

CARPI, S.M.F.; BARBEDO, C.J.; MARCOS FILHO, J. Condicionamento osmótico de sementes de Cedrela fissilis Vell. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.18, n.2, p.271-275, 1996.

CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisas Florestais, Embrapa Colombo - CNPF, 1994. 640p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588p.

CAPRONI, A.L.; VIEIRA, J.D.; DAVIDE, A.C. Germinação de sementes de Eucalyptus grandis Hill ex Maden e Eucalyptus citirodora Hook., em dois tamanhos, submetidos a diferentes potenciais osmóticos. In: CONGRESSO FLORESTAL PANAMERICANO, 1., 1993.Curitiba. Anais... Curitiba: SBS/SBEF, 1993. p. 289-291.

CÓRBODA, G.A.T.; BORGES, E.E.L.; BORGES, R.C.G.; NEVES, J.C.L. Osmocondicionamento, secagem e armazenamento de sementes de Esenbeckia leiocarpa England (gaurantã). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.17, n.2, p.217-226, 1995.

GRAPHPAD SOFTWEAR INSTAT. Guide to choosing and interpreting statistical test. Versão 3.0 for Window, San Diego, 1998. 151p.

HEYDECKER, W.; HIGGINS, J.; TURNER, I.J. Invigoration of seeds? Seed Science & Technology, Zürich, v.3, p.881-888, 1975.

KHAN, A A; Preplant physiological seed conditioning. Horticultural Review, Edinburgh. v.23, p.131-181, 1992.

LARS, S. Guide to handling of tropical and subtropical forest seeds. Denmark: Borch Tryc A/S, 2000. 512p.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum, 1992. 352p.

McDONALD, M.B. Seed priming. In: BLACK, M.; BEWLEY, J.D. Seed technology and its biological basis. Sheffield: Sheffield Academic Press, 2000. p.287-325.

MARCOS FILHO, J. Teste de envelhecimento acelerado. In: VIEIRA, R.D.; CARVALHO, N.M. (eds.). Testes de vigor em sementes. Jaboticabal: FUNEP, 1994. p.133-149.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq, 2005. 495p.

NASSIF, S.M.L.; PEREZ, S.C.J.G.A. Efeitos da temperatura na germinação de sementes de amendoim-do-campo (Pterogyne nitens Tul.). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 22, n.1, p. 1-6, 2000.

PARMAR, M.T.; MOORE, R.P. Carbamax 6.000, mannitol and sodium choride for simulating drought conditions in germination of corn (Zea mays L.) of strong and weak vigor. Agronomy Journal, Madison, v.30, p.192-195, 1968.

PEREZ, S.C.J.G.A.; NEGREIROS, G. F. Efeito do pré-condionamento na viabilidade e no vigor de sementes de Canafístula (Peltophorum dubium Spreng. Taub.) em condições de estresse. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.23, n. 01, p.175-183, 2001.

SAMPAIO, T.M.G. Pre-acondicionamiento osmotico y recubrimiento de semillas de pimiento (Capsicum annum L.),1992. 266p. Tesis (Doctoral). Madrid: Universidade Poltécnica de Madrid.

SIRIWITAYAYAWAN, G.; DUTT, M.; KESTER, S.DOWIE, B.; GENEVE, R. Aging in tomato reduces the capacity of seeds to produce ethylene evolution during germination. In: NICOLÁS, G.; BRADFORD, K.J ; CÔME, D.; PRITCHARD, H.W.; The biology of seeds: recent researches advances. London, CABI Publishing, 2002. 462p.

SUÑE, A.D.; FRANKE, L.B.; SAMPAIO, T.G. Efeitos do condicionamento osmótico na qualidade fisiológica de sementes de Adesmia latifolia (Spreng.) Vog. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.24, n1, p.18-23, 2002.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 719p.

TAMBELINI, M.; PEREZ, S.C.J.G.A. Physiological effects of temperature and thermal stress on the seed germination of Stryphnodendron polyphyllum. Jornal of Tropical Forest Science, Kuala Lumpur, v.11, n.4, p. 680-689, 1999.

TONIN, G.A.; GATTI, A.B.CARELLI, B.P.; PEREZ, S.C.J.G.A. Influência da temperatura de condicionamento osmótico na viabilidade e no vigor de sementes de Pterogyne nitens Tul. Revista Brasileira de Sementes, v.27, n.1, p.35-43, 2005.

WANLI, Z.; LEIHONG, L.; PEREZ, S.C.J.G.A. Pré-condicionamento e seus efeitos em sementes de canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.) Taub.).Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.23, n.1, p. 146-153, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981943

Licença Creative Commons